FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Perspectivas para os grãos na safra 2006/07 e seus efeitos no mercado de leite

POR MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

E ALINE BARROZO FERRO

PANORAMA DE MERCADO

EM 15/09/2006

5 MIN DE LEITURA

8
0
O mercado de leite vai entrando em sua "hora da verdade", à medida que se aproxima a época de chuvas na principal região produtora do país, o Sudeste/Centro-Oeste, que respondem por cerca de 55% da produção nacional.

Passados 30 dias desde nossa última análise, os fundamentos continuam basicamente os mesmos, embora com alguma turbulência se aproximando. O mercado de longa vida vem reclamando das vendas, o de queijos já esteve um pouco melhor e o leite em pó definitivamente não está nos seus melhores anos. Essa conjuntura, aliada à expectativa das chuvas e ao fato da balança comercial ter apresentado déficit em agosto, podendo continuar assim mais algum tempo, responde pela maior incerteza do cenário. O valor médio de R$ 0,50/litro parece ser o teto do ano, ainda mais se considerarmos que o câmbio (veja gráfico abaixo) faz desse preço o mais alto do ano também em moeda americana.

Por outro lado, à exceção dos estados do Sul do país, de resto a oferta está bastante apertada. Até maio, os dados do Cepea indicavam produção 3,64% maior do que em 2005. Incluindo junho e julho, essa vantagem cai para 2,79% de elevação, abaixo da média histórica de crescimento. Assim como já ocorrera em junho, julho deste ano apresentou, de acordo com o centro, produção total menor do que o mesmo mês de 2005. O calor elevado e a falta de chuvas devem manter a situação assim para os próximos 30 dias, podendo, no entanto, haver alguma variação de preços em função da turbulência mencionada acima.

De qualquer forma, a análise mais certeira hoje, falando da totalidade de 2006, sugere preços médios sem dúvida mais baixos do que 2005 (estimo entre 8 e 10% na média anual, em valores nominais), fruto da distância nos valores recebidos no primeiro semestre dos dois anos. Em se tratando de segundo semestre, porém, a situação é outra: 2006 deve apresentar resultado superior a 2005, além de preços bem mais estáveis. Isso não quer dizer que o produtor esteja satisfeito com a remuneração, sendo o principal indicativo disso o modesto aumento da produção de leite nesse ano. Os gráficos abaixo trazem os preços em real e em dólar, sendo interessante notar que, em dólar, os valores estão praticamente iguais aos de 2005, com agosto apresentando valores mais elevados do que no mesmo mês no ano anterior.

Fonte: Cepea/USP, elaboração Equipe MilkPoint

Fonte: Cepea/USP e Banco Central do Brasil, elaboração Equipe MilkPoint

Indo além na análise e falando de 2007, um item que preocupa é a perspectiva de preços das commodities, especialmente milho e farelo de soja, que nesse ano "subsidiaram" a atividade leiteira com preços um tanto convidativos.

As análises atuais sugerem um cenário distinto no caso do milho. A consultoria Safras & Mercado aponta retração na área plantada entre 9 e 14%, com uma produção total de 40 a 40,5 milhões de toneladas, contra 42,24 milhões na safra 05/06. Os estoques finais internos podem sofrer uma redução de 80%. Já instituto FNP aponta uma variação menor, da ordem de 1% na produção das duas safras. No cenário externo, a produção norte-americana deve se manter com pouca mudança (na verdade, queda de 1%), ao passo que o consumo deve aumentar 5,7%. Vale lembrar que a demanda para produção de etanol a partir do milho, nos EUA, deve aumentar 34,5% e a demanda continuará forte nos demais mercados. As estimativas apontam elevação de 8 a 28% nos preços do grão para o produtor norte-americano.

Em função desse cenário, os preços do grão devem subir. A Safras & Mercado fala em valores de até R$ 18/saca (R$ 300/tonelada) já em janeiro de 2007. Na Bolsa de Chicago, os contratos com vencimento para dezembro de 2007 estão 32,6% acima dos valores de julho de 2006, indicando a tendência de alta do grão. Na média do ano, 2007 apresenta contratos com preço 17,9% superiores aos de 2006. É obviamente complicado fazer previsões de preços, mas a chance é grande do produtor de leite ter de trabalhar em 2007 com custos de energia significativamente mais altos do que em 2006, apesar do consumo interno do grão apresentar poucas variações, em função do setor de carnes estar andando de lado nos últimos tempos.

No caso da soja, deve haver também redução da área plantada, da ordem de 8%, porém com ganhos de produtividade, de forma que a produção final deve se manter próxima à da safra 05/06, com 55,3 milhões de toneladas no Brasil. A manutenção do forte crescimento da economia mundial, da ordem de 5%, aliada à produção mundial de soja sem grandes variações, deve reduzir parte dos estoques no complexo soja. A previsão é de valores próximos ou pouco acima dos verificados em 2006 (cerca de 5,5%). Já no caso do farejo de soja, a Bolsa de Chicago aponta US$ 180 a 210/tonelada para 2007, mesma faixa verificada em 2006.

Tudo somado, é esperado um aumento do custo da alimentação dos rebanhos em 2007, fruto de uma recuperação nos preços do milho, que pode ser da ordem de 20% ou mais. Essa perspectiva, aliada ao dólar atual, que limita o escoamento do produto e coloca um teto de preços, abre um cenário de menor estímulo para a atividade leiteira em 2007. Em outras palavras, a relação de troca favorável, que foi a salvação da lavoura nesse ano, perde um pouco de seu encanto em 2007.

O gráfico abaixo traz os valores comparativos do leite versus uma mistura de 70% de milho e 30% de farelo de soja, de 2000 a 2006 (parcial até julho) e a estimativa para 2007, considerando preços do leite iguais aos de 2006 e milho mais caro. Nesse cenário, a relação de troca fica entre o obtido em 2004 e os valores mais atrativos verificados em 2005. Se houver valorização do dólar, como muitos estimam, a situação melhora, pois o preço do leite em reais tende a subir, embora o mesmo deva ocorrer para milho e soja (mesmo assim, considerando que outros custos não são dolarizados, há ganhos com a alta do dólar). No cenário que se pode hoje avaliar, porém, o mais certo é que 2007 será um ano parecido com 2006 no que se refere a crescimento da produção, dificilmente passando dos 3% anuais. Mais para frente, será possível reavaliar o quadro, com informações mais precisas.

Fonte: Deral/PR, Conab e Cepea/USP, elaboração Equipe MilkPoint

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERTO A. DA COSTA

POÇOS DE CALDAS - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/11/2006

Mais uma vez o produtor de leite se vê no dilema que sempre o acompanha: como manter a rentabilidade com os preços dos insumos ainda mais altos?

O produtor tem que buscar aumentar cada vez mais a produção na fazenda, somente assim será necessário abaixarmos os custos da empresa rural a partir da diluição dos valores fixos como energia, mão de obra, manutenção de equipamentos e depreciações.

À medida que o tempo passa, a atividade leiteira fica mais na ponta do lápis, fazendo contas e oportunidades de aquisições de insumos, mais difícil e mais apaixonante.

Parabéns ao MilkPoint pelo artigo.
BRASILMAR MIELI

OUTRO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/09/2006

Mais uma vez, temos pela frente uma luta entre custo de produção e preço do leite. Alguém pode nos indicar um caminho para nos livrarmos desse problema?
JÚLIO CÉSAR PEREIRA DE ALMEIDA

SÃO MIGUEL ARCANJO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/09/2006

Há algumas alternativas para os produtores de leite, em relação à energético na ração. Na minha região, temos o trigo, polpa cítrica, sorgo, subproduto de milho, eentre outros.
VALDIR GOERGEN

AUGUSTO PESTANA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/09/2006

Aqui no Rio Grande do Sul, principalmente na região Planalto Médio, há uma grande expectativa de melhora dos preços do leite em função das indústrias que estão se instalando. Caso isso não ocorra, haverá frustração dos produtor.

Referente ao artigo acima, é uma preocupação a mais para os produtores de leite. Parabenizo o MilkPoint por essas informações.
LUCIANO FERES JACOB

SÃO SIMÃO - GOIÁS - EMPRESÁRIO

EM 18/09/2006

Acredito que no ano de 2007 será pior para nós, produtores de leite, pois teremos os custos de produção alterados com este panorama de mercado de grãos. Ainda não sei como enfrentarei este problema.
ROMULO CÉSAR ALVES DA SILVA

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 18/09/2006

Considero tal artigo benéfico em alguns pontos e preocupantes em outros. Há ainda o cenário das eleições que poderá refletir consideravelmente nas variações cambiais e, conseqüentemente, nos preços de tais comodities.

Mesmo assim, devemos ter cautela em relação à produção e devemos sempre trabalhar no sentido de otimização, e nunca perder de vista os custos de produção e as relações de troca com outros segmentos do agronegócio.
SÉRGIO MARCUS DE ANDRADE SAVASSI

PATOS DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE OVINOS DE CORTE

EM 15/09/2006

O artigo é bom, e nos dá parâmetros para planejamento. Parabéns.
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 15/09/2006

Com relação à oferta futura de leite, observo que não é desprezível o impacto das 92 usinas de açúcar em construção no país.

Ainda que em São Paulo o leite tenha menos relevância, este efeito no Triangulo Mineiro, Paraná, Mato Grosso do Sul e Sudoeste Mineiro são aspectos a considerar.

Assim como o etanol agrediu rápida e sensivelmente o parque citrícola de São Paulo, não devemos especular que o leite esteja fora de seu raio de ação. Ambos são produtos frete-dependentes, portanto, devem estar próximos da indústria. O leite por ser perecível e a cana crua por ter baixo valor adicionado na carga; não há dúvida que são concorrentes.

MilkPoint AgriPoint