ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O preço do leite neste milênio

POR PAULO DO CARMO MARTINS

PANORAMA DE MERCADO

EM 23/01/2004

5 MIN DE LEITURA

1
0

Na última década do milênio passado o preço do leite ao produtor caiu a quase um terço do valor, descontada a inflação. Foi uma queda radical, que expulsou muitos da atividade e obrigou um forte ajuste nos sistemas produtivos daqueles que se mantiveram na atividade. E neste milênio, qual tem sido o comportamento dos preços?

O gráfico 1 reproduz os preços mensais recebidos por produtores de leite nos estados de Minas Gerais, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Goiás e Bahia, entre novembro de 2000 e novembro de 2003, de acordo com o Cepea, da Esalq/USP. Deflacionei os preços para novembro de 2003.
 


Deflacionar corresponde a retirar a inflação. Vamos explicar melhor este procedimento. Deflacionar significa trazer todos os preços para um mesmo mês. Suponha que você comprou um Fiat Palio novo por R$ 8.000 em 1994. Suponha agora que um Fiat Palio novo é vendido hoje por R$ 14.000. Hoje ele é mais caro ou mais barato que há 10 anos atrás? Erra quem compara os dois preços diretamente. Um dos graves erros que se comete em análises de preços é comparar valores de épocas diferentes, sem descontar a inflação do período, o que mascara qualquer análise. Isso vale também quando trabalhamos com moedas fortes como o dólar, pois mesmo nestes países ocorre inflação. Somente depois que os preços nominais ou correntes são deflacionados ou corrigidos é que se torna possível saber se os preços recebidos foram maiores, menores, ou estáveis.

Veja o gráfico 2. Ali estão representados os preços nominais ou correntes para o leite, ou seja, os preços efetivamente recebidos pelos produtores, mês a mês. Agora compare os gráficos 1 e 2. O Gráfico 2 nos dá a falsa sensação que os preços tiveram crescimento contínuo da metade da série até o seu final. Mas o crescimento do preço foi menor que a inflação mês a mês, em geral. Portanto, seu crescimento, na realidade, não foi verdadeiro. Por isso, o gráfico válido para qualquer análise é o gráfico 1. Em outras palavras, está errado afirmar que o preço do leite cresceu seguidamente após o verão de 2002!

 


Então, vamos no ater ao Gráfico 1, que reproduz valores reais e entender o que ele, o gráfico, nos diz. A título de exemplo, o Cepea nos informa que o produtor de leite em Minas Gerais recebeu, em média, R$ 0,32 por litro em novembro de 2000. Após deflacionarmos, descobrimos que, em novembro de 2003, os R$ 0,32 equivalem a R$ 0,48. Portanto, neste caso específico, o preço do leite recebido em novembro de 2003 foi maior em R$ 0,01 que o preço do leite em novembro de 2000, medido em valores de novembro de 2003, pois os produtores receberam, três anos depois, R$ 0,49 por litro de leite naquele estado. Parece complicado? Parece, mas não é.

Mas, voltemos ao gráfico 1. O comportamento da série histórica apresenta três momentos distintos, o que lembra uma montanha russa. Os preços caem na safra 2000-2001 e se elevam até julho-agosto de 2001. Se estabilizam e têm queda vertiginosa, quando voltam a subir e, a partir daí, apresentam uma certa estabilidade até o final de 2003.

Em termos médios, o estado que melhor remunerou o produtor foi Minas Gerais no período (relembrando: novembro de 2000 a novembro de 2003), a R$ 0,466 o litro, seguido de São Paulo a R$ 0,447, Goiás a R$ 0,439, Rio Grande do Sul a R$0,422, Paraná a R$ 0,414 e Bahia a R$ 0,393. Numa comparação mês a mês, em 37 observações, Minas Gerais obteve o maior valor em 29 meses e o segundo maior preço nos demais meses. São Paulo obteve a melhor remuneração para o leite em nove meses da série e o segundo melhor preço em outros 16 meses. Isso não significa afirmar que as maiores rentabilidades foram obtidas nestes estados. Dados de preços somente não permitem esta inferência. É necessário se conhecer a estrutura de custos das propriedades e o comportamento do preços dos insumos. Em outra oportunidade e com outros preços, verifiquei que as propriedades do sul do país têm melhor rentabilidade que as propriedades de Minas e São Paulo, embora os preços recebidos pelos produtores de leite no sul do Brasil sejam tradicionalmente inferiores.

Essa última afirmação se confirma nessa série histórica. O Paraná apresentou os menores preços entre os cinco maiores estados produtores de leite do Brasil, embora tenha melhorado o seu desempenho comparativo, a partir de janeiro de 2001. Efeito do Conseleite? O último lugar ficou para a Bahia. Em 24 dos 37 meses aquele Estado apresentou o pior preço recebido entre os seis estados analisados.

O Gráfico 3 retrata os preços médios praticados nos seis estados, vistos em conjunto e apresentados sob a forma de números-índice. Esse é um artifício interessante para tornar mais visível o comportamento dos preços. Elegi novembro de 2000 como índice 100. Isso significa dizer que, se num determinado mês encontrarmos índice de preço de 117, é correto afirmar que, naquele mês, o preço foi 17% superior a novembro de 2000, descontada a inflação.

 


Vejam que estrago o apagão promoveu na remuneração do produtor. Entre julho de 2001 e janeiro de 2002, o preço recebido caiu de 111 para 75, ou dois terços do que era a seis meses anteriores. Mas o lado bom disso é que, afastado o efeito apagão, em termos reais, ou seja, descontada a inflação, os preços apresentaram uma relativa estabilidade de preços. Entre janeiro e novembro de 2003, por exemplo, os preços recebidos oscilaram entre 95 (janeiro) e 108 (entre junho e setembro). Convenhamos, é uma pequena oscilação (13,7%), entre os picos de safra e entre safra.

Pretendo continuar com este assunto nos artigos seguintes. No próximo, apresentarei o comportamento de preços nos seis estados. Conheceremos quem é o estado campeão em estabilidade de preços e o campeão em instabilidade. No artigo seguinte, apresentarei o comportamento de 22 insumos largamente utilizados pelos produtores, como ração, adubos e defensivos, produtos veterinários. Entre uma notícia e outra sobre o tufão Parmalat, que a todos nos assola, creio ser interessante continuarmos analisando os preços que afetam a atividade leiteira.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PEDRO URUBATAN NETO DA COSTA

SANTA MARIA - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 05/02/2004

Além do conteúdo importante, a forma didática permite o entendimento por leitores sem formação na área de economia.
Gostaria de saber qual o índice utilizado para correção dos preços.

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado Pedro,

Obrigado pelas considerações elogiosas. Tenha a certeza que foi muito difícil para mim abordar esta questão. Acredito que ainda o assunto tenha ficado árido. Mas está na hora do setor começar a discutir conjuntura e estrutura dos mercados, não?

Desculpe-me por ter me esquecido de informar sobre o deflator. Usei o IGP-DI da Fundação Getúlio Vargas. É o mais geral de todos, não é mesmo? O ideal talvez fosse utilizar o Indice de Preços ao Produtor, que tambem é geral, embora menos. Mas desconheço a existência deste Índice por estados...

Paulo

MilkPoint AgriPoint