ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

PR: Umuarama reduziu em 50% comércio de leite in natura

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 02/06/2003

2 MIN DE LEITURA

0
0
A Secretaria de Saúde de Umuarama, no Noroeste do Paraná, conseguiu reduzir em mais de 50% o comércio de leite in natura na cidade, sem prejudicar os produtores e revendedores que entregavam o produto de porta em porta. O leite, antes entregue in natura, agora chega ao consumidor pasteurizado, embalado e refrigerado.

A mudança foi possível graças à construção de um laticínio comunitário, implantado há quase dois anos. Hoje, a produção ainda é entregue direto ao consumidor, mas o leite é pasteurizado. A produção soma cerca de cinco mil litros de leite/dia.

Segundo o presidente da Associação dos Produtores e Entregadores de Leite de Umuarama e região (Apelu), Osvaldo Borborema Marto, o trabalho comunitário melhorou a qualidade do produto sem aumentar os custos. O lucro de quem explora a venda está garantido e o leite chega ao consumidor com preço um pouco menor do que o cobrado nos supermercados.

Para Marto, o pequeno produtor saiu fortalecido com a mudança porque ganhou credibilidade dos consumidores. ''Saindo da clandestinidade ganhamos a confiança da população'', garante.

A maioria dos pequenos produtores recebe do laticínio da Apelu uma média de R$ 0,40 pelo litro de leite. No processo de pasteurização e embalagem são gastos aproximadamente R$ 0,12 por litro. O produto é vendido por R$ 0,80, em média.

Dono de três alqueires no Distrito de Lovat, João Pagangreeo, é um dos pequenos produtores que entrega leite nas casas em Umuarama. Pagangreeo conta que antes da implantação do laticínio comunitário vendia uma média de 60 litros/dia. Hoje entrega 130 litros.

O laticínio foi construído com recursos do município, governo e produtores. O investimento ficou em R$ 107 mil. A instalação tem capacidade para beneficiar até 12 mil litros/dia. Além da venda direta ao consumidor, a marca começa a ganhar clientela entre os comerciantes. A associação quer ampliar a produção para abastecer o comércio e planeja também produzir derivados: queijo e iogurte.

Sanidade

Até o início do ano passado o leite vendido nas ruas era transportado em garrafas de refrigerantes, em tambores, sem refrigeração. Não havia nenhum controle de higiene e sanidade. Exames realizados pela Secretaria de Saúde do município apontaram que 70% deste produto apresentavam contaminação por coliformes fecais, pus e bactérias causadoras da brucelose. Havia também adulteração do produto com água.

O veterinário da Vigilância Sanitária Municipal, Sérgio Eiko, admite que ainda existem denúncias da venda de leite cru em alguns bairros da cidade. ''Mantemos a fiscalização e apreendemos o produto se flagrarmos a venda'', explicou.

Fonte: Folha de Londrina/PR (por Vânia Moreira), adaptado por Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint