ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Maggi defende a abertura do comércio para produzir alimentos aproveitando os recursos naturais

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 24/01/2017

3 MIN DE LEITURA

0
0
Blairo Maggi - reunião de ministros - Berlim

O ministro Blairo Maggi conclamou lideranças na reunião de ministros da Agricultura do G-20, em Berlim, a investirem cada vez mais na difusão de tecnologias e em pesquisas para reduzir o consumo hídrico. Ressaltou que a segurança hídrica depende também da eliminação de barreiras ao comércio internacional. “Essas barreiras, não raramente, estimulam o uso ineficiente da água, sobrecarregando sistemas que poderiam ser poupados, caso a matéria-prima fosse produzida em regiões em que a água é mais abundante”, ponderou.

A necessidade crescente de produzir alimentos foi outro destaque do discurso, feito nesse domingo (22). “Em 30 anos, serão mais 10 bilhões de pessoas no mundo num contexto de adaptação à mudança climática. O desafio é grande, mas também é enorme a nossa vontade de superá-lo.” Falou ainda da importância de utilizar as vantagens comparativas de cada região do planeta, “abrindo o comércio para que os recursos naturais sejam melhor aproveitados em todos os lugares, sem desperdício.”

A experiência brasileira após a implementação do Código Florestal foi compartilhada pelo ministro. Maggi chamou a atenção para o retorno que a natureza proporciona ao ser preservada: “Vimos que, ao proteger as nascentes e as margens dos rios com vegetação nativa, o agricultor aumenta a produtividade”.

Maggi lembrou aos demais ministros do G-20 que “os fazendeiros são obrigados, no Brasil, a preservar de 20% a 80% de suas propriedades com vegetação nativa, assim como as margens de rios e de nascentes”. São iniciativas, acrescentou, que “melhoram a quantidade e a qualidade da água, evitando o assoreamento de rios e de reservatórios”. “Não podemos também esquecer do solo, que é armazenador de água”, observou, defendendo “expandir sistemas de bom uso do solo, como o plantio direto na palha, sem arar a terra”. Convidou os ministros a participarem no próximo ano, em Brasília, do 8º Fórum Mundial da Água.

E comentou o compromisso brasileiro para implementar o Acordo do Clima de Paris, de restaurar 12 milhões de hectares de florestas, recuperar 15 milhões de hectares de pastagens degradadas e implementar 5 milhões de sistemas agrícolas que integram lavoura, pecuária e florestas. “Convidamos a todos os países, aqui presentes, a se juntarem nesse esforço para o futuro sustentável da agricultura mundial”, sublinhou.

Tecnologia da informação e comunicação no campo foi um dos temas que dominou boa parte dos debates da reunião de ministros da Agricultura que integram o G-20. A conexão dos pequenos agricultores, o compartilhamento de dados, inclusive para a formação de preços, teve espaço nas discussões. Foram valorizadas também as políticas de bem-estar no campo, assim como todas as questões de segurança alimentar e de proteção à água e ao meio ambiente.

Encontros bilaterais

Maggi se reuniu com delegações do Reino Unido e da Rússia durante o domingo. Para a ministra do Meio Ambiente, Alimentação e Agricultura, Andrea Leadsom, relatou iniciativas como a da produção integrada e o uso de apenas 8% do território para a produção agrícola no Brasil. Destacou ainda que está na hora de haver reconhecimento dos esforços brasileiros na área ambiental associada à produção agrícola.

Chegou a dizer que há retórica em torno do assunto por parte de muitos países, mas que os produtores brasileiros têm o que mostrar. “Gostaria muito que a senhora conhecesse o que temos feito”, disse à ministra. E que seria importante criar um fundo de aval, principalmente para atender aos pequenos agricultores. Nós não vamos contra a ciência e o uso indiscriminado de antibióticos”, disse o ministro, observando ter apoiado a posição de Andrea Leadsom em relação à resistência antimicrobiana nos debates. Com base em recomendações de organismos internacionais de referência, o Mapa restringiu a autorização de diversos antimicrobianos usados como aditivos, considerando o impacto na saúde humana.

As informações são do Mapa. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint