ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Maiores estados produtores de leite reduzem produção leiteira

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 01/12/2003

1 MIN DE LEITURA

3
0
A redução da produção leiteira foi considerada a melhor estratégia para pressionar os laticínios a melhorar os preços pagos ao produtor, já que alegam excesso de oferta como uma das razões para as recentes depreciações do produto, de acordo com o presidente da Comissão de Leite da Federação da Agricultura do Estado de Goiás (Faeg), Maurivan Siqueira.

Hoje o produtor goiano recebe, em média, R$ 0,36 por litro de leite ou R$ 0,10 a menos do que recebia em agosto passado. "O pior é que essa queda não chega ao consumidor final que, pelo contrário, paga a cada dia um preço mais elevado pelo produto", criticou.

Para Siqueira, também não procede o argumento da indústria de laticínio de que suas vendas para São Paulo, o maior comprador do leite do Estado, caíram em decorrência da perda de competitividade do produto goiano, que sofre maior incidência do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS). "Somos até favoráveis à luta dos laticínios pela isonomia tributária, mas nossos levantamentos indicam que, ao contrário do que afirmam, as vendas para o mercado paulista aumentaram".

A Comissão de Leite aconselha aos produtores a reduzir a produção de leite apenas retirando o arraçoamento das matrizes em lactação, item que corresponde a 38% dos custos de produção do setor. Siqueira prevê que a produção exclusiva a pasto deve resultar em uma redução entre 10% e 15%, sem que o produtor precise desmantelar seu sistema, resguardando principalmente o plantel.

Segundo ele, levantamento de outubro indica que em 12 meses as rações para vacas em lactação subiram 24,8% e os adubos para a pastagem, cerca de 16%.

Conforme Siqueira, os seis Estados maiores produtores de leite estão simultaneamente adotando a mesma iniciativa de redução. "Se há excesso de oferta, vamos enxugar o mercado, mas vamos ficar de olho nas importações do produto e, no primeiro sinal de aumento, vamos denunciar a ação predatória da indústria contra a pecuária de leite nacional", avisou.

Fonte: O Popular/GO (por Edimilson de Souza Lima), adaptado por Equipe MilkPoint

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICARDO REZENDE SILVESTRE

UBERLÂNDIA - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 02/12/2003

As pessoas, antes de fazer qualquer comentário ou dar entrevistas, têm que ter certeza do que será falado, pois não é verdade quando dizem que os preços ao consumidor nao tiveram baixa ou os preços continuam subindo etc.. na verdade qualquer pessoa bem informada sabe que a mussarela estava sendo vendida para o comerciante a 7,30 a 40 dias atrás hoje o preço é de 5,50 o quilo; o leite longa vida estava a 1,18 hoje está sendo vendido a 1,00 o litro; então será que houve uma queda ou não?
CARLOS DE SIMONI SILVEIRA

PASSOS - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 01/12/2003

É ABSOLUTAMENTE RIDÍCULO, EM UM PAÍS COMO O BRASIL,ONDE O QUE MAIS OUVIMOS É FOME ZERO DENTRE OUTROS, TERMOS QUE REDUZIR A PRODUÇÃO DE LEITE AO INVÉS DE AUMENTARMOS.

MEUS CAROS COLEGAS PRODUTORES DE LEITE,VAMOS NOS UNIR E MOSTRAR PARA OS BRASILEIROS QUE ESTAMOS SENDO MASSACRADOS PELOS LATICÍNIOS, SUPERMERCADOS E ATRAVESSADORES, E QUE O NOSSO PROPÓSITO E PRODUZIRMOS CADA VEZ MAIS, PARA TORNAR REALIDADE O QUE TEMOS EM MENTE, QUE É VER NOSSAS CRIANÇAS SEM FOME.

JOSÉ ALMEIDA DE OLIVEIRA

MAJOR ISIDORO - ALAGOAS - EMPRESÁRIO

EM 01/12/2003

Sou produtor de leite em Alagoas. Li com atenção seu comentário. O que você diz, aqui nós dizemos também. Tal qual aí, ELAS procedem da mesma maneira, Aqui, todas "calçam quarenta"! Mudemos somente as posições geográficas. Abraços, José Almeida
MilkPoint AgriPoint