FAZER LOGIN COM O FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Izabela Cardoso: "com a melhoria no bem-estar animal, reduzimos nosso custo alimentar"

Sócio do Laticínios Coronata, Elísio Alves Cardoso trabalha com leite há 30 anos, mas foi apenas em 2005 que ele deu início à sua história de produção leiteira. Com a compra de 17 novilhas prenhas, da raça Holandesa, e um o sonho de produzir 1.000 litros diários, surgiu a Agropecuária Riacho, situada em Coromandel/MG. Ao longo dos anos, com o aumento do rebanho e da produção, os desafios foram aparecendo.

Em épocas de chuva, as condições ambientais pioravam muito e como os animais ficavam alojados em piquetes, junto ao excesso de barro apareciam os já conhecidos transtornos: mastites, problemas de casco, baixa fertilidade das vacas, queda de produção, entre outros. Já com a produção na casa dos 7 mil litros, Elísio se viu entre duas questões: investir em bem-estar animal (BEA) ou parar de produzir leite.

Foi em agosto de 2014 que, com muita alegria, eles celebraram o início da atividade em barracões de compost barn. Foram construídos quatro para o alojamento das vacas em lactação e concomitantemente, investiu-se em uma nova sala de ordenha e pré-espera. Hoje, além dos animais em lactação, todas as vacas secas, pré-parto e parte da recria também se encontram alojadas em barracões de compost.

A Agropecuária Riacho possui 350 ha, um rebanho de 950 animais e um time de 27 pessoas que é gerenciado pelo ‘Maninho’, que está na fazenda há 10 anos. A direção da fazenda é responsabilidade da filha de Elísio, Izabela Côrtes Cardoso, que se formou em engenharia química, mas em 2014 se apaixonou pela produção de leite e decidiu ajudar seu pai nesta jornada.

“O entusiasmo pela atividade leiteira e aquele sonho de produzir 1.000 litros de leite diários hoje já é 30 vezes maior. O propósito da Agropecuária Riacho é de seguir firme na atividade, produzindo leite de qualidade por meio de um negócio forte, conduzido por pessoas felizes e eficazes”, disse Izabela, que será uma das palestrantes do Interleite Brasil 2019 e falará sobre “Conforto e bem-estar: gestão, desafios e resultados da Agropecuária Riacho”.

Hoje o rebanho é composto por 900 animais, sendo que destes, são 400 vacas em lactação com produção de 13 mil litros/dia.


Agropecuária Riacho 

Manejo do BEA

Segundo Izabela, há um grande cuidado com este quesito na fazenda e diariamente, as camas do compost são reviradas 3 vezes por dia; a temperatura e umidade máxima e mínima do dia são mensuradas e os sistemas de resfriamento e ventilação são avaliados com o intuito de saber se estão funcionando adequadamente.

“Também sempre avaliamos a temperatura retal no ato da inseminação, o tempo de ordenha e a produção dos animais. Analisamos o fornecimento das dietas e o consumo (pesando as sobras e lançando e comparando estes resultados com nossas referências dos dias anteriores). Mudanças bruscas do consumo nos ajudam a identificar alterações e ações no manejo e BEA”, explicou ela.

Além disso, todas as semanas é realizada a limpeza dos animais (escore de sujidade de vacas) lote a lote de vacas em produção; analisada a qualidade e temperatura da cama e reuniões são feitas para a avaliação dos indicadores e anomalias.

Já mensalmente, os itens averiguados são:

- Escore de locomoção;
- Escore de condição corporal;
- Produção média do mês;
- Qualidade do leite (CCS e CBT);
- Taxas de mortalidade;
- Taxas reprodutivas.

“Esporadicamente avaliamos as vacas com datalogger intravaginal. Também, estudamos de vez em quando o tempo em que elas ficam deitadas, se alimentando, em ócio e na ordenha. Nessa pesquisa, conseguimos saber como elas se comportam nas 24 horas do dia”.

Treinamento da mão de obra na Agropecuária Riacho

A Riacho sempre contou com a ajuda dos seus consultores e das empresas parceiras para explicar ao seu time a importância de garantirem sempre o BEA. Os treinamentos são feitos por meio de bate-papo e acompanhamento das atividades.

“Gostamos e somos adeptos de uma abordagem mais informal, quando todos da equipe trocam informações por meio de uma conversa. Sempre que possível, nossos colaboradores participam de eventos e palestras e cada dia mais os envolvemos nas ações e medições do dia a dia para que eles mesmos vejam os frutos dos seus trabalhos. Nosso gerente faz uma breve reunião semanal com todos os setores, onde é discutido resultados, dificuldades e tarefas. E na verdade, tanto nosso técnico (Robson) quanto nosso gerente (Maninho) estão conosco há mais de 10 anos. Eles vivenciaram a época de piquetes e sabem como era difícil nos períodos das águas. Para nós que trabalhamos na Riacho, o BEA não é apenas necessário, mas sim, obrigatório”, acrescentou.

Todas as ações citadas por Izabela e que compõe a rotina da agropecuária são importantes para que eles tenham a noção de como estão minimizando o estresse nos animais. Como um dos maiores desafios é em relação ao estresse térmico, a avaliação mais importante fica na comparação entre a produção e a reprodução (comparando inverno e verão), sendo que a produção é corrigida para dias em lactação. Como são apenas cinco anos com os animais fechados, a distribuição de partos ainda não é homogênea.

Qualidade do leite, produtividade e rentabilidade

De acordo com Izabela, o BEA está totalmente relacionado à qualidade, produtividade, rentabilidade e longevidade do rebanho. “O BEA é um dos principais pilares que nos oferece condições de manter as vacas mais produtivas ao longo de todo o ano, com um menor número de vacas doentes, menor mortalidade, menos vacas com mastite, melhor reprodução e menos descartes. Uma imensa vantagem foi a redução dos gastos com alimentação, pois com a melhoria do bem-estar, tivemos uma grande diferença de custo alimentar. Saímos de um sistema confinado em piquetes onde tínhamos excelentes números no inverno, mas, quando chegava o verão, a fazenda não era sustentável. Nesta última estação, a reprodução tinha apenas 12% da eficiência do inverno e a produção individual (litros de leite/vaca/dia) também reduzia 42% (15,1 litros de leite no verão e 29 no inverno). Conseguem imaginar como esses resultados nos deixavam em condições complicadas?”, indagou ela.

Próximos desafios...

Um dos próximos desafios que Izabela citou é a gestão das pessoas. “Estamos trabalhando para construir cada vez mais um time forte, eficaz, com conhecimento técnico e emocional. Esperamos produzir nos próximos cinco anos o dobro de leite que estamos produzindo hoje. Não é um crescimento tão rápido, mas queremos fazê-lo de forma sólida. E principalmente, celebrando cada conquista”.

E finalizando, ela ainda deu uma dica para quem está começando a trabalhar com o BEA na fazenda ou para os produtores que têm interesse no tema.

“Faça planos, projetos, contas... rabisque e rasgue papel antes de jogar concreto no chão. Tenha um propósito em mente e simplesmente comece: inicie pequeno, com um passo de cada vez”.  

Há 25 anos crescendo junto com o setor leiteiro, o Interleite Brasil é o evento que reúne toda a cadeia produtiva para falar de mercado, gestão, inovação e futuro.  Neste ano, novamente em Uberlândia/MG, nosso compromisso é fazer um evento imperdível, daqueles que você não se arrepende jamais de ter participado!  Neste ano, o Interleite Brasil contará com várias inovações. Uma delas é um painel de debate junto aos laticínios focado no relacionamento com o produtor e a coordenação da cadeia láctea. Algo totalmente novo e que também pretende movimentar o público e agregar no setor são os casos de sucesso oriundos de outros países. Resumindo? Você não pode perder! Confira a programação completa e faça a sua inscrição com 25% de desconto até o dia 15/06! 

REALIZAÇÃO

PATROCINADOR MASTER

PATROCINADOR OURO

PATROCINADOR PRATA

PATROCINADOR BRONZE

APOIO

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

HENRIQUE MACHADO E SILVA

COROMANDEL - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 10/06/2019

Parabéns Elísio, Isabela e colaboradores da fazenda Riacho. O trabalho de vocês é um exemplo a ser seguido por nós da cadeia do leite. Grande abraço e que Deus abençoe o avanço de cada de dia de vocês.

Abraços da equipe da Agropecuária Carola e Machado.
LUCAS CANTARELLI GUIMARÃES

ITUIUTABA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 08/06/2019

Parabéns pelo empenho ??
Sucesso na jornada
DANIEL RIBEIRO CAETANO

POUSO ALEGRE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 07/06/2019

Parabéns Izabela, e todos da Riacho, tive a oportunidade de conversar em Piracicaba com vocês, e vi o tanto que estão empenhados nas melhorias. Um grande abraço em Izabela, Maninho e Robson.