ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

RS: paralisação com prejuízo por todos os lados

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 27/02/2015

1 MIN DE LEITURA

2
0
Do porto às lavouras, o setor produtivo do Rio Grande do Sul acumula prejuízos com a paralisação nas estradas. A partir da 0h de quinta-feira (26), o porto de Rio Grande começou a ser afetado, terminando o dia com 60% das operações paralisadas, segundo a superintendência. São problemas desde a chegada de caminhões até o embarque de navios. O Tecon, terminal de contêineres, informou que o recebimento de cargas está "bem abaixo da média" e que essa queda impactará no movimento do mês de fevereiro.

Há perdas ainda no caminho entre propriedades e indústrias.

O Sindicato das Indústrias de Leites e Produtos Derivados (Sindilat-RS) contabilizou 4 milhões de litros que deixaram de ser recolhidos na quinta-feira –de um total de 13 milhões de litros processados por dia.

"A indústria também está tendo de descartar leite. É um produto muito perecível, com produção diária" afirma Alexandre Guerra, presidente do Sindilat-RS.

Em um único posto de resfriamento, 200 mil litros de leite tiveram de ser jogados fora porque não havia caminhão para levar o alimento até a indústria. A Cotrisal, em Sarandi, descartou 740 mil litros, estocados há 3 dias e impróprios para o consumo.

Sem uma estimativa fechada, Guerra calcula na casa dos milhões o prejuízo do setor. A conta dessa redução na oferta vai parar no bolso do consumidor.

Na produção de grãos, há dois efeitos. O primeiro é a falta de frete para o produto colhido.

O segundo, a escassez de diesel, faz com que colheitadeiras não possam operar, apesar das lavouras estarem prontas. Diretor da Agropecuária Canoa Mirim, em Santa Vitória do Palmar, Márcio Sanchez da Silveira diz que as máquinas estão paradas por falta de transporte para o arroz.

"Colhemos 300 hectares e agora estamos esperando. Quando não se não colhe, pode haver perda de qualidade, e há ainda o risco do clima" afirma.

Embora reconheçam a legitimidade do movimento, entidades tentam destrancar o caminho. Em nota, a Federação do Trabalhadores na Agricultura do Estado (Fetag-RS) solicitou que os organizadores do movimento se sensibilizem "para a liberar o tráfego de cargas vivas, produtos perecíveis e alimentação dos animais". A Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf-RS) não descarta a possibilidade de ações judiciais.

A matéria é do Jornal Zero Hora. 

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DARLANI PORCARO

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 02/03/2015

O valor do barril de petróleo abaixou 50%, se tivesse mantido o valor do Dieesel , que é a energia do agronegócio , o govêrno ainda estava ganhando em cima dos consumidores, não, preferiu o caminho da sacanagem em cima dos consumidores, e como a ministra da agricultura é amiguinha dela , não fala nada e ficamos sem defesa , temos que reagir de algum modo, pois a rombo desse govêrno é  grande.
JUAREZ TELLES DE SOUZA

JACAREÍ - SÃO PAULO

EM 28/02/2015

Muito prejudicial à cadeia produtiva e a toda população em geral este movimento, mas creio ser necessário movimentos ainda maiores de outras categorias também, para desmantelarmos esta QUADRILHA que tomou de ASSALTO o nosso BRASIL.



Seria válido um bloqueio á Brasilia , onde está a bandidagem que oprime as classes produtoras e operaria. Sitiar o Palácio da Alvorada bloqueando todas as benesses do poder, talvez ai começariam a sentir a força do povo.
MilkPoint AgriPoint