ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Preço do leite recua nas fazendas, mas fica mais caro nos supermercados de BH

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 09/10/2014

2 MIN DE LEITURA

11
0
Depois de três meses de estabilidade, o preço pago pela indústria ao produtor de leite mineiro sofreu queda de 0,5% no mês de setembro, na comparação com agosto. Na gôndola dos supermercados, no mesmo período, o produto teve um aumento de cerca de 2,62%.

A redução do preço nas fazendas foi captada por levantamento do Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada). Na média nacional, os produtores de leite receberam 0,7% a menos em setembro ante agosto.

Na comparação com setembro de 2013, a queda do preço em Minas foi de 3,5%. Uma das razões do recuo apontadas pelo Cepea foi a demanda desaquecida, que impactou negativamente na cotação dos derivados do leite no atacado.

Outro fator foi o aumento da captação do leite no âmbito nacional, relacionado à aproximação do período de alta da safra do Sul do país, além do início da temporada leiteira e da ocorrência de chuvas em algumas regiões do Sudeste depois de longa estiagem.

O presidente da Comissão de Pecuária de Leite da FAEMG, Rodrigo Alvim, analisa que a situação econômica do país se reflete diretamente no mercado leiteiro.

“A queda de preço é consequência do recuo do consumo. O Brasil está crescendo pouco”, afirma Alvim. “A indústria tem que reduzir preço porque o consumidor está comprando menos”.

Preocupação

Em Alfenas, no Sul de Minas, o produtor da Central Minas Leite, Manoelito Simões, comenta que as empresas compradoras alegam que o mercado não está absorvendo o leite e que é necessário diminuir o preço para atrair novamente a demanda.

“Eles afirmam que as vendas estão caindo nos supermercados. Os impactos são a redução de margem de lucro e, posteriormente, o prejuízo mesmo. A única coisa que podemos fazer é esperar que o mercado reaja”, diz Simões.

O engenheiro agrônomo da Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz) Wagner Hiroshi Yanaguizawa analisa que 2014 vem sendo uma consequência de 2013, ano em que o consumo por produtos lácteos se elevou e sustentou os preços em patamares mais elevados.

“A formação dos preços segue parâmetros particulares de cada empresa. Mas vale destacar que quando um aumento é absorvido pelo consumidor final da cadeia, a tendência é que as estratégias de preços se mantenham testando os consumidores no mercado”, diz Yanaguizawa.

Segundo levantamento quinzenal realizado pela Smasan (Secretaria Adjunta de Segurança Alimentar e Nutricional) da Prefeitura de Belo Horizonte, o aumento do preço do produto para o consumidor final acompanha a expansão do preço da cesta básica, que passou a custar 1,41% a mais em outubro, na comparação com setembro.

O diretor executivo do Silemg (Sindicato da Indústria de Laticínios do Estado de Minas Gerais), Celso Costa Moreira, informa que o mercado permanece estável, tanto no preço pago ao produtor quanto no preço cobrado do consumidor.

As informações são do Jornal Hoje em Dia.
 

11

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

WELBER SILVEIRA

CARMO DA MATA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/11/2014

Senhores Produtores,



Sao vários obstáculos e desafios , nos últimos anos muito se falou e desenvolveu  projetos da porteira pra dentro , porem  da porteira pra fora , o produtor vira refen da industria e dos representantes e dos distribuidores ( supermercados, padarias, etc...). Enquanto o governo não cria uma politica fiscal e tributaria para o produto, a situação nao muda...Hoje o leite, custa menos que água mineral. e um absurdo.  E necessario a intervenção seria da Ministério da Agricultura para estipular níveis de preço, com base nos custos de produção e evitar a ganancia das multinacionais que tem lucro de ate 100% em cima do nosso produto.  
DARLANI PORCARO

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/10/2014

Precisamos  de uma organização  melhor, como  os sem terra, estão quietinhos, será porque? o govêrno deve estar dando alguma contribuição para isso, então é a mesma coisa , esperamos dos orgãos  ligados   ao  produtor , alguma reação em nosso favor , do contrário ,  é vergonhoso , porque os custos só  aumentam.
JOAO AURELIO

CARMÓPOLIS DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 13/10/2014

concordo com que disse o Marcello de Moura

O leite UHT deixou um rastro de prejuízo , varias empresas viram um mercado aquecido momentaneamente, aumentavam seus preços para o varejo e saiam a compra ofertando preços estratosféricos para os produtores, e rapidamente tinha mais leite no UHT que o necessário para o consumo, as empresas reagiam baixando os preços do UHT para o varejo, que não baixava para o consumidor pois não queriam que o consumo aumentasse para manter a corda no pescoço das empresas.



a estrategia delas era comprar o leite do concorrente para diminuir a oferta deles o que gerou a seguinte politica



EMPRESAS BRIGANDO PARA VER QUEM PAGA MAIS CARO NO LEITE NO CAMPO E VENDE MAIS BARATO PARA O VAREJO



RESULTADOS: VÁRIOS FORNECEDORES SEM RECEBER



Eu mesmo levei 2 canos sendo o ultimo de quase R$50.000,00


CLÁUDIO HENRIQUE OLIVEIRA DE CARVALHO

CÁSSIA - MINAS GERAIS

EM 13/10/2014

Sobre a declaração em relação aos atravessadores, inclusive vemos em algumas regiões as empresas, que já são laticínios, repassarem seu leite a outras, para aí sim, processarem!! Como não refletir no preço final? Mas, infelizmente, o produtor não recebe por isso. E, já já, vamos ouvir a imprensa acusar o LEITE como o novo vilão da inflação.
MARCELLO DE MOURA CAMPOS FILHO

CAMPINAS - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/10/2014

O preço ao produtor recua 0,5% sob alegação que a produção é elevada e não é absorvida pelo consumo, que tereia inclusive recuado em função de dificuldades econômicas no País. Mas se o consumo do UHT tivesse recuado não teria sentido um aumento de 2,62% no produto.



Parece que é um vilão, controlado pelos supermercados, que atua contra os produtores e a indústria, acabando com as margens. E mais, como muita industria de laticínios que tinha grande produção de UHT quebraram, muitos produtores tem dificuldade para receber pelo leite que forneceram. Parece que seria melhor vender o leite para laticínios que não produzam UHT ou que a produção não passe de 30% no mix de produtos.



Mas quando o Eliseu Nardido nos diz que no Paraná os supermercados vendem o queijo que compraram a R$ 12,00/kg por R$ 24,00/kg parece que o caso é de polícia.



Sugiro que a CNA e as Federações Estaduais de Agricultura, que tem muito dinheiro que arrecadam com o que os produtores compulsóriamente, contratem uma auditoria para levantar o que está acontecenno realmente no mercado e a partir daí pautem suas ações em defesa do produtor. As federações das indústrias deveria fazer o mesmo e se juntar com os produtores para evitar de serem explorados pelo grande poder econômico das redes de varejo.



Marcello de Moura Campos Filho
ANTONIO CARLOS BARBOSA

BARBACENA - MINAS GERAIS - REVENDA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS

EM 11/10/2014

As industrias junto com os supermercados,subirão o preço  do leite, o supermercado está vendendo o leite zero desnatado por R$ 2.40. O produtor vende por R$1,00 as industrias. Nos produtores estamos sofrendo,uma seca nunca vista de maneira igual sem água e pastagem esta tudo seco, silagem acabando e leite dese preço, não tem jeito de continuar, esta totalmente maneira erada.
ELISEU NARDINO

MARIPÁ - PARANÁ

EM 10/10/2014

O mesmo acontece aqui, o queijo revendido pela industria R$ 12,00, supermercado pra revender poem o preço em R$ 24,00 a R$ 25,00, isso o  mussarela os outros o preço esta bem mais alto, como que vai ter consumo com um preço desses?  Parece brincadeira isso














HENRIQUE PASSINI DE CASTRO

ARACÊ - ESPÍRITO SANTO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/10/2014

É muito interessante que se passe a acompanhar isso que está acontecendo, de acordo com a matéria.  Já culpamos o fabricante de embalagens, culpamos o governo pela tributação e agora estamos diante do que acredito seja o verdadeiro vilão do negócio leite, que é o SUPERMERCADO, que impõem preço a indústria e também ao consumidor,  e ainda se queixa.   
JOAO AURELIO

CARMÓPOLIS DE MINAS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/10/2014

o produtor paga o pato, mercado de leite UHT muito volatil, pela ganancias dessas empressas
BRUNO EDUARDO PEREIRA RODRIGUES

RECIFE - PERNAMBUCO - EMPRESÁRIO

EM 10/10/2014

Temos que criar mecanismos para diminuir o número de atravessadores até o consumidor final!  Não faz sentido estes aumentos no varejo.  Alguém explica?  E por que não é repassado ao produtor?
RONALDO MARCIANO GONTIJO

BOM DESPACHO - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/10/2014

É claro que o consumo vai cair, só neste mês de setembro o UHT subiu R$ 0,30. Isto é um absurdo, estão arrebentando com o produtor e o consumidor.
MilkPoint AgriPoint