ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Limitação de quantidade afeta programa do leite em MG

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 28/11/2005

1 MIN DE LEITURA

1
0
Sessenta e cinco mil famílias carentes do norte de Minas Gerais e Vales do Jequitinhonha e Mucuri correm o risco de ficar sem o alimento distribuído diariamente no Programa Leite pela Vida, executado pelo MDS (Ministério do Desenvolvimento Social) e Idene (Instituto de Desenvolvimento do Nordeste e Norte de Minas).

É que a nova diretriz fixada pela Secretaria Nacional de Segurança Alimentar, publicada na última semana, determina a cota de 5 mil litros por semestre, ou 27 litros por dia, por produtor. Para atender as 150 mil famílias seria necessário comprar o leite de 5.555 produtores do Pronaf (Programa Nacional da Agricultura Familiar), mas os coordenadores conseguiram apenas 3.145.

O coordenador estadual do Programa Leite Pela Vida, Agnos Rodrigues da Silva, que atua no Idene, está com dificuldades para encontrar outros 2.410 pequenos produtores e completar os 65.085 litros. Ele lamentou que a nova diretriz tenha desconhecido essa realidade, apesar de, no dia 26 de setembro, o secretário nacional Anuar Ruano ter participado de audiência pública em Montes Claros, quando foi alertado.

A assessoria do ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, alegou que o programa é bancado pelo governo federal, mas que sua execução é de responsabilidade do Idene.

Hoje, em Recife (PE), coordenadores do Programa Leite Pela Vida nos dez estados afetados pela seca estarão reunidos, segundo Rodrigues, para discutir um documento a ser entregue ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, onde é apontado o risco de desabastecimento das famílias carentes.

"Faltará leite para assegurar o abastecimento das famílias carentes. Infelizmente, falta sensibilidade à burocracia. Para minimizar essa situação, o Idene está comprando 20 tanques resfriadores, que serão espalhados em pontos estratégicos para acumular o leite de pequenos produtores, e que justifiquem o deslocamento dos veículos dos laticínios. Isto nos ajudará a colocar mais 400 produtores no programa, mas faltarão outros 2 mil", completa Rodrigues

O pedido de Minas, encaminhado ao MDS, é que cada pequeno produtor forneça 100 litros de leite por dia, contra os 27 hoje autorizados. "É incrível como o governo cria uma política agrícola para fomentar a bovinocultura leiteira junto à agricultura familiar e, ao mesmo, limita a quantidade de 27 litros/dia. O produtor que progredir e passar deste limite é alijado do programa", reclamou Rodrigues.

Fonte: Hoje em Dia/MG (por Girleno Alencar), adaptado por Equipe MilkPoint

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

FÁBIO MACHADO TELES

OUTRO - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/11/2005

A realidade é que mais de 80% dos produtores com até 27 litros/dia tem produção sazonal, normalmente é aquele pequeno produtor que produz entre os meses de novembro a abril/maio e entre os meses de abril a outubro não ordenha suas vacas por que elas simplesmente secaram.



Normalmente, são vacas zebuínas que tem como fonte de alimento o parco pasto e/ou as soltas do cerrado. As pequenas áreas de cana que estes produtores dispõem em suas propriedades são direcionadas prioritariamente para a produção de rapadura para consumo próprio ou a produção de aguardente em regime de parceria com que tem alambiques. Infelizmente a lei jurídica que determina as faixas de produção para PRONAFIANOS desconhece a lei biológica da curva de lactação de bovinos que nos mostra que dois terços da produção de leite acontece no primeiro terço da lactação e que vacas zebuínas comuns tem período de lactação de cerca de 4 a 6 meses. Soma-se a isso o fato de que a oferta de alimentos para as vacas em lactação guarda relação estreita com a safra de gramíneas e com a reserva estratégica de volumosos para entressafra.

MilkPoint AgriPoint