FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Mercado: quase no viés!!

POR MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

PANORAMA DE MERCADO

EM 12/08/2004

3 MIN DE LEITURA

1
0

O mercado do leite no Brasil iniciou o segundo semestre (produção de julho) com preços médios nominais brutos próximos de R$0,55/litro, o que equivale a US$0,18/litro. A produção de julho de 2003 foi remunerada em R$0,498/litro, em valores nominais, e R$0,534/litro, em valores reais.

Os números sugerem melhores preços em 2004. No entanto, é preciso avaliar a média do ano. Até julho, os preços nominais de 2004 superaram em apenas 2,72% os valores médios do mesmo período de 2003. Em valores reais, os preços do ano corrente estão 3,6% abaixo dos praticados no mesmo período de 2003. Em dólares, o preço médio do leite nacional produzido de janeiro a julho, cotado nas regiões que representam 95% de toda a produção brasileira, está em US$0,16/litro.

Pois bem, os preços atingem patamares próximos aos de 2003, em valores reais. A alimentação do rebanho, o maior componente do custo de produção, teve pouco reajuste nos valores. O custo dos volumosos aumentou cerca de 12%, enquanto os preços dos concentrados caíram. Analisando a formulação de uma dieta, estimava-se custo da alimentação em 2004 em torno de 2% a 4% mais caro em relação a 2003.

Com a queda nas cotações de alguns alimentos concentrados, é provável que o custo médio atual da alimentação do rebanho fique "elas por elas" em relação a 2003: boa notícia!!

Porém, em agosto os preços do leite pararam de desenhar a tendência incontestável de alta que prevaleceu nos últimos meses. Observe, na figura 1, a evolução das opiniões dos agentes de mercado, espalhados em todo o Brasil, sobre a tendência de preços para o pagamento do mês seguinte. Essa análise vem desde julho de 2003.
 


Mesmo para agosto, quando os agentes de mercado dividiram a opinião entre estabilidade nos preços (46% do total) e novos aumentos (54% do total), a sensibilidade de quem atua no mercado apontava para um cenário mais otimista em relação ao que fora observado um ano antes. Observe que, em julho de 2003, 30% dos entrevistados acreditavam em queda nos preços. Depois de julho, produção de junho, os preços ainda se mantiveram estáveis por mais 2 meses.
Resumindo, pela análise do que acredita a maioria dos compradores de leite, a tendência seria de novos reajustes positivos nos preços, embora o mercado venha depor contra.

Como é de conhecimento, a análise de mercado deve visualizar cenários e não apenas basear-se em anos anteriores, apesar da importância histórica e analítica dos fatos.

Na segunda semana de agosto, diversas indústrias relataram queda nos preços do longa vida - informação que ainda precisa ser checada mediante análise do mercado. A queda nos preços pode ser confirmada pelo relato do aumento da oferta de leite no mercado "spot". Observe na figura 2 o comportamento dos preços reais, deflacionados pelo IGP-DI, e nominais, dinheiro da época, no mercado "spot".

Os valores consistem na média ponderada dos preços de Goiás, São Paulo e Minas Gerais.

 


O aumento da oferta, segundo informações ainda não confirmadas mediante pesquisa, já teria causado queda nos preços do mercado "spot". No entanto, os valores negociados ainda estariam acima dos R$0,60/litro.

Da mesma forma que o preço "spot" já foi reajustado acima, e mesmo abaixo, da média do reajuste de preço ao produtor, o comportamento desse mercado pode não ser uma evidência imediata do que ocorrerá com os preços, apesar de representar, incontestavelmente, uma tendência para os próximos meses.

Ao produtor, além destas variáveis, vale lembrar do comportamento histórico das estratégias de grande parte das indústrias quando o assunto é concorrência na captação. Portanto, mesmo que os preços "spot" recuem, dependendo da concorrência regional, ainda há a possibilidade de novos reajustes aos produtores, inclusive não se descartando o aumento no valor médio nacional pago ao produtor de leite.

Evidente que tudo depende de como realmente estão se comportando as vendas de agosto.

O cenário atual parece desfavorecer as cooperativas que atuam no mercado "spot" e favorecer os produtores de leite com maiores volumes de entrega diária.
Agosto tende a ser um mês de estabilidade nos preços para alguns e aumento para outros. Nos próximos dois meses é bem provável que produtores de leite sejam constantemente assediados para mudar a indústria para a qual fornecem sua produção.

A recomendação genérica, que vale para todas as horas, é que o produtor analise bem, de maneira objetiva e com visão de longo prazo, qualquer proposta para mudar de indústria.

MAURÍCIO PALMA NOGUEIRA

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RONALDO AUGUSTO DA SILVA

BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/08/2004

Permita-me Sr. Maurício Palma, fazer a seguinte pergunta, a propósito dos dois últimos parágrafos do seu artigo supra referido: Devo aceitar o convite para mudar de comprador do meu leite, atendendo convite de uma central de cooperativas que está iniciando a produção de leite em pó para exportação?

<b>Resposta do autor:</b>

Prezado senhor Ronaldo,

Saudações!!

Avaliar as propostas é colocar na balança diversas questões:

- Como é o relacionamento comercial com o seu comprador atual?
- A empresa é sólida no mercado, séria e tem buscado melhorar a sua participação no mercado?
- Caso ela atue no mercado "spot", que não é necessariamente desvantagem comercial, existe credibilidade e bom relacionamento da empresa com os compradores?
- Que tipo de relacionamento o senhor espera ter com o novo comprador?
- As condições estão claras? Há solidez e perspectivas de boa parceria comercial no longo prazo?
- Como é o histórico da possível nova compradora em sua relação com o fornecedor?

Infelizmente é uma pergunta que não posso, e nem tenho condições de responder, sem analisar corretamente as variáveis em questão desse caso específico. Os dois últimos parágrafos não se tratam de uma provocação e nem de recomendação para que o produtor fique com o atual fornecedor.

Foi uma tentativa de chamar a atenção para que se leve em consideração os diversos pontos que envolvem estas negociações. Nos últimos anos, muitos produtores tem reclamado de decisões mal formuladas, que vieram a atrapalhar o mercado regional. É preciso atenção a estes fatos.

Ouça outros produtores que fornecem para ambas as empresas. Busque formular a decisão que melhor atenda as perspectivas de sua empresa.

Mudar de empresa é uma decisão estratégica, e deve se analisada como tal.

Qualquer dúvida, estarei a disposição para atendê-lo.

Um forte abraço

Maurício

MilkPoint AgriPoint