ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Nova Zelândia vai aumentar produção de leite em Goiás

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 05/08/2014

2 MIN DE LEITURA

9
0


Referência mundial em produção de leite, a Nova Zelândia escolheu Goiás para selar um acordo de trabalho visando um aumento de produtividade local. Dessa forma, a Federação da Agricultura e Pecuária de Goiás (Faeg) e a Embaixada da Nova Zelândia no Brasil assinam, nesta terça-feira (05), a doação de um fundo de fomento da produção agropecuária de países em desenvolvimento. No total, R$ 65.700 serão repassados aos produtores por meio de 219 quadros de controle de reprodução.

O evento será realizado na sede da Faeg, no setor Sul, em Goiânia. Na ocasião, o embaixador interino Andrew Gillespie e o presidente da Federação Leonardo Ribeiro irão assinar o documento. Além disso, o produtor rural Geraldo Borges, um dos integrantes da metodologia Balde Cheio também será homenageado. Após o evento, ele apresentará sua propriedade e os ganhos alcançados por meio do trabalho aos representantes neozelandeses.

Para os produtores, o Quadro reprodutivo é importante porque, por meio dele é possível realizar um manejo reprodutivo. Informações como: data de inseminação, parto, período de lactação, entre outros.

"Estamos muito satisfeitos em saber que nossos produtores terão ainda mais chance de aumentar a produtividade e os ganhos. Com uma demanda crescente de alimentos, nosso país também ganha. Que esta seja mais uma das muitas parcerias que virão", pontuou Leonardo Ribeiro.

"Nós consideramos o Balde Cheio como uma maneira rápida, concreta e de baixo custo de se aumentar a produtividade de pequenos produtores rurais goianos. Estamos muito felizes de poder contribuir para o fortalecimento desse programa, por meio da aquisição de 219 Quadros de Controle de Reprodução. Espero que os Quadros possam contribuir ainda mais com o gerenciamento das pequenas propriedades leiteiras participantes do programa", afirmou o embaixador interino Andrew Gillespie.

Balde Cheio

Desenvolvido pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar Goiás) e pela Faeg desde 2010, o Balde Cheio leva conhecimento técnico aos produtores. Dessa forma, muitas vezes é possível aumentar os ganhos reduzindo despesas e até mesmo rebanho. Atualmente, Goiás conta com 670 propriedades rurais assistidas, dentre estas, 52 são unidades demonstrativas, acompanhadas por 53 técnicos (engenheiros agrônomos, veterinários, zootecnistas).

Doação de sêmen

Para encerrar o dia com chave de ouro, a empresa neozelandesa LIC/NZ Brasil também irá doar aos produtores goianos R$ 9 mil em sêmen de três raças oriundas do país: Jersey, Frísia e Kiwicross. O diferencial das mesmas é a alta produtividade comparada às raças mais comuns no país. A Kiwicross, em especial, é híbrida de Jersey e Frísian e foi desenvolvida na Nova Zelândia.

Liderança em produção

Com alta produtividade, a Nova Zelândia tem 4,5 milhões de habitantes e 4,2 milhões de vacas leiteiras. Com isso, consegue produzir 17 bilhões de litros de leite por ano e exporta 95% desta produção, sendo que produz 2% do consumo mundial. O país investe permanentemente em pesquisas que vão desde a criação de cultivares de pastagem até o melhoramento genético. Além disso, é exemplo de modelo de boas práticas nas propriedades. Por lá, tudo é auditado com integração entre produtor, indústria e governo.

O Brasil produz 35 bilhões de litros de leite por ano, mas, para alcançar estes resultados possui 23 milhões de vacas leiteiras. Isso significa dizer que, caso tivesse a mesma produtividade dos neozelandeses, conseguiria produzir 93 bilhões de litros de leite por ano. Por aqui, a produção é de 5%do total consumido no mundo, mas apenas 1% da produção é exportada.

As informações são da Assessoria de Comunicação da Faeg.
 

9

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 09/08/2014

Só estão esquecendo de um detalhe que o aumento da produção é na contra mão do preço do produto.
DURVAL MARTINS DA SILVEIRA

CAMPO GRANDE - MATO GROSSO DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 07/08/2014

Acho que o que falta para o produtor de leite brasileiro de maneira geral,é ser mais competitivo, e os produtores da neozelandeses, tem muito a nos ensinar nesse quesito, não só ao empreendedor, mas em toda a cadeia produtiva, haja visto o trabalho que eles estão fazendo no sudoeste do Estado da Bahia. Muito para Estado de Goiás e consequentemente, para o Brasil, já que nosso potencial é dos maiores do mundo. Parabéns!...............
AFONSO VOLTAN

JALES - SÃO PAULO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 06/08/2014

Parabéns à todos pela iniciativa. Este quadro é uma das melhores ferramentas que conheço para monitorar a reprodução do rebanho. Simples e eficiente.
D. BARONE NETO

SÃO PAULO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/08/2014

Genética o Brasil tem e muita, com excelentes criadores de diversas raças, e no Goiás tem vários exemplos como. Faz. Figueiredo,  o que tem que mudar é a cabeça do produtor, que prefere ter 3 vacas de 10L do q 1 de 30L...

Que prefere tirar o leite na mão porque "essas mudernidades automáticas estraga a vaca", como já ouvi....

Já vi produtor vender o silo do ano anterior, mas não dar pro gado, pq a produção já tinha caído demais.

Resumindo, não adianta só mudar o gado, tem que mudar a cabeça do produtor.
IZAILTON GOMES DO COUTO

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 06/08/2014

Certamente vai melhorar a genética do gado leiteiro em Goiás, transformando pequenos em grandes produtores de leite com qualidade. Será de excelência o aprendizado adquirido juntamente com Nova Zelândia e Senar-Goiás.
ANDRE LUIZ MERCHAN

MATUPÁ - MATO GROSSO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 06/08/2014

Será que assim vamos aprender a "TRABALHAR"?????

Até quando, teremos o leite como empregador de mão de obra familiar, ocupando uma pessoa para quem sabe, no máximo 10 vacas????

Iniciativas como essa sem dúvida, vai mexer com muita gente, tomara que some!!!!!!!!!!!!!
IRAUTO GOMES DE MELO

GARANHUNS - PERNAMBUCO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/08/2014

É isso ai eu acredito muito na metodologia está de parabéns os Neozelandês.
CARLOS HENRIQUE B. OLIVEIRA

CERES - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 05/08/2014

Excelente iniciativa dos Neozelandeses, Parabéns!!!!!!!!!!!!!
MICHEL KAZANOWSKI

QUEDAS DO IGUAÇU - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 05/08/2014

Somente uma pequena correção dos números sobre a Nova Zelândia.

O número de vacas é de 4,8 milhões de vacas, superior a população de pessoas que é de 4,5 milhões. A produção na estação 2012-2013 foi de 18,88 bi. de litros. A última estação (2013-14) teve ligeira alta nessa produção, ultrapassando 20 bi. de litros processados.
MilkPoint AgriPoint