ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

NZ: Desafiando a seca, produção sobe 4,3% em janeiro

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 18/03/2013

2 MIN DE LEITURA

5
0
A produção de leite na Nova Zelândia, maior exportador de lácteos do mundo, desafiou as expectativas aumentando novamente, mesmo com o Governo intensificando sua resposta à seca, vista como a pior em cerca de 30 anos.

A produção de leite da Nova Zelândia alcançou 2,3 milhões de toneladas em janeiro, um aumento de 4,3% com relação ao ano anterior, disse o grupo industrial da Associação das Companhias de Lácteos da Nova Zelândia (Dcanz). Os dados relatam uma sequência ininterrupta de aumentos na produção desde 2010 que desafiam as expectativas de danos pelas condições de seca que começaram no final do ano passado na Ilha do Norte e que estão se disseminando também para a Ilha do Sul.






A Fonterra, maior exportadora de lácteos do mundo, no mês passado alertou que “as condições de clima seco, particularmente na Ilha do Norte, no meio de dezembro e em janeiro, resultaram em uma desaceleração no crescimento da oferta de leite”.

As expectativas de uma queda na produção de leite da Nova Zelândia têm dado um grande suporte aos preços mundiais de lácteos, que alcançaram o maior valor em 21 meses no leilão GlobalDairyTrade, com os valores também apoiados nas expectativas de queda na produção européia na primeira metade desse ano.

Os dados divulgados pela Dcanz foram obtidos mesmo com o Governo da Nova Zelândia declarando seca em toda a Ilha do Norte. “Ficou claro que quase todos os produtores em todas as partes da Ilha do Norte estão enfrentando condições muito difíceis de seca”, disse o ministro de indústrias primárias do país, Nathan Guy, revelando fundos extras para agências de suporte.

A consultora neozelandesa Agrifax alertou que os níveis de umidade do solo estão 50mm abaixo do normal na maioria do país, com um déficit de mais de 130mm em algumas áreas importantes na produção de leite, incluindo Northland, Auckland e Waikato. “Os níveis de chuva em grande parte da Ilha do Norte foram de um terço a no máximo metade do comum registrado no verão”.

De fato, os analistas continuam pessimistas sobre as previsões para a produção de leite da Nova Zelândia, prevendo uma queda sazonal particularmente acentuada no inverno, considerando o impacto da seca nas condições de pastagens e um momento de altos preços da alimentação animal.

O Rabobank disse que “a produção nacional está caindo abaixo da do ano anterior em uma base mensal até fevereiro” e que com a pouca chuva prevista, os produtores terão poucas chances de reviver taxas típicas de produção de leite para o resto de 2012-13, que termina em maio.

Além disso, com o clima seco encorajando abates precoces de vacas, antes do menor ponto sazonal de produção, “o impacto na oferta de leite nos próximos três meses da estação serão irreversíveis”, disse o banco.

A produção de leite da Nova Zelândia tipicamente cairá para o ponto mais baixo em junho, com os últimos três meses da última estação, responsáveis por cerca de 20% das ofertas anuais.

A reportagem é do Agrimoney, com dados do DCANZ, traduzida e adaptada pela Equipe MilkPoint.
 
Leia uma matéria relacionada.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ADAILSON FREIRE

OLINDA - PERNAMBUCO - PRODUÇÃO DE CAPRINOS DE CORTE

EM 22/03/2013

É um bom exemplo para todos nós.



Adailson Freire
SERGIO BLOS LOPES

ALEGRETE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/03/2013

Estimado Romero,



Nao faz parte da cultura neozelandesa ficar esperando por iniciativa do governo. O que sim se verifica com esta noticia é que guardar comida, estocar e conservar forragem, estabiliza produção e como informam agora, aumentou 4.3%.

  Esta acontecendo agora, a viagem tecnica organizada pela milkpoint. Veremos quais os comentarios dos participantes desta comitiva, qual a impressao que ficou depois da visita.
DÉBORAH SIQUEIRA

BOM JARDIM - PERNAMBUCO

EM 19/03/2013

Aqui em Pernambuco a seca já derrubou rebanhos e a produção diária de leite caiu em mais de 50%. Falta estrutura aos produtores. Mas isso falta sempre, a seca é o pior agravante, mas não é o único motivo da baixa produtividade.
AMAURIK

PASSA TEMPO - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 19/03/2013

E o governo quer fazer acordo com eles, para que eles continuem aumentando a produção e exportação
ROMERO RÊGO CAVALCANTI

RECIFE - PERNAMBUCO

EM 19/03/2013

Excelente reportagem. Seria importantíssimo uma matéria comparando os efeitos da estiãgem na Nova Zelandia com o Nordeste Brasileiro. Acreditamos que lá existe muito mais apoio do governo e os produtores estão mais preparados para enfrentar as consequências de uma estiagem prolongada.



Romero Cavalcanti

gensuper2011@gmail.com.br
MilkPoint AgriPoint