ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O Preço dos Insumos

POR PAULO DO CARMO MARTINS

PANORAMA DE MERCADO

EM 19/02/2004

3 MIN DE LEITURA

1
0

Nunca é demais reconhecer que avançamos muito na organização da cadeia produtiva do leite, nestes últimos 13 anos. Isso ajuda a espantar sentimentos derrotistas, daqueles que vêem imobilismo na cadeia do leite. Mas também não podemos partir para outro extremo, ou seja, somente cultuar a reorganização em curso. É preciso estar de olho no que ainda há a fazer nesse sentido, e não é pouco.

Todo setor, quando amadurece, acompanha o comportamento de diferentes mercados que lhe afetam. Acompanha os mercados de insumos, pois isso afeta os seus custos de produção. E cada insumo tem um mercado diferente, com variáveis específicas que lhe afetam. Também acompanha o mercado de produtos, já que muitos deles concorrem com os produtos que o setor oferta. A finalidade é criar indicadores que permitam aos gestores das empresas tomarem decisões, buscando reduzir riscos.

Veja o caso do setor financeiro, mais especificamente a Bolsa de Valores. Quem atua neste mercado precisa ter noção do que ocorre no setor produtivo e na política. Mas isto não basta. Precisa acompanhar o comportamento do Índice da Bolsa - IBOVESPA, para saber se as expectativas do mercado, traduzidas no Índice, são próximas da sua. Isso tudo é necessário para decidir se compra mais ou vende as ações que ele tem, digamos, do Bradesco ou das Lojas Americanas.

Esse comportamento também está presente no setor produtivo. A siderurgia e as montadoras de automóveis, por exemplo, além de monitorar o comportamento dos mercados que lhe afetam, chegam ao requinte de contratarem consultorias de empresas especializadas em criar cenários. A Tendência é um dos vários exemplos de empresa que presta esse serviço, e que tem a sua frente o ex-ministro Maílson e o ex-presidente do Banco Central, Gustavo Loyola, dentre outros. No caso do leite, temos dificuldade até para obter preços de insumos. Isso inibe um melhor conhecimento do negócio leite.

Veja os gráficos abaixo. Eles retratam comportamento de preços de 22 insumos no Estado de São Paulo, tendo como fonte primária o Instituto de Economia Agrícola. Seguindo a linha dos dois últimos artigos publicados nesta coluna, que retrataram preços recebidos por produtores de leite, onde explico procedimentos que adotei, produzi os referidos gráficos utilizando números-índices. Além de ser uma forma de melhor comparar o comportamento de preços de produtos diferentes, tem a vantagem de permitir verificar quanto, em termos percentuais, o preço de cada produto subiu ou caiu em relação à origem. A base foi novembro de 2000 (índice 100), mês a mês.

Não é pretensão deste artigo analisar os 22 gráficos e compará-los com o comportamento de preços do leite em São Paulo, que também é apresentado. Apenas como "aperitivo", veja como os preços dos diferentes farelos se comportaram. Será que foi bom negócio fornecer farelo de algodão a partir de agosto de 2002? Compare com os preços de leite. Por que o preço do farelo de soja não explodiu? Sua percepção é que explodiu? E a ração para vacas em lactação, por que não seguiu o comportamento de preços de outros insumos? E o preço do trator? Por que ficou tão mais caro? Não seria o caso de se pressionar este setor altamente concentrado? Quando o BNDES cria uma linha de crédito para trator, não cria também a possibilidade de pressionar este setor quanto a preços?

Enfim, não seria o caso de termos indicadores de monitoramento de mercado, que subsidiassem produtores, lideranças e dirigentes de empresas do agronegócio do leite, para que, de modo contínuo, pudessem acompanhar e interferir nestes mercados, ao mesmo tempo em que usufruiriam de informações para planejar, privada e individualmente, o rumo que deveria ser dado aos seus negócios?

Seqüência de gráficos sobre comportamento de preços de leite recebido por produtores e preços de insumos. São Paulo. Novembro de 2000 a novembro de 2003.
 

 

 

 

 

 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

NEVIO PRIMON DE SIQUEIRA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/02/2004

Essas comparações de preços de insumos e o leite é assunto velho, porém sempre atual e sempre devem ser feitas. Fiz essa comparação de forma bem mais grosseira há tempos atrás e também escrevi ao MilkPoint sobre minha tristeza ao ver os resultados. Mas, na verdade, o aumento de custos do produtor não acaba por aí. Existe uma série de custos que não faziam parte do custo de produção, e sim da indústria, que hoje também recaem nas costas do produtor em nome da "QUALIDADE" . Por exemplo, a presença e a manutenção de um tanque resfriador na propriedade rural, que gera investimento e custos mensais de energia e manutenção do mesmo; esse mesmo tanque que viabiliza o carreto granelizado, que seria mais barato para o produtor. SERIA, mas na verdade não é, o que se vê comparando preços de frete de leite. Custo de ordenha mecânica, é bom nem se lembrar. Mão de obra especializada então. A indústria economiza o custo de resfriamento, carreto, melhoria da qualidade do produto, mas o que vemos hoje é que essa melhoria de qualidade da matéria-prima nem sempre é repassada ao responsável direto por essa melhoria e quem realmente assumiu os custos relativos a ela. A indústria, por sua vez, se vê refém do mercado varejista, que hoje tem o maior poder de fogo nas mãos e faz o que quer da indústria, pois sabe que quem vende produto com prazos de validade curtos, tem que vender logo para não perder tudo.

Mas alguem já imaginou hoje um hipermercado sem leite nas prateleiras? O leite é um dos maiores bois de piranha do varejo. Está presente em todos os tablóides de ofertas, sempre a preços ridiculamente baratos, o que degrada até o produtor, que se sente ultrajado com isso, pois reflete no seu bolso, na sua mesa e na sua qualidade de vida. Na minha opinião, isso só tem chance de melhorar com um marketing mais agressivo da cadeia produtiva, sem depreciar nenhuma forma de produto lácteo, mas informando ao consumidor as diferenças entre os mesmos, seja leite A, leite B, leite C, longa vida, bebida láctea, etc, pois quem acha que pode pagar mais por um produto melhor o fará sabendo os motivos que fazem daquele produto melhor do que o outro, seja em qualidade de matéria-prima, conforto, segurança, etc. Mas voltado aos custos, não vejo saída de reverter isso sem que seja na outra ponta, ou seja, no mercado consumidor. Um abraço, Névio .

<b>Resposta do autor:</b>

Caro Nevio,

Concordo com você sobre a necessidade de termos analises conjunturais permanentes. Nenhum setor é maduro se este tipo de análise não ocorre rotineiramente. Sobre a questao da qualidade, publiquei artigo a respeito em <a href=https://www.milkpoint.com.br/mn/conjunturalactea/artigo.asp?nv=1&id_artigo=7600&perM=2&perA=2004>12/06/2003</a>;, neste mesmo espaço, que vai um pouco na sua linha de argumentação. Sugiro que leia. Voltarei a esse assunto brevemente. Quanto a questao do frete, já há algum tempo venho me preparando para escrever a respeito. Prometo que isso se dará nos proximos artigos.

Um abraco,

Paulo Martins
MilkPoint AgriPoint