FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O mercado melhorou, mas cenário sugere cautela

POR MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

PANORAMA DE MERCADO

EM 11/03/2006

4 MIN DE LEITURA

2
0

Após cerca de meio ano de quedas nos preços ao produtor, o mês passado verificou uma elevação, ainda que modesta: segundo o CEPEA/USP, o preço médio dos estados pesquisados subiu 3,4%, para R$ 0,432/litro. Já a Scot, em matéria do Valor, apontou elevação de 1,4%, com preço muito próximo: R$ 0,427/litro. A principal razão para esse comportamento em um mês de "safra" foi a redução na captação de leite (segundo o CEPEA, a captação em fevereiro foi 3,8% menor do que em janeiro), aliada a maior demanda de lácteos pela volta às aulas, além do estímulo ao consumo provocado pelos baixos preços nos lácteos, fatores que motivaram alguma elevação dos valores no atacado e varejo. De outro lado, em informação recém-divulgada, as exportações atingiram US$ 13 milhões em fevereiro, superando em US$ 3,2 milhões as importações, contribuindo para enxugar o mercado. A percepção do setor é de que os estoques estejam relativamente baixos, principalmente para longa vida e queijos.

Esse movimento de alta foi precedido por uma substancial elevação os valores do chamado leite "spot", comercializado entre empresas. Aliás, o "spot" é sempre o primeiro a reagir, quando há movimento de alta, e o primeiro a cair, quando o movimento é de redução de preços. Além disso, pelo fato ser normalmente negociado a cada quinzena e envolver volumes maiores, apresenta maior volatilidade de preços. O leite "spot", que chegou a ser comercializado a R$ 0,35/litro em janeiro, atingiu valores próximos a R$ 0,60/litro recentemente, em uma elevação muito rápida - menos de 2 meses e meio - e até maior do que poderia esperar o mais otimista dos analistas, analisando o cenário ao final do ano passado.

Tal situação, evidentemente, repercute o mercado, sinalizando a necessidade de aquisição de leite por parte das empresas do setor, refletindo a conjuntura exposta no primeiro parágrafo adicionada de dois aspectos: primeiro, a expectativa de elevação do consumo em função do maior crescimento da economia em 2006 em relação a 2005 (que apresentou aumento pífio do PIB de 2,3%) e o ganho salarial nas faixas de renda mais baixas com o aumento de 17% no salário mínimo a partir de abril. Um terceiro aspecto pode ser citado, finalizando a composição do quadro por trás desse movimento: considerando os preços mais baixos pagos pelo leite no segundo semestre, cria-se a expectativa (que começa a ser materializada pela redução na captação de fevereiro), de menor disponibilidade de leite no mercado na entressafra, o que coincide com a necessidade atual das empresas de captação de leite. Analistas do setor estimam, para 2006, um aumento de 3 a 5% na produção, bem mais baixo do que o verificado em 2005, ainda que não tenhamos os números finais. É interessante lembrar que várias fábricas foram recentemente construídas, sendo necessário girá-las.

Não é difícil, portanto, explicar essa reversão no quadro em fevereiro e a expectativa de novos aumentos de preço ao produtor, ainda mais se considerarmos que o "spot" vem subindo - e bastante. Porque, então, a cautela sugerida no título desta análise?

A cautela está no câmbio. Até pouco tempo, a opinião geral era que o câmbio estava distorcido, isto é, irreal, e que mais cedo ou mais tarde, subiria para níveis mais palatáveis, de R$ 2,40 a R$ 2,50. Hoje, cada vez mais cresce a opinião no mercado de que o dólar atingiu um novo patamar estrutural, ou seja, não há porque esperar, considerando as variáveis macroeconômicas do país e o cenário mundial, um aumento nas cotações. Pelo contrário: há quem trabalhe com expectativa de valorização ainda maior do real, a ponto de atingir valores tão "improváveis" quanto R$ 1,80.

Em janeiro, a balança comercial de lácteos apresentou déficit de cerca de US$ 4 milhões, contra menos de US$ 0,5 milhão no mesmo mês de 2005. Apesar da recuperação em fevereiro e em que pese a boa notícia da reabertura do processo das medidas anti-dumping, muito bem comentada por Paulo do Carmo Martins em seu artigo de Conjuntura (clique aqui para ler), o fato é que se o câmbio ficar mesmo na faixa dos R$ 2,00 a R$ 2,10, a possibilidade de recrudescimento das importações - e conseqüente frustação dos esforços exportadores - é real. Com um câmbio de, digamos, R$ 2,10, qualquer valor que se aplique ao preço do leite parece uma heresia ao ser convertido em dólar, partindo-se do princípio que o preço que permite competitividade hoje no mercado internacional estaria na casa dos US$ 0,21-0,22 por litro. De outro lado, em função das incertezas em relação ao câmbio, várias empresas estão receosas de fechar contratos e depois amargar perdas em função de variações cambiais.

Dessa forma, explica-se a cautela. Se o câmbio se firmar nesses novos patamares, é provável que tenhamos aumento significativo de importações principalmente a partir de abril e maio, quando a safra argentina começa a crescer (o dólar está hoje cotado a 3,08 pesos). Assim, uma leitura possível, no momento atual, indica elevação de preços por mais 2 a 3 meses e, depois disso, incerteza em função de uma provável entrada de leite argentino (e, em menor quantidade, uruguaio). Há, dessa forma, o risco de termos uma repetição do comportamento da curva de preços do primeiro semestre de 2005.

MARCELO PEREIRA DE CARVALHO

Engenheiro Agrônomo (ESALQ/USP), Mestre em Ciência Animal (ESALQ/USP), MBA Executivo Internacional (FIA/USP), diretor executivo da AgriPoint e coordenador do MilkPoint.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO ZIRALDO MAIA

NITERÓI - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 22/03/2006

Estamos todos sempre torcendo para um cenário mais promissor, com aumento do dólar, do consumo interno e das exportações. A meu juízo, o aumento das exportações que tem se observado está mais relacionado ao baixo preço pago ao produtor, o que permite o repasse pelas indústrias ainda com preço competitivo.



Com a melhoria do cenário todos ganharão sem que qualquer esforço matemático ou econômico se faça necessário. A dúvida que me consome é a seguinte: vamos imaginar que o dólar tenha atingido um novo patamar estrutural em torno de dois reais. Vamos ainda imaginar o aumento da produção da Argentina e Uruguai. O que acontecerá com o mercado interno, mais especificamente com os preços e produtores?



Este é o cenário que existe, deve ser estudado, e se resume a uma resposta, a esta pergunta que não quer calar: "Haverá futuro?"
SAVIO SANTIAGO

OUTRO - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 12/03/2006

Realmente o momento está marcado pela incerteza. Apesar do movimento de alta de preços em fevereiro e já bem intenso para março, o que sentimos é que devemos ser muito cautelosos em 2006. Estamos vulneráveis à entrada de leite em pó da Argentina e Uruguai e o governo certamente não vai adotar medidas protecionistas em relação a esses dois países, porque tem que preservar as relações estáveis perante ao Mercosul. Só nos resta esperar e torcer para que as importações não nos tragam prejuízos por mais um ano.



Sávio Santiago

IVP - Industrial Vale do Paraíba Ltda

Leite UHT e subprodutos Gran Mimoso

Resende RJ
MilkPoint AgriPoint