ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

RJ: trading arrenda CCPL por R$ 30 milhões

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/08/2002

2 MIN DE LEITURA

1
0
A CCPL, Cooperativa Central dos Produtores de Leite do Rio de Janeiro, acaba de ser arrendada pela trading ORF do Brasil. O acordo, assinado entre os 60 mil produtores associados à CCPL e a ORF, inclui as 16 unidades industriais e a marca, consolidada ao longo de 57 anos de tradição no Estado fluminense. O valor do arrendamento, assinado por dez anos, está estimado em R$ 30 milhões, que inclui o passivo da cooperativa, de cerca de R$ 20 milhões. "Nossa expectativa é quitar o débito com os produtores num prazo de seis meses", diz o diretor-presidente da ORF, Orlando Ferri.

A CCPL é uma das três cooperativas centrais de leite que ainda sobrevivem à entrada das multinacionais. As outras são a Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais (Itambé) e a Cooperativa Central de Laticínios do Estado de São Paulo.

Fundada em 1945, nos últimos 57 anos a CCPL consolidou a marca no mercado carioca, conquistando 27 milhões de consumidores e chegou a beneficiar dois milhões de litros de leite/dia. "Há dez anos era dona da marca Longa Vida", diz o presidente da Leite Brasil, entidade dos produtores, Jorge Rubez.

O início das dificuldades financeiras ocorreu há 20 anos, quando surgiram problemas na captação e distribuição de leite. A crise agravou-se nos últimos sete anos e culminou com a paralisação parcial das atividades em abril, quando a produção despencou para 350 mil litros de leite/dia. A CCPL parou definitivamente há um mês. "Vamos reativar as indústrias em dez dias, com produção inicial de 500 mil litros de leite/dia".

O contrato de arrendamento foi aprovado por unanimidade pelos 60 mil produtores, alguns dos quais estavam entregando leite para outras cooperativas, mas que já se comprometeram a voltar a fornecer à CCPL, que a partir de agora passa a ser CCPL Ltda. A retomada industrial inclui a diversificação da produção. "Vamos produzir, em maior escala, derivados do leite". A diversificação é necessária pela estreita margem de lucro do leite. "O resultado é pequeno e muito perigoso, precisamos diversificar a produção para manter um nível mínimo de lucratividade", afirma o diretor.

Com o novo modelo, a cooperativa deve voltar a registrar faturamento entre R$ 5 milhões e R$ 7 milhões por mês em meados de 2003. Nesta primeira fase, a expectativa é de que o faturamento mensal se situe entre R$ 3,5 milhões e R$ 4 milhões.

O bom desempenho da empresa, entretanto, está atrelado à manutenção das taxas de cobrança do ICMS. "Nós temos vantagem de sete pontos percentuais sobre as empresas que produzem leite fora do Estado. Essa diferença é vital para a CCPL, por isso vamos lutar pela manutenção das taxas atuais", defende. É essa diferença na cobrança do imposto que, segundo Ferri, possibilita à CCPL disputar mercado com multinacionais como a Nestlé e a Parmalat. Pela legislação do Rio de Janeiro, a CCPL recolhe 18% de ICMS, enquanto as empresas que produzem fora do Estado recolhem 25%.

O portfólio de itens produzidos, que se situa em 30 produtos, entre leite, iogurte, manteiga, requeijão, sucos, chás e queijos, será ampliado e a CCPL pretende responder, no curto prazo, por 50% do mercado carioca de leite e derivados. Hoje a Elegê e a Parmalat têm entre 60% e 70% das vendas de leite do Estado. "Vamos manter o logotipo antigo que é muito forte", diz o presidente da ORF do Brasil, fundada há dez anos. A ORF produz café e comercializa o produto no mercado interno e externo. A empresa também importa frutas em calda e produz entre 20 e 30 mil litros de leite/dia.

Fonte: Gazeta Mercantil (por Luciana Franco), adaptado por Equipe MilkPoint

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HENRIQUE COSTALES JUNQUEIRA

INDAIATUBA - SÃO PAULO

EM 04/09/2002

Gostaria de lembrar que a Cooperativa Central de Laticínios da Bahia, CCLB, cuja marca é Catuí, também sobrevive no mercado frente a atuação competitiva das multinacionais do setor.
MilkPoint AgriPoint