ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

UE volta a cobrar taxas sobre a importação de grãos

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 17/10/2008

2 MIN DE LEITURA

0
0
Com o preços dos grãos no mercado internacional recuando a União Européia deve voltar a taxar a importação desses produtos. Essa medida causaria impactado sobre as operações brasileiras, principalmente de milho, acabando com a isenção que valia desde o começo do ano.

O Brasil é um dos maiores fornecedores de milho da UE. Exportou 3,4 milhões de toneladas até setembro, faturando US$ 732 milhões, de acordo com dados do Ministério da Agricultura.

A UE disse que tomou a decisão de restabelecer a tarifa de importação porque a cotação dos cereais ficou muito abaixo do preço de referência. A comissária de agricultura da UE, Mariann Fischer Boel, argumentou que precisava evitar um cenário de ter de utilizar subitamente os estoques e ao mesmo tempo abrir completamente as importações.

A queda de preços de produtos agrícolas foi um dos argumentos que o Brasil utilizou esta semana em reunião com a Índia para tentar convencer os indianos a retomar a negociação da Rodada Doha para liberalizar o comércio global.

A baixa desperta nos países ricos o sentimento protecionista e estimula maior utilização de subsídios e aumento de taxas. Com um acordo internacional, ao menos esses movimentos ficam limitados. De certa forma os indianos ficaram "sensibilizados".

Estoque brasileiro

O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada - Esalq/USP (Cepea) apontou para a brutal diferença entre os estoques brasileiros e os dos demais países produtores do grão. O fato é que, enquanto os estoques mundiais estão lá embaixo, os do Brasil são um dos maiores dos últimos anos.

No agregado mundial, os estoques da safra 2008/09 devem ficar 5,2% abaixo da média das três safras anteriores. Nos Estados Unidos, a diferença será negativa em 30%, na Argentina, de -17,3% e na China, de -6,5%. Enquanto isso, por aqui o estoque deve ficar 145%.

A produção brasileira de milho em 2008 deve totalizar 58,6 milhões de toneladas, 44,5 milhões delas devem ser consumidas internamente. Somando a diferença aos estoques de passagem (6,6 milhões de toneladas), o excedente de mercado interno chega a 20,7 milhões.

Com tanto milho sobrando, os preços internos continuam em queda. De acordo com os números do Indicador ESALQ/BM&FBovespa, a baixa acumulada no mês é de 6,3%. E é essa derrocada contínua dos preços que paralisa as negociações. "Existe agora um impasse entre compradores e vendedores, o que não contribui para a diminuição dos estoques", analisa Alves.

Segundo o pesquisador, o atual cenário indica futuras oscilações do preço do grão, e a consequente instabilidade das cotações em curto e médio prazo. "A preocupação maior fica com a safrinha, onde os efeitos desse estoque elevado vai ser sentido de forma mais drástica. Para a safra verão as decisões já foram tomadas. Agora é contar com uma forcinha do clima", conclui Alves

As informações são do jornal Valor Econômico e da Gazeta Mercantil, resumidas e adaptadas pela Equipe AgriPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint