ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

SC: leite orgânico obtém avanços no extremo oeste

O Leite Orgânico é um dos projetos que integram o Programa de Desenvolvimento Econômico e Territorial (DET) promovido pelo Sebrae/SC em parceria com os Poderes Púbicos municipais de 24 municípios do extremo oeste catarinense. Implementada há três anos, a iniciativa vem apresentando importantes resultados. O projeto atende produtores que recebem apoio de técnicos de extensão, pequenas cooperativas, sindicatos e organizações não governamentais, visando um modelo sustentável de produção do produto.

O projeto para o desenvolvimento do Leite Orgânico também conta com a parceria da Associação dos Municípios do Extremo Oeste (Ameosc) e outras entidades e instituições. O sistema adota baixos investimentos, uso racional de produtos externos e ênfase na produção a base de pasto perene. Entre as formas de manejo destaca-se o sistema de Pastoreio Racional Voisin (PRV), que está se consolidando em algumas propriedades e gera bons resultados técnicos, econômicos, sociais e no emprego de mão de obra.

Para avançar mais ainda neste sistema, as famílias e organizações se preparam para comercializar o leite orgânico que vem sendo produzido. Hoje, já vendem o primeiro queijo orgânico de Santa Catarina, desenvolvido após as consultorias tecnológicas do Sebraetec – uma das soluções presentes no DET. “Somente no projeto da cooperativa foram atendidas 600 propriedades rurais de 12 cooperativas distribuídas em diversos municípios da região”, observou o presidente da Cooperativa Central, Moacir Bernardi.

O coordenador regional extremo oeste do Sebrae/SC, Udo Trennepohl, lembra que o projeto de desenvolvimento do leite orgânico iniciou com a identificação das potencialidades existentes no setor, por meio de estudo, organização e planejamento para subsidiar e dar solidez às ações práticas da iniciativa.

A cadeia produtiva do leite orgânico inclui os insumos para sua produção (alimentos e medicamentos permitidos), as indústrias exclusivas para transformação do leite (não pode haver na mesma indústria produção paralela), os insumos para a indústria de transformação (material de limpeza, coalhos, polpas, sal, etc.), produtos ofertados (leite, queijos de diversos tipos, iogurtes, bebida láctea, entre outros) e fomento e assistência técnica para os vários segmentos.

O DET que encerraria no fim de 2017 continuará em 2018 devido aos expressivos resultados nos municípios atendidos.

Leia também:

Capacitando produtores, Nestlé mira o mercado de leite orgânico no Brasil

As informações são da MB Comunicação. 

1

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CAETANO BEBER

BLUMENAU - SANTA CATARINA - PESQUISA/ENSINO

EM 13/01/2018

Há dados sobre os volumes produzidos, quantidades de produtos, valor gerado, numero de fazendas já certificadas, quantidade de empresas que processam leite organico, etc.?