ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Itambé irá investir R$ 250 milhões em duas novas fábricas

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 21/12/2004

3 MIN DE LEITURA

0
0
O suspense envolvendo o local dos novos investimentos da Cooperativa Central dos Produtores Rurais (CCPR/Itambé) acabou. A disputa era travada entre os governos dos estados de Minas Gerais, onde estão localizadas quatro das cinco plantas industriais da cooperativa, e Goiás. Ontem (20/12), o presidente da companhia, José Pereira Campos Filho, informou que serão construídas duas novas unidades: uma em Uberlândia, no Triângulo Mineiro e outra em Goiânia (GO).

Segundo ele, ainda que os incentivos fiscais oferecidos pelo governo goiano tenham sido mais vantajosos, a cooperativa confia que o estado de Minas também vá oferecer vantagens. "Estamos confiantes na palavra do governador e de que o Estado irá aprovar incentivos para esta planta", afirmou.

Em Goiânia, a Itambé já possui uma fábrica de leite em pó, com capacidade para o processamento de 500 mil litros/dia. Será instalada uma nova linha, com capacidade para produção de 450 mil litros/dia de leite condensado, o que demandará aporte de R$ 70 milhões. Em Uberlândia, será implantada uma nova unidade, que exigirá R$ 180 milhões em investimentos para a fabricação de um milhão de litros/dia do produto em pó.

De acordo com o presidente da Itambé, do total de recursos necessários para a conclusão das duas plantas, o equivalente a R$ 180 milhões será financiado pelo BNDES, pelo Banco do Brasil, por meio do Prodecoop e Bancos Privados. As duas novas unidades deverão entrar em operação em 2005.

A Itambé possui atualmente capacidade para processamento de 2,850 milhões de litros/dia. Este ano foram aplicados R$ 102 milhões para a ampliação da unidade de Sete Lagoas (MG), a maior planta da Central, que terá uma nova linha de produção para o processamento de 450 mil litros/dia em leite condensado e também em Pará de Minas, para a fabricação de 300 mil litros/dia de longa vida. O aumento da captação de leite da Central será de 52,6% para 4,350 milhões de litros/dia. Para tanto, serão agregadas quatro novas cooperativas as 28 que são filiadas atualmente.

Metas

A Itambé conseguiu atingir todas as metas estipuladas para este ano. O faturamento da central cresceu 12% passando para R$ 1,12 bilhão, sobre R$ 1 bilhão registrados no ano passado. O lucro líquido triplicou passando de R$ 20,7 milhões em 2003 para R$ 65 milhões este ano. Em função dos resultados, seis mil cooperados receberão pelo segundo ano consecutivo uma participação sobre os lucros, proporcional à fidelidade e ao volume de leite entregue. Deverão ser distribuídos cerca de R$ 35 milhões, sendo que 70% foram pagos ontem e o restante será quitado em março do próximo ano, após a assembléia dos cooperados.

O volume de leite industrializado em 2004 subiu 3,1% de 734 milhões para 757 milhões de litros. Para o próximo ano, segundo o presidente da CCPR/Itambé, a expectativa é de um crescimento de 34,2% no faturamento, que deverá chegar a R$ 1,5 bilhão. O volume de leite industrializado deverá aumentar 28,1% para 970 milhões de litros e o lucro líquido deverá ser ampliado em 32,3% para R$ 86 milhões.

Com estes resultados, a empresa abandonou de vez a idéia de conseguir um sócio estratégico que pudesse participar da composição acionária, com até 49% de participação. "Conseguimos uma reestruturação interna que nos anima a tocar os negócios com vida própria e sem parceria", disse Campos Filho.

Ele revelou que após a crise da Parmalat, a cooperativa tentou adquirir duas unidades da multinacional italiana localizadas em Santa Helena de Goiás (GO) e também a de Itaperuna (RJ), mas as negociações não avançaram.

Os resultados positivos da Itambé foram impulsionados pela ampliação do volume de exportações este ano, segundo destacou o presidente da empresa, José Pereira Campos Filho. Em 2004 as vendas externas significaram 8% de todo o faturamento da empresa e atingiram US$ 25 milhões. O resultado foi alcançado, de acordo com Campos Filho, pela atuação da Serlac Trading, na qual a central possui 40% de participação acionária e que intensificou a busca por novos mercados, principalmente no continente africano, Ásia e Oriente Médio.

Os produtos mais vendidos foram leite em pó, o condensado e evaporado, cujo volume chegou a 14,3 mil toneladas. O impulso ocorreu no ano passado, quando a empresa venceu duas concorrências das Organizações das Nações Unidas (ONU) para a venda de leite em pó para o Iraque e a Palestina.

A partir de 2005, quando entrarem em operação as duas novas fábricas, de Uberlândia (MG) e Goiânia (GO), os resultados deverão ser ainda melhores, atingindo um volume de 50,7 mil toneladas ou US$ 57 milhões. "Já temos pedidos de mais 11 países e em janeiro deveremos acompanhar uma missão do governo brasileiro ao México, para buscar o protocolo sanitário que irá autorizar as vendas para aquele país", revelou.

Fonte: Estadão/Agronegócios (por Raquel Massote), adaptado por Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint