ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Protestos de caminhoneiros no Rio Grande do Sul dificultam escoamento do leite, diz Sindilat

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/11/2015

1 MIN DE LEITURA

0
0
Embora tenham perdido força nesta quarta-feira, 11, as manifestações de caminhoneiros ainda preocupam o setor lácteo. De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado do Rio Grande do Sul (Sindilat-RS), Alexandre Guerra, no momento o problema não é captar o leite cru das propriedades rurais, mas encontrar motoristas dispostos a levar o produto já industrializado para fora do Estado.

"Estamos com dificuldade de conseguir caminhões porque muitos profissionais não saíram de casa temendo vandalismo, ações de depredação, principalmente à noite. Quem não aderiu à greve tem medo de represálias", explicou. Mobilizados pelo Comando Nacional do Transporte, os grevistas começaram a protestar na última segunda-feira, 9, pedindo melhores condições de trabalho e exigindo a saída da presidente Dilma Rousseff.

Por enquanto, de acordo com Guerra, a situação não chega a configurar prejuízo. "Estamos entregando (a mercadoria) um ou dois dias depois. Não é desabastecimento. Temos que esperar mais para ter uma ideia melhor", falou, acrescentando que a ação do governo federal para inibir os bloqueios contribuiu para que o impacto da mobilização seja menor.

O governo endureceu as punições para o caso de interdição de vias. Os novos valores das multas foram definidos na terça-feira pelo Ministério da Justiça e publicados na edição desta quarta no Diário Oficial da União. A multa para o veículo que bloquear estradas passou de R$ 1.915 para R$ 5.746, podendo chegar a R$ 19.154 para os organizadores da mobilização. Os protestos nas rodovias perderam intensidade em todo o País.

Guerra lembrou que, na greve dos caminhoneiros ocorrida no início deste ano, as empresas associadas ao Sindilat-RS deixaram de receber 15 milhões de litros de leite para industrialização, pois não era possível captar o produto nas propriedades ou mesmo nos postos de resfriamento. Por ser perecível, boa parte deste leite cru estragou e foi descartado.

Desta vez, segundo ele, as indústrias lácteas no Rio Grande do Sul vêm conseguindo dar continuidade à captação do leite. "Nos últimos dias nós pudemos operacionalizar usando rotas alternativas e negociando para passar. Mas também é verdade que o movimento (grevista) não tem a mesma força que o anterior", avaliou.

As informações são do jornal O Estado de São Paulo. 

Leia mais sobre esse assunto:

Caminhoneiros voltam a ocupar rodovias e governo estabelece multas mais elevadas

Caminhoneiros querem saída da presidente Dilma e não aceitam negociações
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint