ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

LBR ajusta operação e irá investir

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 14/06/2011

2 MIN DE LEITURA

1
0
Quase seis meses após sua criação, a LBR (Lácteos Brasil), resultado da união entre a gaúcha Bom Gosto e a Leitbom, está em plena integração, mapeando sinergias, identificando caminhos para ser mais competitiva e já prepara investimentos para a modernização de fábricas e equipamentos.

O processo de integração deve durar ainda todo este ano e tem sido uma tarefa complexa: antes de começar a integrar as companhias foi preciso trabalhar na integração das sete aquisições que o laticínio gaúcho havia feito nos últimos três anos, além da fusão com a Líder. "Estamos mapeando sinergias e estabelecendo os processos da nova companhia", afirma Fernando Falco, diretor-presidente da Lácteos Brasil.

Nesse processo de integração, a LBR decidiu fechar temporariamente, segundo Falco, quatro das suas 30 unidades no país: Uruaçu e Fazenda Nova, ambas em Goiás, e Minduri e Aiuruoca, as duas em Minas Gerais. Em Uruaçu, a empresa produzia leite condensado e leite em pó. Agora, a produção ficará concentrada em São Luiz dos Belos Montes (GO) e em Tapejara (RS), de acordo com Falco. Fazenda Nova tinha produção de queijo parmesão ralado. As duas outras fabricavam queijo, e agora essa produção será concentrada em Pouso Alto e Curral Novo, as duas no Estado de Minas.

Segundo a empresa, as quatro unidades representam apenas 2,09% de seu volume total de produção. "Depois de uma análise econômica, concluímos que era mais interessante concentrar para ter competitividade e escala", diz o executivo. O plano é reabrir essas unidades, afirma Falco, dependendo do comportamento da demanda. "Podemos reabrir com outro tipo de operação", observa.

Além de buscar ganhos de escala e melhora no mix de produtos, a LBR busca mais eficiência logística. Isso será possível, por exemplo, com a produção de diferentes marcas de leite longa vida na mesma fábrica.

A estratégia para as marcas da Lácteos Brasil também está sendo redesenhada. A empresa admite que algumas marcas menores poderão desaparecer de seu portfólio num horizonte de cinco anos dependendo de seu desempenho. O fato é que a LBR ficou com um número muito grande de marcas - 15 no total -, que pertenciam à Leitbom e à Bom Gosto.

A empresa elegeu duas como marcas nacionais: Parmalat, para leite e seus derivados, e Poços de Caldas, para queijos, requeijão e refrigerados. De acordo com Falco, a estratégia para as marcas prevê ainda que algumas delas ficarão mais regionalizadas e restritas a determinados produtos.

O processo de integração da empresa ainda está em curso, mas já há planos para o crescimento orgânico, por isso a LBR planeja investir R$ 129 milhões nos próximos 18 meses num programa de modernização de fábricas, com a instalação de máquinas de envase de lácteos mais eficientes. Do valor total, R$ 100 milhões são contrapartida dos fornecedores das máquinas de envase, que serão pagos por meio de contratos de leasing.

Nos primeiros cinco meses de operação, a Lácteos Brasil faturou, em média, R$ 220 milhões mensais, abaixo dos R$ 250 milhões previstos quando a fusão foi anunciada e se estimou receita total de R$ 3 bilhões anuais. "O faturamento foi um pouco menor porque operamos abaixo da capacidade. A partir deste mês, começa a aumentar [o processamento]", afirma Fernando Falco. A capacidade de processamento diário da companhia é de 8 milhões de litros de leite.

A matéria é de Alda do Amaral Rocha, publicada no jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EDVALSON DE SOUSA MARTINS

GOIÂNIA - GOIÁS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 17/06/2011

Esta faltando interatividade entre o produtor e os elos da cadeia produtiva: captação, setor de genetica, nutrição, insumos e de sanidade animal. Só querem tirar proveito da atividade, como se fosse o produtor o grande vilão da história.T eremos que ser parceiros, um ajudando o outro, dando orientações técnicas em cada área da cadeia produtiva, podendo a partir dai, fortalecer a auto estima, criando motivação, para que toda cadeia tenha sucesso na atividade. Aunião faz a força.


Edvalson
MilkPoint AgriPoint