ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

O Leite Azedou!

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 25/05/2001

3 MIN DE LEITURA

0
0

Maurício Palma Nogueira

A seca, que normalmente atinge apenas a agricultura e a pecuária, tem sido severa nos últimos anos reduzindo o volume de água nos reservatórios das usinas de energia.

Por este motivo o tão falado racionamento de energia nesta entressafra. As determinações e medidas para o controle de energia ainda não estão muito claras à população. A grosso modo os programas de racionamento não irão garantir disponibilidade de energia e provavelmente acabem ocorrendo os tão temidos "apagões".

Ao contrário do que parece para a grande maioria, o "apagão" não é apenas ficar no escuro, não ver televisão, não entrar na internet, etc. Antes fosse.

O corte da energia elétrica atingirá a economia do país. Espera-se retrocesso e até mesmo desemprego com o corte de energia nas indústrias, comércios 24 horas e fazendas. Apesar das dificuldades técnicas, já apontadas pelas empresas de energia elétrica, com relação a possibilidade de seleção dos locais de corte de energia, privilegiando indústrias, hospitais, clínicas, câmaras frigorificadas e outros em detrimento das residências, esta alternativa seria a melhor opção.

Porém, se dentro da área urbana a seleção de regiões para o "apagão" é difícil, a área rural poderia ser privilegiada ficando fora do corte de energia de maneira mais fácil, dada a diferença entre as redes que carregam energia. Não separaria residências de unidades produtivas, como salas de ordenha, tanques de expansão, luminosidade de granjas, etc. No entanto, em comparação com a área urbana, o consumo residencial na zona rural tende a ser muito pequeno.

Por que este privilégio? Na ótica dos produtores de leite, a falta de energia consiste em um severo problema nas fazendas. Alguns representantes de indústria já avaliam que os cortes de energia deverão dificultar a entrada dos produtores no Programa Nacional de Melhoria da Qualidade do Leite, tendo em vista a demanda de energia elétrica que o programa exige, especialmente para o resfriamento do leite.

Por mais que não pegue os horários de trabalho, a sugestão de horários específicos para o corte em fazendas de leite pode acabar não resolvendo dado o armazenamento de leite em tanques de expansão.

O manuseio de alimentos concentrados ou outros (picadora) pode ser administrado, mas o grande problema é a ordenha e o armazenamento de leite. A ordenha pode ser resolvida com o horário de corte de energia.

Porém, o leite perdido em apenas uma noite sem energia elétrica, muito comum nos períodos de chuvas nas fazendas, pode representar de 3 a 6% da produção mensal, caso a fazenda armazene leite granelizado.

Nesta época, e com o iminente problema, cabe ao produtor buscar antecipar a solução indo atrás de geradores para os dias de cortes de energias.

No mercado existem diversos geradores e alguns ainda não aumentaram de preços, mesmo com o aumento da demanda. Porém, logo os preços deverão subir.

Para girar toda uma fazenda de porte médio, um gerador de 30 kva pode ser empregado. Porém, o produtor deve buscar comprar um gerador para a devida finalidade, dimensionado de acordo com o necessário. Em uma fazenda de leite é necessário manter a ordenha (caso seja mecânica) e manter os refrigeradores de leite. Neste caso, geradores na faixa de R$3.000,00, acionados pela TDP do trator, são mais que suficientes para manter em funcionamento a sala de ordenha e a sala de leite.

No caso de grande parte dos produtores descapitalizados, a solução pode ser um acordo entre os horários de coleta por parte dos laticínios ou fretistas independentes, visando manter o leite o menor tempo possível nas fazendas e levá-lo para as indústrias, onde fontes alternativas de energia são indispensáveis.

No entanto esta solução tende a aumentar os custos, pois fazendas onde a coleta seria realizada a cada dois dias, passariam a receber o caminhão uma vez por dia. A diferença de custo consistiria em aumento no desconto dos preços brutos para o produtor.

De qualquer forma, os cortes de energia mexerão com os bolsos dos produtores de leite, ou obrigando-os a comprar o gerador, ou reduzindo sua receita. Caso haja a possibilidade, é melhor investir na compra de um gerador para suporte, pois o problema de energia elétrica no Brasil, ainda mais no meio rural, está muito longe de ser passageiro.

 

**************



Scot Consultoria - (17) 3343-5111
E-mail: scotconsultoria@scotconsultoria.com.br

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint