ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Ministério teme recusa a mudanças em Código Florestal na Câmara

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 10/02/2012

2 MIN DE LEITURA

0
0
A rejeição ao texto do Código Florestal enviado por senadores à Câmara dos Deputados é vista como uma possibilidade "desastrosa" dentro do Ministério do Meio Ambiente, disseram fontes da pasta nesta quinta-feira, dia 9.

Uma versão da proposta havia sido aprovada em maio de 2011 na Câmara e enviada ao Senado. O governo, descontente com o resultado, participou ativamente das negociações no Senado e promoveu mudanças que considera "positivas".

Aprovado em dezembro pelos senadores, o texto voltou a tramitar na Câmara e deve ser votado em março. Restam aos deputados duas opções: acatar ou rejeitar pontos da proposta enviada pelo Senado.

Uma das fontes disse à Reuters que se a Câmara "mexer" no texto ao rejeitar algum dos pontos aprovados no Senado, isso poderia "desandar" todo o processo de negociação. Outra fonte afirmou que um eventual retorno à proposta aprovada em maio pelos deputados iria "estourar o dique".

Durante coletiva de imprensa nesta terça-feira, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, elogiou o texto aprovado pelo Senado e se colocou à disposição para dialogar com os deputados.

"Como sempre, eu tenho me colocado como uma pessoa pronta para dialogar. Eu irei à Câmara dialogar com os deputados e vamos obviamente lutar para ter um Código Florestal com segurança jurídica, com ganhos ambientais e com sustentabilidade para a produção agrícola... Agora, é um Código Florestal, não é um código só de agricultura", disse a jornalistas.

A proposta inicial aprovada pela Câmara causou polêmica e foi vista por setores ambientalistas como um retrocesso ao ampliar as possibilidades de ocupação em Áreas de Preservação Permanentes (APP).

O texto também sofreu críticas de defensores de uma lei ambiental mais rígida pelo que consideram uma "anistia" a quem cometeu crimes ambientais.

No Senado, foram incorporadas à proposta mudanças que, segundo a própria ministra, conferem mais "segurança jurídica" à lei. Ela lembrou que senadores incluíram dispositivos de incentivos econômicos a proprietários rurais que preservarem ou recuperarem vegetação nativa.

Durante a tramitação no Senado, um grupo de ambientalistas e representantes da sociedade civil entregou à presidente Dilma Rousseff um documento com 1,5 milhão de assinaturas pedindo que ela vete dispositivos que, na visão dele, anistiam e estimulam o desmatamento.

A presidente já havia afirmado, em maio de 2011, que iria vetar trechos que considerar prejudiciais ao país e se declarou contra a consolidação de áreas desmatadas ilegalmente e a anistia a desmatadores.

Desmatamento

Dados divulgados nesta quinta-feira, dia 9, pelo Ministério do Meio Ambiente apontam que houve uma redução no ritmo de desmatamento nos biomas do Pantanal, Mata Atlântica e Pampa no período entre 2008 e 2009.

"Há uma redução da dinâmica e da magnitude do desmatamento", disse Izabella a jornalistas. O anúncio sobre os dados de desmatamento de outros biomas, que não a Amazônia, é feita pelo governo federal num momento em que o país se prepara para sediar, em meados do ano, uma importante conferência internacional sobre meio ambiente, a Rio+20.

O Pampa teve 0,18 por cento da cobertura total desmatado neste período, enquanto o Pantanal perdeu 0,12 por cento de sua vegetação nativa, segundo os números do ministério.

Entre 2002 e 2008, o Pampa teve 1,2 por cento de área desmatada e o Pantanal registrou supressão de 2,83 por cento de sua vegetação.

O desmatamento na Mata Atlântica ficou quase estável entre 2008 e 2009. Apenas 0,02 por cento da área foi desmatado no período.

A ministra afirmou que a pasta pretende consolidar e divulgar ainda neste ano os dados de desmatamento referentes ao período entre 2009 e 2010 para esses biomas.

A reportagem é da Agência Reuters, adaptada pela Equipe AgriPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint