ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O mercado mundial de leite em pó até 2013

POR PAULO DO CARMO MARTINS

PANORAMA DE MERCADO

EM 05/11/2004

3 MIN DE LEITURA

2
0

Ao longo de 2003, o Brasil dispendeu US$ 112,3 milhões com importações de produtos lácteos e exportou US$ 48,5 milhões. Portanto, os lácteos geraram um déficit de US$ 63,8 milhões na balança comercial. Até setembro deste ano, as importações foram de US$ 61,6 milhões, contra exportações de US$ 57,5 milhões. Déficit, portanto, de US$ 4,1 milhões. Em nove meses, as importações equivaleram a 54,8% das importações totais do ano passado, enquanto que as exportações este ano já são maiores em 18,5% ao que se verificou em todo o ano passado.

No artigo anterior, publicado nessa coluna, apresentei simulações feitas pela OCDE para o mercado de manteiga e queijos até 2013. O atento leitor Amauri César Pivotto, verificou que há um descompasso nos dados apresentados para 2003. A partir daquele ano as estatísticas mudaram de patamar. Procurei obter justificativas para este fato. Vasculhei o site da OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico em busca de detalhes metodológicos e acionei o corpo de pesquisadores que a Embrapa mantém no Labex-Europa. Mas não foi possível juntar informações convincentes.

Esse é um motivo mais do que cabal para que o Brasil inicie urgentemente a realização de estudos visando entender o mercado internacional de lácteos e, mais ainda, é necessário que comecemos a fazer nós mesmos as previsões de comportamento de mercado. No âmbito interno, um importante passo está sendo dado pela OCB/CBCL e pelo Cepea/USP e Embrapa Gado de Leite, que começam a disponibilizar informações de mercado interno, por meio do SIMLEITE - Sistema de Monitoramento do Mercado de Lácteos Brasileiro. Enquanto não viabilizamos articulação semelhante entre o setor produtivo e a academia, resta a todos nós somente conhecer os estudos de mercado feitos no exterior.

No artigo anterior há uma tabela que lista os países que compõem a OCDE. Ao todo são trinta e correspondem a mais de 80% das exportações mundiais de lácteos. No presente artigo, apresento suas previsões até 2013. A tabela 1 retrata o comportamento esperado de Manteiga, Queijo, Leite em Pó Desnatado, Leite em Pó Integral, Soro de Leite em pó e Caseína. Como se percebe, em termos nominais, as previsões são de mercado com preços estáveis. Considerando-se uma possível inflação média acumulada até 2013 nesses países, de 10%, em termos reais os produtos deverão ter pequena queda de preços. A maior queda de preços reais deverá ser para o leite em pó. Portanto, a OCDE não está prevendo a redução de subsídios ao ponto de interferir nos preços do mercado internacional. Em seu estudo, há previsões para o comportamento de preços internos que confirmam esta afirmação.

As tabelas 2 a 4 trazem as previsões para Leite em Pó no âmbito da OCDE, nos demais países e o consolidado no mundo. No âmbito da OCDE, a produção, a importação e o consumo deverão se manter em patamares próximos aos atuais. Contudo, a previsão é que haja aumento das importações e redução dos estoques. Mas estas ainda continuarão restritas. Afinal, se confirmadas, serão apenas um terço do volume a ser exportado.

Já entre os países que não compõem a OCDE, a previsão é que a produção cresça 62% nos próximos dez anos, enquanto o consumo deverá crescer 26%, o que implicaria numa redução das importações em 9%, aproximadamente. A resultante desse comportamento deverá gerar um crescimento da produção e consumo mundiais próximos a 10%, ao final de uma década.

Nos últimos dias o debate a respeito da condução da política externa brasileira se intensificou. Há aqueles que entendem que o Brasil perde espaço ao não se alinhar com os países do primeiro mundo e não demonstrar efetivo interesse na criação da ALCA e de um mercado de livre comércio com a União Européia. Sem entrar nessa questão, o fato é que, sob a ótica do leite, parece ser promissor investir na relação Sul-Sul, ou seja, intensificar relações comercias com os países latino-americanos e africanos, já que são importadores líquidos de leite, além da China, que poderá construir sólida parceria com o Brasil, depois da vinda da missão daquele país, prevista para novembro.

Tabela 1. Previsão de preços para produtos selecionados no mercado mundial. 2004-2013. (US$/t.)

 


Tabela 2. Previsões para Leite em Pó Desnatado no âmbito da OCDE. 2004-2013. (mil t.)

 

 



Tabela 3. Previsões para Leite em Pó Desnatado fora da OCDE. 2004-2013. (mil t.)

 



Tabela 4. Previsões para Leite em Pó Desnatado para o mercado mundial. 2004-2013. (mil t.)

 



 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JEFFERSON GABRIEL DA SILVA

SÃO PAULO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 30/11/2015

Estou procurando a mesma coisa que a Elisandra e também sou estudante acadêmica e estou tendo dificuldade de achar informações mais atuais sobre mercado e faturamento atuais.
ELISANDRA MENDES

UBERABA - MINAS GERAIS - ESTUDANTE

EM 09/06/2014

Sou estudante acadêmica e estou desenvolvendo um projeto de conclusão de curso para demonstrar a viabilidade econômico-financeira para instalação de uma planta de leite em pó.

Estou buscando o faturamento do mercado de leite em pó integral no Brasil durante o ano de 2013 ou 2012 ou 2011 ou 2010, já revirei a internet e não tive sucesso.

Vocês têm essa informação ou sabem onde posso conseguir?



Atenciosamente,



Elisandra Mendes
MilkPoint AgriPoint