ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Maurício Palma Nogueira fala sobre o mercado de leite

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/07/2004

10 MIN DE LEITURA

1
0

Maurício Palma Nogueira formou-se em engenharia agronômica na Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz", da Universidade de São Paulo - turma de 1997. Posteriormente fez especialização em Administração Rural, pela Universidade Federal de Lavras, em 2002.

Atualmente é diretor da Scot Consultoria, editor chefe do informativo de mercado A Nata do Leite e coordenador da divisão de gestão empresarial da equipe da Scot Consultoria.

Atua no mercado de consultoria e serviços em gestão integrada de custos, mercado pecuário (leite e boi), mercado de alimentos concentrados e insumos, marketing e consultoria estratégica para produtores e agroindústria, gestão pela qualidade total para organizações agropecuárias e pesquisas de mercado e de opinião. Faz também análises setoriais.

É palestrante e facilitador em diversos cursos, seminários, simpósios e encontros agropecuários em todo o país abordando os temas:
Histórico e perspectivas de mercado pecuário (leite e corte); administração rural (tecnologia e resultados); estratégias para empresas agropecuárias; gestão pela qualidade total;
custos e resultados de empresas pecuárias; cálculos e gestão de custos de produção; atuação da empresa de consultoria e serviços para o setor rural; importância do cooperativismo para o setor leiteiro; o agronegócio brasileiro.

Possui mais de 400 artigos publicados sobre estes temas nos mais variados veículos de informação especializados no agronegócio.


MKP: Como o mercado está se comportando hoje em relação a preços ao produtor?

MPN: Até junho, pagamento da produção de maio, os preços médios pagos aos produtores, em valores reais (deflacionados) estavam cerca de 6% abaixo dos valores pagos no mesmo período de 2003.

Para o pagamento de julho, produção de junho, os preços aumentaram novamente. Já para o pagamento de agosto, produção de julho, os preços tendem a se estabilizar ou variar muito pouco em relação ao mês anterior.

MKP: Há variações regionais?

MPN: Sim, os preços diferem para cada região e entre produtores dentro da mesma região. Com relação às diferenças por Estado, observe na figura 1 os valores pagos em junho pela produção de maio nos Estados pesquisados pela Scot Consultoria.


As diferenças de preços por regiões e Estados relacionam-se com a proximidade do mercado consumidor, oferta regional de leite e presença ou não de competição entre indústrias compradoras.

Observe o caso de Rondônia e do Pará, por exemplo. Apesar de ainda não ser possível dizer que trata-se de uma tendência, o preço de Rondônia estava em média 7% acima do valor pago no Pará. Com a maior importância dada pelas indústrias nos últimos meses a Rondônia, além do aumento real da sua produção de leite, os preços de 2004 de Rondônia estão em média 15%, maiores em relação aos do Pará.

Em junho, com a falta de leite no mercado, o preço que o produtor de Rondônia recebe está 23% maior que o paraense.

Na mesma região, e no mesmo laticínio, os produtores com volumes diários maiores também recebem mais. Na verdade, o produtor que consegue reduzir custos de coleta para a indústria acaba ganhando as maiores bonificações. Reduz-se os custos da coleta, principalmente através da granelização, refrigeração e aumento do volume diário de leite fornecido à indústria. Os produtores com maiores bonificações recebem, em média, preços 8% a 12% superiores aos valores médios regionais.

MKP: Pelo último levantamento da Scot Consultoria, o RS tem o melhor preço do Brasil hoje. Porque isso ocorre?

MPN: Atualmente o Rio Grande do Sul possui um dos preços mais elevados para o leite. Perde para o Ceará, numa condição especial e com um volume próximo apenas 2% da produção nacional, e para o leite tipo B paulista, preço pago aos produtores com maiores bonificações próximos do maior mercado consumidor do país.

Considerando volume total de leite e preços médios, o leite gaúcho é o que mais vale atualmente no mercado brasileiro.

Os principais motivos podem ser atribuídos à pesada crise de preços, que foi mais acentuada na região, e à atuação da Parmalat, que imprimiu no Rio Grande do Sul uma concorrência mais vigorosa que nas demais regiões do país.

O Estado em que a Parmalat está mais agressiva nas compras do leite junto a produtores é justamente no Rio Grande do Sul, o que tem levado diversos concorrentes a reclamarem dos preços pagos pela multinacional italiana.

MKP: Você acha que os preços ao produtor vão aumentar mais?

MPN: Por enquanto, até o mês de julho de 2004, houve espaço para novos reajustes nos preços. A partir daí, tudo dependerá do mercado consumidor e do desempenho das exportações. Por volta do dia 15 de julho começou a aparecer informações de desaquecimento do mercado "spot", o que indica tendência de estabilidade no mercado.


Historicamente, aumentos bruscos nos preços são acompanhados de quedas nas mesmas proporções. O cenário que se desenha é de redução drástica nos preços do leite no final do ano.

No início do ano, muitos achavam que os preços não voltariam aos patamares de meados de 2003, e cá estamos.

O setor passa por um cenário bem diferente dos outros anos. A crise da Parmalat abriu espaço para disputas, envolvendo as maiores empresas do país e a própria Parmalat, que está na briga por leite no mercado interno visando recuperar o valor de seus ativos. A pecuária leiteira também pode contabilizar um superávit no mercado internacional. Esses fatores pesam favoravelmente e criam boas perspectivas para o produtor brasileiro.

Pesam negativamente o problema de consumo interno, com uma população de baixa renda, e as históricas relações comerciais entre o varejo, indústria e produtor. No Brasil, a comercialização ainda é predominantemente baseada em movimentos especulativos e pouca atenção é dada à qualidade do leite. Isso privilegia a produção de baixa tecnologia e pouca escala.

MKP: Em termos de rentabilidade, 2004 está melhor ou pior para o produtor do que 2003?

MPN: Até o momento, a rentabilidade em 2004 está pior que a de 2003. Os preços médios do leite, em valores nominais, de janeiro a maio estão 0,65% abaixo da média do mesmo período de 2003.

Uma formulação concentrada, considerando as devidas substituições de ingredientes numa dieta, está 2% mais barata em 2004. O custo dos volumosos em 2004, por sua vez, estão 12% mais caros que em 2003.

Grosso modo, pode-se dizer que a dieta de uma vaca de leite está por volta de 2% a 4% mais cara em relação a 2003. Dependendo das substituições nos ingredientes na alimentação, o custo da dieta pode ser reduzido ao mesmo valor de 2003 ou até a 2% menos.

Portanto, com a alimentação praticamente nos mesmos patamares, o que mina a rentabilidade do produtor de leite são os aumentos dos demais insumos e serviços.

MKP: E para a indústria?

MPN: Considerando o comportamento dos preços do leite e derivados no atacado, com os valores da matéria prima, conclui-se que as condições para as indústrias melhoraram em 2004. Enquanto nos primeiros meses do ano, os preços do leite aos produtores ficaram 0,65% inferiores em relação a 2003, os preços dos produtos industrializados - leite e derivados - estão 5,3% maiores em 2004, comparados ao mesmo período de 2003.

No entanto, outros custos estão envolvidos e é provável que a indústria, em geral, tenha mantido a rentabilidade de 2003, na melhor das hipóteses.
Vale lembrar que a indústria também sofre a pressão do varejo.

Por outro lado, grandes indústrias aumentaram a competitividade através do aumento do volume médio de leite fornecido por produtor, como é o caso da DPA (joint venture entre a Nestlé e a Fonterra). Aumentar o volume de leite por produtor implica em redução de custos. A Itambé acompanhou a mesma linha da DPA (Dairy Partners of Américas), aumentando o volume de leite por fornecedor.

As empresas que, em 2004, estão bem posicionadas para exportar e para abocanhar parte da fatia de mercado da Parmalat colherão resultados significativamente maiores, quando comparados a 2003. Enfim, quem tinha uma estratégia de crescimento planejada há algum tempo colherá os frutos a partir deste ano.

PROBLEMAS DO SETOR

MKP: Quais são os principais desafios que a cadeia do leite enfrenta hoje para ser mais rentável aos seus agentes?

MPN: O maior desafio da cadeia do leite é o amadurecimento dos elos envolvidos. O produtor ainda acredita que produzir leite de qualidade custa mais caro, o que não é real. Por outro lado, a indústria não percebe que pagar por qualidade também custa menos, pois haveriam ganhos operacionais e, principalmente, ganhos em clientela.

O marketing do leite das empresas deveria almejar aumentos na percepção de valores por parte do consumidor. Independente de embalagens envolvidas, o setor leiteiro deveria buscar recuperar a credibilidade do consumidor, trazê-lo de volta e aumentar o consumo de leite e seus derivados.

Em termos de consumo interno, o desafio é aumentar tanto a quantidade como o valor dos produtos. Existem vários exemplos de produtos de sucesso entrando a preços mais altos no varejo.

Outro desafio, histórico, é nas relações comerciais. Não há contrato, não há garantia e a política de preços e pagamentos ainda é perversa. Como é difícil crer que uma empresa- compradora, com a faca e o queijo na mão, queira abrir mão de seus ganhos para repassá-lo aos produtores, o sucesso de um setor leiteiro moderno acaba dependendo da modernização e do fortalecimento do cooperativismo.

Portanto, cooperativismo é outro grande desafio.

Em termos sociais - programas de governo - o leite não pode continuar sendo objeto apenas de manutenção de agricultores ineficientes no campo. Esse tipo de agricultura tende a desaparecer e, hoje, a sua produção está tornando a atividade empresarial moderna mais difícil. Corre-se o risco do produtor brasileiro enfrentar subsídios no mercado internacional e, pior, subsídios no mercado interno, que é o financiamento de uma agricultura ineficiente. Em médio e longo prazo, o fortalecimento da agricultura empresarial tende a gerar mais empregos e melhores condições para a sociedade, principalmente na atividade leiteira.

O pequeno agricultor pode produzir de maneira empresarial, desde que tenha suporte informativo e assistencial. O desafio dos governos é criar medidas que mantenham o pequeno agricultor em condições de produzir, de maneira competitiva, para que ele possa crescer, se desenvolver e criar condições para que seus filhos estejam aptos também a trabalhar em outras atividades. Em outras palavras, é preciso educação para o homem do campo. Não haverá espaço para todos na agricultura.

Hoje, o pequeno agricultor está sobrevivendo e não vivendo. Voltamos assim à necessidade de fortalecer o cooperativismo.

Com o mercado externo, outro desafio ganha força. É preciso reduzir o custo Brasil, ganhar credibilidade como país exportador e manter um padrão de qualidade para os produtos que serão enviados ao exterior e destinados ao mercado interno. É preciso estar atento e atender às exigências dos clientes. Existe uma corrente de pensamento que diz que o mercado consumidor para o leite brasileiro será composto basicamente de países pobres e que, por isso, as exigências em qualidade não seriam tão acentuadas. No entanto, é preciso lembrar que haverá oferta de leite produzido, e subsidiado, com bons padrões de qualidade no mercado internacional. O Brasil deverá, necessariamente, superar tais padrões.

MKP: Apesar das dificuldades históricas do setor, a produção de leite cresce a taxas consideráveis. Em sua opinião, porque isso ocorre?

MPN: A atividade leiteira, assim como as demais atividades agropecuárias, reagiu à necessidade de ganhar produtividade frente à queda nos preços dos produtos agropecuários.

Normalmente, no mercado de commodities, o empresário reage à queda de preços aumentando a escala de produção. No caso do leite não foi diferente.

O pouco que se organizou na atividade permitiu ganhos. Segundo números do IBGE, do início da década de 90 até 2003, a produção de leite aumentou quase 50%. No mesmo período, a Scot Consultoria estima um aumento de 50% na produção média por vaca em lactação e cerca de 65% de aumento na produção por área. O setor leiteiro ganhou em produção e produtividade.

Nesse início de década, o pecuarista brasileiro repassou cerca de 4,9 milhões de hectares para a agricultura. Essas áreas, antes destinadas à pecuária de corte, principalmente, e de leite, foram para agricultura na tentativa do empresário aumentar sua renda.

Mesmo com a redução de área, tanto a pecuária de leite, como a pecuária de corte, mantiveram ou aumentaram o número de animais e a produção total, segundo números oficiais.

É de se esperar, portanto, que tenha ocorrido um aumento de uso de tecnologia.
Portanto, essa continua sendo a tendência para todo o agronegócio: produzir cada vez mais na mesma unidade de área.

Num primeiro momento, essa busca por tecnologia visava a sobrevivência, período característico dos últimos 15 anos; atualmente o aporte tecnológico objetiva aumentar os ganhos econômicos, ser competitivo.

Se a produção de leite não for eficiente em gerar renda frente a outras atividades agropecuárias, a pecuária leiteira gradualmente perderá espaço para atividades mais lucrativas. Esse é o conceito de custo de oportunidade.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 26/07/2004

Concordo com seu conceito e sua análise. Parabéns pela entrevista.
MilkPoint AgriPoint