ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Por Itambé, CCPR recorre ao governo mineiro

A Cooperativa Central dos Produtores Rurais de Minas Gerais Ltda (CCPR) está recorrendo ao governo de Minas Gerais para tentar levar adiante seus planos de voltar a ser dona de 100% do laticínio Itambé. A empresa pediu um financiamento ao Banco de Desenvolvimento de Minas Gerais (BDMG) para a operação de recompra de 50% da Itambé. Essa fatia, que custará R$ 600 milhões à CCPR, havia sido vendida para a Vigor, controlada pela J&F, em 2013, por R$ 410 milhões, e hoje está nas mãos da mexicana Lala.

"O BDMG está analisando a possibilidade de concessão de empréstimo para essa operação da CCPR", disse o presidente do banco público, Marco Aurélio Crocco. Segundo ele, o BDMG é uma das fontes de capital a qual a cooperativa recorre. "O banco não dará o total de recursos necessários", disse. "A informação que eu tenho é que está sendo montado um sindicato de bancos para essa operação, que outros estão sendo chamados."

O valor total da operação de recompra de 50% da Itambé envolve um montante de R$ 600 milhões. "Dificilmente um banco no Brasil participaria sozinho disso", afirmou Crocco. Ele não revelou que outros bancos estão em conversas com a CCPR.

Apesar das dificuldades financeiras por que passa Minas Gerais - que leva a pagamentos parcelados dos salários de parte dos servidores e a investimentos reduzidos -, o BDMG tem sido mantido como braço de investimento para empresas de Minas. O governo fez recentemente um aporte de R$ 100 milhões no caixa do banco e tem aberto mão de receber dividendos.

A assessoria do governador Fernando Pimentel afirmou à reportagem que está procurando ajudar a cooperativa por meio do BDMG.

Embora fontes do setor de lácteos afirmem que a Codemig, companhia pública que é dona de uma série de ativos em Minas Gerais, também fará parte da operação com a compra de participação na Itambé, não há, segundo a assessoria do governo estadual, conversas envolvendo a empresa de participações.

Conforme as mesmas fontes, a CCPR também teria conversado com o BNDESPar, braço de participações do BNDES. Procurado, o banco de fomento não comentou. A direção da CCPR também foi questionada sobre as eventuais fontes de financiamento da operação, mas não se pronunciou. 

Inicialmente, o Banco do Brasil estava à frente de um pool de bancos que iria financiar ou buscar investidores para a CCPR recomprar a participação da Vigor na Itambé. Mas o BB saiu da transação em razão do prazo curto para levantar os recursos necessários para a operação.

A CCPR anunciou que iria exercer o direito de preferência e recomprar a participação da Vigor na Itambé no dia 20 de setembro, um mês e meio depois de a Vigor ter sido vendida à mexicana Lala, por R$ 5,725 bilhões. O valor da transação incluía também a compra de até 100% da Itambé, isto é, contemplava a participação de 50% da CCPR na empresa. A possibilidade de recompra da participação pela central de cooperativas estava prevista no acordo de acionistas em caso de venda da Vigor.

A CCPR tinha até 20 de outubro para pagar pela participação adicional, do contrário ficaria sujeita a uma multa de R$ 200 milhões. Mas no dia 16 de outubro, a central protocolou Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) documentos relativos à aquisição da fatia de 50% que a Vigor tinha na Itambé. Não há concentração no negócio, mas a CCPR recorreu ao expediente, segundo uma fonte, para ter mais tempo para buscar recursos. Normalmente, a apreciação de operações como a envolvendo a CCPR e a Itambé leva entre 30 e 45 dias.

Embora a CCPR tenha optado por comprar os 50% que pertenciam à sócia na Itambé, ao concluir a operação, no dia 26 de outubro, a Lala pagou à controladora J&F R$ 5,025 bilhões, referentes à aquisição de 99,9% das ações da Vigor Alimentos e aos 50% das ações da Itambé. Assim, agora, a CCPR terá de pagar à Lala os R$ 600 milhões referentes aos 50% na Itambé.

As informações são do jornal Valor Econômico, resumidas pela Equipe MilkPoint. 

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

DANIEL COOPERNOVA

EM 01/12/2017

Pelo visto as ações das cooperativas continuam com a mesma velocidade... Interccoperaçao é palavra grega incompreensível a grande maioria delas
COOPERATIVA AGROPECUARIA MISTA TERRANOVA LTDA

TERRA NOVA DO NORTE - MATO GROSSO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 20/11/2017

Quem sabe nao é a hora das cooperativas de leite de Minas Gerais e Goias que estao mais proximas a Itambé se juntarem para este salto ao futuro !
WAGNER

EM 15/11/2017

Sem dúvidas um  avanço muito importante para Minas Gerais, o que pode levar a uma valorização dos produtores de leite e seus derivados.