ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Indústrias ampliam produção de chocolate

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 04/03/2002

2 MIN DE LEITURA

0
0
As indústrias brasileiras de chocolate esperam um crescimento de 3% nas vendas, em relação à Páscoa do ano passado, que, segundo analistas de mercado, foi a melhor do Plano Real.

Para a indústria nacional, uma boa Páscoa chega a representar 13% do total do faturamento anual do mercado. Para 2002, a estimativa é que as vendas atinjam cerca de R$ 360 milhões.

O entusiasmo do setor se reflete no aumento da produção de ovos de chocolate. Neste ano, a indústria de chocolates deve alcançar o patamar de 18,6 mil t, superando as 18 mil t de 2001, segundo o vice-presidente do Sindicato da Indústria de Produtos de Cacau, Chocolates, Balas e Derivados de São Paulo (Sicab), Getúlio Ursulino Netto. A expectativa de expansão do consumo está concentrada, principalmente, nas vendas de ovos de menor peso. Essa tendência é reflexo do comportamento do consumidor brasileiro, que distribui "lembrancinhas" para parentes e amigos.

O fenômeno de presentear um maior número de pessoas com produtos mais baratos, típico do Natal, aquece o comércio na Páscoa. Em 2001, 30% das vendas no varejo foram destinadas aos ovos com até 200g. Para atender a essa demanda crescente, as Lojas Americanas, líder do mercado varejista de chocolate, vai dedicar 30% do estoque de 30 milhões de ovos para os produto e espera, com isso, ter um volume de vendas 10% maior que em 2001. Essa estratégia também é seguida pelo grupo Pão de Açúcar, que pretende comercializar 2 milhões de unidades de ovos de 80g.

De olho nessa fatia do mercado, desde 2000, as indústrias vêm aumentando a produção dos ovos de baixa gramatura. "O nosso setor consegue se adaptar rapidamente ao que o consumidor pede", afirma Ursulino. A estabilidade do preço dos ovos de Páscoa em relação a 2001 também é apontada como mais um fator de aumento das vendas.

Exportação

Apesar de o mercado interno ser o alvo principal da indústria brasileira, dados do Sicab indicam que o mercado externo também oferece boas oportunidades de negócio. No ano passado, as exportações representaram 11% da produção nacional e há expectativas que essa participação cresça nesta Páscoa.

A Nestlé, atualmente a maior produtora de chocolates do país, resolveu ampliar a sua atuação no mercado internacional e aumentou em 25% o seu volume de exportação.

Já a Garoto, comprada pela Nestlé, mantém a mesma produção de 2001 e vai destinar cinco, das 44 milhões de unidades, para países do Mercosul, Austrália, EUA e Japão. Com a crise na Argentina, a empresa resolveu dar ênfase aos mercados chileno e paraguaio.

Fonte: Folha de S.Paulo (por Cíntia Cardoso), adaptado por Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint