ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Venda da Vigor atrasa por disputa de preço

Uma queda de braço sobre o valor da Itambé atrasou a conclusão da venda da Vigor, que pertence aos irmãos Joesley e Wesley Batista, para a mexicana Lala. O negócio, que deveria ter sido fechado no dia 20 de agosto, teve que ser rediscutido. A expectativa, no entanto, é que a operação seja concluída nos próximos dias.

No dia 3 de agosto, a J&F, holding que reúne os interesses dos Batista, anunciou a venda da Vigor para a Lala por R$ 5,7 bilhões. O valor também incluía a Itambé, subsidiária da Vigor, que pertence metade à J&F e metade à CCPR (Cooperativa de Produtores Rurais de Minas Gerais).

Na oferta dos mexicanos, a Vigor foi avaliada em cerca de R$ 4,5 bilhões, bem acima do valor da Itambé, que ficou em R$ 1,2 bilhão. A CCPR, que receberia R$ 600 milhões por sua fatia, não concordou com esses números. Pessoas próximas à cooperativa disseram que as duas empresas deveriam valer praticamente o mesmo, porque faturamento e geração de caixa são equivalentes. Também argumentaram que a distribuição da Itambé atinge diferentes regiões do país, incluindo o Nordeste, enquanto a Vigor é forte apenas em São Paulo.

Os mexicanos responderam que a Vigor tem uma marca reconhecida e um portfólio com produtos de maior valor agregado, como o iogurte grego, no qual é líder de mercado. Já a Itambé estaria muito focada em “commodities”, como leite em pó e leite longa vida. Sem acordo, a CCPR comunicou sua intenção de exercer o direito de preferência e recomprar a fatia da J&F na Itambé. 

No dia 21 de agosto, a Lala informou, em fato relevante, a decisão da CCPR e estimou o valor da Vigor em R$ 4,325 bilhões, um pouco abaixo do que vinha sendo discutido. No comunicado, os mexicanos reforçaram que estão focados em “segmentos de valor agregado” e que “a Vigor tem marcas amplamente reconhecidas”.

A Itambé, no entanto, também tem um valor estratégico importante para a Lala: sua bacia de captação de leite. Graças à ampla rede de produtores, principalmente em Minas Gerais, a empresa tem mais acesso à matéria-prima de qualidade por um melhor preço do que a Vigor.

Segundo pessoas próximas às tratativas, a Lala deve seguir em frente com a aquisição da Vigor, até porque o contrato assinado com a J&F prevê penas pesadas em caso de desistência. Os mexicanos ainda apostam que a CCPR não vai conseguir exercer o direito de preferência por falta de recursos. A cooperativa tenta estruturar um financiamento para a compra de 50% da Itambé, com apoio do governo de Minas Gerais, e já consultou algumas instituições financeiras, incluindo o Banco do Brasil. 

As informações são do jornal Folha de São Paulo, resumidas pela Equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.