FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O produtor pode fazer-se ouvir

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 02/12/2003

5 MIN DE LEITURA

0
0

Há algumas semanas, um produtor enviou uma sugestão de pauta para esta seção. Na sugestão, solicitava que fosse analisada a atuação das entidades de classe e das lideranças da pecuária leiteira com relação à queda de preços, informações desencontradas divulgadas pela indústria e à constante pressão para reduzir o valor do leite coletado no campo.

Pois bem, o momento parece oportuno para discutir esta questão.

Geralmente, em qualquer encontro de produtores, muitas críticas são dirigidas aos representantes de classe. Estes se defendem apresentando as suas ações e mostrando resultados dos trabalhos. Apontam a distância entre as bases e as lideranças como o principal foco motivador das críticas.

A verdade é que os representantes têm desempenhado sua função na defesa dos interesses políticos do setor leiteiro, como é o caso da recente implantada Câmara Setorial do Leite.

O problema é que os produtores ainda esperam que a política, através da pressão de seus representantes, seja eficaz na solução de um sério problema: os baixos preços do leite. É comum ainda encontrar produtores exigindo que o mercado volte a ser regulamentado pelo Governo, algo impraticável no cenário atual.

Como não há regulamentação no mercado, representantes dos produtores, como a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), as federações estaduais e as diversas associações regionais (Leite Brasil, Leite São Paulo etc.), acabam tendo seu universo de ação limitado, como ocorre com lideranças de todo o mundo capitalista.

Se antes da década de 90 participavam da definição dos preços, hoje as ações das lideranças têm pouca influência imediata. As únicas medidas políticas e legais, que podem relacionar-se com o mercado, são as pressões pela obrigatoriedade de uso de leite nacional nos programas sociais e nas escolas; pressões por controle de práticas desleais de mercado; por ações "antidumping" contra países que subsidiam a produção; por fiscalização do mercado informal e outras.

Apesar da importância de ações em torno de temas como os supracitados, os resultados não são perceptíveis no curto prazo. O produtor quer soluções para problemas imediatos como é o caso da queda de preços em outubro e novembro. Na figura a seguir estão os preços dos leites tipos C e B, em São Paulo, em reais corrigidos pelo IGP-DI por litro ao longo dos últimos cinco anos.

Observe que a curva dos preços está voltando a assemelhar-se à dos anos de 2000 e 2001. Confirmando-se as quedas previstas nos preços para dezembro, os valores médios pagos pelo leite brasileiro terão recuado 8%.
 


Como o mercado é soberano, não há como barrar comportamento nos preços. Se há sobra de leite, os preços caem; se falta leite, os preços sobem. Sendo assim, a única maneira de os representantes dos produtores influírem nesta questão é analisando informações e instruindo os produtores a tomarem medidas de mercado.

Em outras palavras, as entidades de classe precisam passar de representantes políticos para líderes dos produtores rurais. E é isso mesmo que os representantes vêm fazendo nos últimos anos. Vale lembrar que esta mudança é recente, e teve início a partir da década de 90.

No entanto, para que a liderança seja eficaz, os produtores devem discutir e seguir as recomendações elaboradas e propostas por eles. É isso que se pode chamar de coordenação de ações. Levantam-se as informações, elabora-se um planejamento e se adotam medidas que evitem excesso ou falta do produto no mercado.

Para exemplificar, nada melhor que usar os fatos do final de novembro de 2003. As vendas de leite e derivados têm evoluído lentamente, o que acabou causando queda dos preços. Há estoques de leite, ou seja, está sobrando o produto. A sobra de leite nada tem a ver com excesso de produção, o que tem sido afirmado por diversas indústrias, mas sim com dificuldade de vendas.

Há quem diga que a produção tem aumentado 25% a partir de setembro, algo pouco provável de ter acontecido. Alguns especulam sobre o pagamento de leite extracota para a virada do ano e já se estipulam preços nos patamares de R$ 0,20/litro. Ressalta-se que grande parte das indústrias não confirma esta informação.

Em cima destas especulações, e da evolução dos preços dos insumos, a CNA passou a recomendar, nos últimos dias, que o produtor reduzisse as despesas com rações e fertilizantes, o que promoverá uma retração da produção leiteira. Segundo Rodrigo Alvim, presidente da comissão de pecuária de leite da CNA, se há sobra de leite, nada melhor que o produtor reduzir o volume de oferta do produto. Portanto, a recomendação é que o produtor avalie na fazenda qual será a perda com a redução da escala de produção, e passe a reduzir o volume ofertado.

Se a maior parte dos produtores seguir a recomendação, o que acontecerá na prática? Os preços do leite, sem sombra de dúvida alguma, subirão já no início de 2004. Não é isso que se deseja?

Há quem diga que a melhor opção é uma união entre as indústrias e produtores para construir um mercado fortalecido de leite e derivados. Evidentemente, essa seria a melhor opção, mas, por enquanto, a única opção para o produtor influenciar o preço do leite, ou pelo menos combater quedas muito elevadas, é reduzindo a produção.

E foi exatamente isso que ocorreu em 2002 possibilitando uma firmeza de 22 meses nos preços do leite.

Sendo assim, avaliando criticamente, as entidades e os representantes da classe produtora de leite estão desempenhando adequadamente o seu papel. A recomendação da CNA é uma das provas de que estão buscando medidas que defendam a renda do produtor de leite.

A situação foi analisada, houve conversas com as indústrias e não há alternativa. O mercado depende da ação do produtor e a CNA está indicando qual ação tomar.

No entanto, os resultados só se concretizarão se a maior parte dos produtores seguir a recomendação. As entidades não podem agir por todos os produtores, apenas liderar.

Para liderar com qualidade precisam de informações e, posteriormente, que os produtores sigam as recomendações.

Apenas para informar e contra-argumentar os que criticam a atuação destes representantes, em recente palestra, Rodrigo Alvim afirmou que a CNA frequentemente envia 6 mil cartas para produtores pesquisando sobre as suas condições e sugestões de ações. Deste total, apenas 800 produtores, em média, respondem. Menos de 13% do total.

Sem a participação dos produtores, seja informando, sugerindo ou agindo, as medidas mais eficazes elaboradas pelos representantes de classe certamente não renderão frutos.

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint