ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Retirada de 180 agroquímicos do mercado terá impacto na produtividade e fará explodir a inflação

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 04/04/2014

2 MIN DE LEITURA

8
0
Preocupada com os prejuízos incalculáveis que a eventual retirada do mercado de 180 agroquímicos pode causar ao produtor rural e ao consumidor brasileiros, reduzindo a produtividade das lavouras e fazendo explodir a inflação dos alimentos, a CNA enviou ofício à Justiça, para mostrar, do ponto de vista técnico, a importância destes produtos, alguns em uso há quase 70 anos.

No documento dirigido às autoridades do Judiciário Federal, a CNA solicita que a chamada “tutela antecipada” seja indeferida, sob pena de se comprometer fortemente a produção agropecuária nacional, em razão da abrupta suspensão do comércio de produtos sem similar no mercado, ou cuja alternativa patenteada pode gerar um custo até dez vezes maior do que o dos genéricos hoje utilizados. Vale ressaltar que estes produtos são largamente empregados na agricultura, inclusive pelos maiores produtores mundiais de grãos, como Estados Unidos e União Europeia.

Os esclarecimentos ao Judiciário foram necessários porque tramitam, na Justiça Federal, duas ações civis públicas que, embora não apresentem bases científicas internacionalmente aceitas, propõem a retirada imediata de nove princípios ativos do mercado de agroquímicos: parationa metílicos, lactofem, forato, carbofurano, abamectina, tiram, paraquate, 2,4-D e glifosato.

Uma decisão neste sentido pode prejudicar o manejo de 56 culturas no Brasil – entre as quais as de arroz, feijão, tomate, milho, soja e hortaliças. Como consequência, a CNA estima que haverá comprometimento de 70% do Valor Bruto da Produção do país, com perdas equivalentes a R$ 400 bilhões este ano. Além disso, haverá aumento de preço destes produtos, redução da oferta de empregos e diminuição das exportações brasileiras.

O caso foi parar na Justiça por conta da demora da Anvisa em reavaliar estes agroquímicos. Em 2006, a própria Agência editou portaria anunciando a reavaliação do 2,4 – D e, dois anos mais tarde, nova portaria informava que outros oito agroquímicos seriam reavaliados. Em ambos os casos, a lei prevê prazo de 120 dias para que a Anvisa divulgue o resultado deste trabalho, o que até hoje não ocorreu.

Um dos casos mais emblemáticos é a proposta de retirada do glifosato e do 2,4-D. Estes são os dois herbicidas mais utilizados no Brasil. Ambos são estratégicos para diferentes tipos de manejos, principalmente no sistema de plantio direto na palha. Esta prática conservacionista, que proporciona, ao mesmo tempo, ganhos agronômicos, econômicos e ambientais, ocupa mais de 30 milhões de hectares no Brasil. Sem estes dois produtos, o avanço do sistema de plantio será comprometido, com perda de produtividade e de renda do produtor, o que certamente provocará retrocesso na utilização desta prática sustentável na agricultura brasileira.

A CNA defende o respeito às legislações que normatizam o registro e o uso de defensivos agrícolas no país, assim como suas ferramentas de reavaliação, e preconiza o avanço tecnológico na produção agropecuária de forma sustentável e segura para toda a sociedade. Acima de tudo, porém, a CNA exige que os critérios científicos aceitos em todo o mundo sejam respeitados. Preceitos jurídicos e científicos devem, sempre, se sobrepor a qualquer ideologia.

As informações são da CNA, adaptadas pela Equipe AgriPoint
 

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

GILBERTO CUNHA

OSÓRIO - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/04/2014

Sem comentários, gente de gabinete tomando decisões de departamentos exclusivamente técnicos
AUGUSTO COMUNIEN

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS

EM 07/04/2014

Já proibiram o defensivo usado contra a broca do café, estamos sem nada, ou equivalente. O que esta acontecendo no Brasil?Porque provocar tanta destabilização?Qual interesse nisto?. Cadê nossos defensores no Congresso?. É uma lastima tudo isto. Deus salve o Brasil e a America!
MATEUS GASPARETTO

RONDINHA - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/04/2014

Pessoas sem noção das dificuldades em se produzir alimentos mesmo com toda a tecnologia, imaginem sem ela!!! Colocá-las fazer a capinada nas lavouras...
RONEY JOSE DA VEIGA

HONÓRIO SERPA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/04/2014

Com certeza é uma tentativa de ingerência internacional, motivada pela alta corrupção desses funcionários de carteirinha partidária, que ao invés de se preocuparem com o Brasil se preocupam com o próprio bolso!!

É uma vergonha, mas vivemos em um País democrático, onde todos tem o direito de recorrer as instâncias judiciais para pleitear seus supostos direitos.

Vamos esperar o desdobramento e ver se o nosso judiciário vai se curvar aos interesses internacionais ( como no caso Reserva  Raposa Serra do Sol ), ou vai se pautar pelo critério científico e decidir a favor dos Brasileiros!!

Fora o PT do governo!!
JOSEPH CRESCENZI

ITAIPÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 06/04/2014

Esta atituda da Anvisa e o Judiciário deve estar sendo financiado por produtores Europeus e Americanos.



Depois do código florestal, estão rindo a toa ...
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/04/2014

Essa herança portuguesa só com mais 500 anos para resolver....
EDUARDO HARA

RIO VERDE - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 04/04/2014

De volta para a  enxada e carpideira. um atraso de vida!

Eduardo
CLAUDIR JORGE KUHN

TOLEDO - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 04/04/2014

Tentaram os 20(porcento) de mata, as terras indígenas, o imposto de exportação sobre a soja e agora querem tirar os agroquímicos. A quem incomodamos tanto com nossa produção?
MilkPoint AgriPoint