ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

UE subsidia exportações e faz reserva de mercado

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 26/01/2009

2 MIN DE LEITURA

1
0
O diretor-executivo da AgriPoint, Marcelo Pereira de Carvalho, avalia que esse retorno dos subsídios às exportações europeias de lácteos "era previsível". "O prazo para eliminar os subsídios às exportações se encerra em 2013, até lá a subvenção à produção vai sendo remodelada e o excedente despejado no mercado externo", analisa Carvalho. O consultor relembra que o bloco chegou a pagar um prêmio superior a 1 mil euros por tonelada de lácteo escoada, recorde batido em 2002 quando o mercado externo não pagava mais de US$ 1,25 mil pela tonelada do leite.

"O mercado de lácteos está enfrentando um momento de baixa, mas ficar estocado não é a solução. Talvez seja necessário passar por isso para desovar os estoques e recuperar os preços. Porém, está criado um precedente ao retorno dos subsídios de maneira generalizada", pondera Carvalho. Dos principais países exportadores, apenas os Estados Unidos garantem benefícios às indústrias que atendem à demanda internacional, subvenções essas que não se comparam às europeias.

De acordo com estimativas dos analistas de mercado de lá, a União Europeia entrou em 2009 com 160 mil toneladas de leite desnatado estocadas e as projeções indicam que, mesmo com o subsídio, 168 mil toneladas do produto estarão nos estoques das indústrias ao final de 2009. Já as 160 mil toneladas de manteiga estocadas no período pelo setor sofreriam redução de 10 mil toneladas em um ano - em 2007 haviam apenas 80 mil toneladas de manteiga em poder da indústria. O volume de queijos, ementhal e outras variedades, estocado ficou 60 mil toneladas maior em 2008.

Otávio Farias, da trading Alliance Commodities Brasil, argumenta que a desvalorização do euro teria retardado esta decisão já esperada pelos exportadores. Ainda de acordo com ele, alguns agentes do setor avaliam que os subsídios anunciados não serão suficientes para motivar o aumento da oferta no mercado de leite europeu. Farias acredita que o Brasil, assim como outros exportadores, será diretamente impactado pela volta da ajuda oficial europeia. Porém, "o Brasil tem menor dependência das exportações de leite". Apenas 3% da produção nacional ganhou o mercado externo, em especial a Venezuela que contratou 50% dos embarques brasileiros. Já Nova Zelândia, maior exportadora mundial, e Austrália "sofrerão mais pela dependência do mercado externo para mover excedentes".

O presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo Alvim, argumenta que "o único passo dado na rodada de Doha foi o fim do subsídio, e eles não suportaram ver o mercado ruir". Para Alvim, além de aumentar a produção, a Europa está criando uma "reserva de mercado artificial".

A matéria é de Gilmara Botelho, publicada na Gazeta Mercantil, adaptada e resumida pela Equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PAULO FERNANDO ANDRADE CORREA DA SILVA

VALENÇA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/01/2009

Marcelo/Todos,

O que está esperando o governo brasileiro para taxar o leite importado da Europa no mesmo valor do subsídio? Quem poderia reclamar? Talvez só as empresas que se beneficiam deste subsídio.

Abraço, Paulo Fernando.
MilkPoint AgriPoint