ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Superintendente diz que Mapa não tem como fiscalizar transporte de leite

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 08/11/2013

2 MIN DE LEITURA

5
0
Após a denúncia de nova fraude no leite no Rio Grande do Sul, o superintendente do Ministério da Agricultura e Pecuária (Mapa) no estado, Francisco Signor, afirmou que o trabalho dos transportadores é impossível de ser fiscalizado. O Ministério Público cumpriu mandados de busca e prendeu uma pessoa nesta quinta-feira (7), em Três de Maio e Nova Candelária, no Noroeste.

O novo caso de adulteração envolve o uso de água oxigenada no leite com validade vencida. Como ocorreu das duas outras fases da Operação Leite Compensado, a fraude acontecia no momento do transporte.

Signor revelou que a fiscalização do Ministério é concentrada nas 12 indústrias que recepcionam o leite no estado antes do repasse para a indústria.

"O Ministério da Agricultura não tem como fiscalizar e interceptar os caminhões que transitam com o leite pelas rodovias do Rio Grande do Sul. São mais de 120 mil estabelecimentos que produzem leite no estado. Mesmo que houvesse regulamentação e mão de obra para toda esta fiscalização, não seria o suficiente. Quem frauda o leite é criminoso e o criminoso não avisa quando vai agir", disse ao G1 o superintendente do Ministério da Agricultura no Rio Grande do Sul.

Foram apreendidos também documentos e notas fiscais. O grupo, que era liderado por um empresário de 31 anos, comprava leite prestes a vencer por preço até 50% inferior ao do mercado e, após a manipulação com água oxigenada, repassava para a indústria. O produto elimina as vitaminas A e E e, em altas concentrações, prejudica a flora intestinal.

Signor reiterou que a forma mais eficiente de fiscalização é a atuação nas indústrias onde converge o leite, oriundo de todos os cantos do estado. O trabalho do Ministério da Agricultura assim que identifica a fraude é acionar o Ministério Público, que fica responsável pela investigação.

"Intensificamos as coletas de leite em todas as agroindústrias, que são as que vendem leites de caixinha, que vão para a mesa do consumidor. Isto tem dado resultado. O que se chegou hoje foi ao causador, ao fraudador. Estamos contribuindo fazendo as análises necessárias. Isto já tinha sido detectado pelo Ministério da Agricultura, que foi avisado pela indústria e repassou as informações ao Ministério Público", disse Signor.

Segundo o Ministério Público, três relatórios de um laboratório credenciado pelo Ministério da Agricultura apontaram presença de água oxigenada, o que é proibido pelas normas da Anvisa. De acordo com os laudos de carga de leite da Laticínios Bom Gosto, duas delas, transportadas pelo Transportes Reidel & Dias Ltda, foram rejeitadas em 12 e 15 de outubro devido à presença de peróxido de hidrogênio.

A Comércio de Laticínios Mallmann Ltda rejeitou uma carga em 14 de outubro. No laudo, a empresa afirma: “lembramos que análise positiva para peróxido de hidrogênio é fraude. Por meio da adição de peróxido de hidrogênio (Água Oxigenada), uma ação fraudulenta ao leite, busca conservar suas propriedades físico-químicas, inibindo o desenvolvimento de microrganismos contaminantes. Esse tipo de fraude mascara deficiências da higiene nas etapas de ordenha, acondicionamento e transporte”.

O superintendente do Ministério da Agricultura no estado garante que a carga fraudada não chegou até os consumidores, no entanto, ele não tem como garantir que todo o leite adulterado foi identificado antes de ser disponibilizado para consumo.

"Esta carga não chegou. Foram encontradas na indústria que embala o leite. Mas como eu posso garantir que todo leite adulterado não chega ao consumidor? Estamos nas plataformas do leite de caixinha. O leite UHT. Todo o leite que chega na plataforma é analisado. As empresas têm condições de rastreabilidade, por isso denunciam", disse ele. 

As informações são do G1 RS.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROGERIO DIAS

SÃO PAULO - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/10/2014

Quem tem que fiscalizar é a indústria, nao pode deixar entrar leite contaminado dentro de sua casa, bateu leite na porta com adulteração devolve, o problema é que este leite que é devolvido vai parar aonde ?
RENATO BORGES

MOCOCA - SÃO PAULO

EM 12/11/2013

Não mesmo, as verbas destinadas ao setor competente todo ano são desviadas, e como sempre 2014 será mais um ano em que o setor ficará abandonado e jogado as traças.
EVERTON GONÇALVES BORGES

IBIÁ/ MG - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 11/11/2013

Discordo do Superintendente do MAPA, pois todo leite ao chegar em uma plataforma de uma Usina/Cooperativa são analisados antes do descarregamento dos caminhões. Só não analisam se  for empresas fajutas, de fundo de quintal. A existência da prática de ajuntadores de leite deve ser abolida, pois é uma válvula para não melhorar os níveis dos produtores, continuando os latões, favorecendo preços irrisórios e comprando matéria prima de péssima qualidade, que vão competir com matéria prima de ótima qualidade. Na industrialização não há possibilidade de produtos de  boa qualidade  se a matéria não for de boa qualidade. Só podem comprar matérias primas de qualidade duvidosa empresas de fundo de quintal sem SIF.
DENIZE SILVA BRAZIL

GOIÂNIA - GOIÁS

EM 11/11/2013

Para reforçar a fiscalização, basta aumentar o numero de fiscais estaduais agropecuários. Para tanto, concursos com grande quantidades de vagas seriam necessários.
JOÃO MARCOS GUIMARÃES

CARRANCAS - MINAS GERAIS

EM 11/11/2013

Não concordo com o Superintendente. Para tudo se encontra um jeito. Sua declaração deixará os fraudadores ainda mais tranquilos. Deveria ter ficado calado, agora todos sabem que 'não tem jeito de fiscalizar'.
MilkPoint AgriPoint