ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

MS: aumento do preço do leite chega a 12% devido às altas da energia e diesel

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 09/03/2015

1 MIN DE LEITURA

1
0
O café da manhã do sul-mato-grossense está até 15% mais caro em decorrência dos aumentos da energia elétrica, do óleo diesel e do dólar. Depois de as indústrias da panificação e confeitaria terem reajuste o preço do pão francês em até 15%, agora é a vez da indústria laticínia elevar o valor do litro do leite em até 12%, conforme informação do presidente do Sindicato das Indústrias de Laticínios de Mato Grosso do Sul (Silems), Hernandes Ortiz.

Segundo Hernandes Ortiz, o aumento varia de 10 a 12% nos cerca de 70 laticínios espalhados por Mato Grosso do Sul. “Os empresários estão apenas repassando os custos de produção, que foram majorados devido ao aumento da tarifa de energia elétrica, que até o momento já subiu mais de 46,27% para o setor industrial do Estado, e do reajuste dos combustíveis, principalmente, do óleo diesel, que essencial para o escoamento da nossa produção”, pontuou.

Ele explica que a indústria laticínia estadual teve um aumento nos custos de logística, de captação e de distribuição, sendo que a coleta que antes era de R$ 0,10 a R$ 0,14 por litro passou para R$ 0,17 por litro, ou seja, uma elevação de mais de 70%. Com o reajuste, conforme o presidente do Silems, o consumidor deve diminuir o consumo dos derivados lácteos e o reflexo disso será uma consequente redução no quadro de funcionários dos laticínios.

“Por causa da crise na economia, nós já vivemos um momento de vendas retraídas, levando em conta que os produtos lácteos não são considerados de primeira necessidade como o arroz, feijão e o óleo. Quando estamos em crise o consumo reduz inevitavelmente”, analisou Hernandes Ortiz, completando que, com o excesso de produção e também de oferta, além da baixa demanda dos produtos lácteos, os números deixam os empresários desanimados.

“Isso tudo vem se agravando com a atual conjuntura econômica. Entre os problemas em nível nacional, temos a grande oferta de matéria-prima com baixo consumo e várias empresas enfrentando problemas de recuperação, sendo que algumas até fecharam as portas deixando produtores sem receber. Esse cenário acaba refletindo também em Mato Grosso do Sul”, ponderou o presidente do Silems.

A matéria é do IDEST. 

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

TIAGO ROCHA VIOLA

RIBEIRÃO PRETO - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 10/03/2015

ACREDITO QUE  COM  TODOS ESSES  AUMENTOS DE ENERGIA, COMBUSTIVEL, E  OUTROS  IMPOSTO  QUE  O  GOVERNO  VEM  APLICANDO  AO  LONGO  DESSES  ULTIMOS  MESES, O CONSUMO DE PRODUTOS  LACTEOS COM CERTEZA IRA DIMINUIR, A PERGUNTA É  A SEGUINTE A INDUSTRIA JUNTO COM O PRODUTOR, VÃO ACEITAR A DIMINUIÇÃO OU A PRODUÇÃO   DOS PRODUTOS. FICA UM CENARIO MUITO COMPLICADO PARA O MERCADO VAREJISTA.
MilkPoint AgriPoint