ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Indústria não faz teste para detectar nível de ureia no leite, diz especialista

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 14/05/2013

3 MIN DE LEITURA

8
0
Encontrada no leite adulterado no Rio Grande do Sul, a ureia não é uma substância facilmente identificada nos exames de controle de qualidade usados pela indústria de laticínios. Quem afirma é química Júlia Tischer, do laboratório da Univates, em Lajeado, onde foram feitas as análises que detectaram a fraude revelada pelo Ministério Público (MP) na última quarta-feira (8).

“A análise de ureia não é feita rotineiramente na indústria”, garante a responsável técnica pelo Laboratório do Leite da universidade, órgão credenciado pelo Ministério da Agricultura e pela Secretaria Estadual da Agricultura, Pecuária e Agronegócio (Seapa) para análises.

De acordo com as investigações do MP, a adulteração ocorria entre a compra do leite cru na propriedade rural e o transporte para os postos de resfriamento. No meio do caminho, o produto era levado para galpões, onde era misturado a água e ureia – produto que contém em sua composição formol, considerado cancerígeno – para aumentar o volume.

Conforme Júlia, a ureia está presente normalmente na composição do leite. O tipo de exame que detecta a concentração dessa substância no produto é, na maioria das vezes, feito para determinar a dieta de cada animal, com a finalidade de melhorar a qualidade do leite produzido pelo rebanho.

“A gente faz esse exame nutricional do leite de cada animal para definir a dieta da alimentação do gado leiteiro. Não é um método simples, de bancada, que utilize materiais de laboratório. É necessária a aquisição de equipamentos específicos para codificar esse elemento (ureia). Por isso é muito difícil ser encontrado na indústria”, reforça Júlia.

A pedido do Ministério Público, o laboratório da Univates ficou encarregado de analisar a suspeita de adulteração no leite cru praticada por um grupo de transportadores autônomos. As amostras passaram por uma série de análises físico-químicas, que comprovaram a adição.

“A ureia está presente em no leite em teores normais de 10 até 16 miligramas por decilitro. E quando há teores muito acima isso é caraterístico de fraude. Nos ensaios identificou-se a presença de altos níveis de ureia e formol”, conta ela.

Segundo uma cooperativa de Santa Rosa, no Noroeste do estado, o leite cru passa por pelo menos dois tipos de testes antes de chegar ao local. O primeiro é feito pelo transportador, ainda na propriedade rural. O segundo é realizado quando o caminhão que transporta o leite chega na cooperativa. Se algo passar por essa fase, ainda pode ser constatado pela indústria, no recebimento do produto.

A veterinária do Laboratório de Inspeção do Leite da Universidade do Rio Grande do Sul (UFRGS), Andreia Troller, diz que é importante realizar todos os tipos de testes disponíveis. Mas ela alerta que isso não significa que a presença de aditivos como a ureia seja percebida.

“Essa fraude por ureia é um pouco mais difícil de ser detectada, independentemente da quantidade que for adicionada. Não existe um teste rápido para identificar a presença da ureia”, afirma ela. “Eu acho que é um dos grandes entraves que a gente tem. A falta de testes rápidos que detectem quantidades baixas, infinitamente pequenas de adição de substâncias, e a questão toda relacionada ao tempo que é necessário para fazer essas análises”, acrescenta.

De acordo com o chefe da Divisão de Inspeção de Leite e Derivados do Ministério da Agricultura, Clovis Serafini, o órgão pode adotar novos parâmetros em relação a quantidade de ureia encontrada nas amostras de leite para tentar detectar possíveis adulterações.

“A ureia é uma substância intrínseca do leite, fisiologicamente você encontra um teor de ureia no leite, inclusive esse teor pode variar muito. O ministério, junto com a academia, vai estudar um parâmetro para se chegar e a gente ter, a partir de tal limite, um indício de fraude”, diz Clovis.

No total, sete marcas de leite tiveram lotes recolhidos do mercado (veja a lista abaixo). Até o momento, nove pessoas foram presas, uma empresa de laticínios foi interditada e três postos de refrigeração foram fechados no Rio Grande do Sul. Duas pessoas foram liberadas após depoimento. O MP estima que 100 milhões de litros de leite tenham sido adulterados nos últimos 12 meses no estado.

A reportagem é do G1, adaptada pela Equipe MilkPoint.
 

8

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CESAR LUIS

EM 05/08/2018

Bom dia:
Estou com problema com um leite , já fiz o teste de formol, amido, açúcar,sal , , cloro, água oxigenada , não constou nada.
o leite esta com odor e paladar diferente, quando o coletor testa o alizarol o leite esta com uma coloração parecida com cafe com leite , quando chega na industria repito o teste , ai o alizarol já corta e a coloração já fica com de sangue , e mesmo assim a acidez se mantem em 17°D , alguém pode me ajudar a descobrir o que pode estar acontecendo ?
PAULO SERGIO RUFFATO PEREIRA

RIO BONITO - RIO DE JANEIRO

EM 22/05/2013

As análises de ureia citadas acima, e inclusive realizadas pelos laboratorios da RBQL(Rebede Brasileira da Qualidade do Leite), não são de "rotina nas empresas" e nem nas exigidas pela IN 62/2012(antiga IN 51/MAPA), como uma das pesquisas de reconstituintes de densidade entre outras.

Devendo o MAPA, como bem disse acima, o Chefe da DILEI/DIPOA FFA Clovis Serafine,  adotar novos parametros técnicos e consequetemente incluir a pesquisa de Ureia, na obrigatoriedade de analises de amostras de leite, para prevenção e detecção de possíveis fraudes.
DENIZE DA ROSA FRAGA

IJUÍ - RIO GRANDE DO SUL - PESQUISA/ENSINO

EM 15/05/2013

Aqueles que já trabalham com as análises de nitrogênio uréico do leite citadas aqui sabem o quanto estas análises ajudam no balanceamento da dieta dos animais, principalmente quando a fazenda coleta amostras individuais dos animais.  Sabe-se também que manter os níveis de modo que não afetem a produção e a reprodução destes animais é difícil visto que, os mesmos sofrem interferência direta da dieta ofertada. No período de pastagens de inverno os níveis muitas vezes são extrapolados (principalmente na região sul), a pesquisa nesta área é fundamental neste momento para definirmos o que seriam os limites aceitáveis.
JORGE GRUHN SCHULZ

PASSO FUNDO - RIO GRANDE DO SUL - PESQUISA/ENSINO

EM 15/05/2013

O Laboratório Sarle da Universidade de Passo Fundo faz parte da RBQL e, faz nitrogênico uréico para muitas empresas, além da composição química e CCS no leite cru.
RAONI BENI CRISTOVAM

DRACENA - SÃO PAULO - ZOOTECNISTA

EM 15/05/2013

Concordo plenamente com o Prof. Paulo. Essa cultura nacional de procurar ser sempre o experto e tirar vantagem de outras pessoas só existe devido a uma falta de punição severa e exemplar.

Isso porque como todos sabem, esse é um fato que venderá notícia e notoriedade aos canais noticiários, vai se formar processos enormes com pilhas e mais pilhas de papéis, pra no final das contas, como a legislação é branda pra expertos, por mais mal que façam a saúde públicas, devido aos nossos legisladores serem dessa corja também (expertos), não acontecerá absolutamente ou quase nada.
FRANCIELI ZAMADEI

CONDOR - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 15/05/2013

Em fevereiro deste ano o Srº Wagner Beskow publicou dois artigos, os quais tiveram uma ótima repercusão. Muito discutido por sua vez! Mas e agora??? Porque não estão se manifestando???

Empresas de SC estão fazendo um marketing em cima de seus produtos por causa do que aconteceu no RS, generalizando o leite do nosso Estado. Gostaria de lembra-los que o mesmo controle que SC faz no leite, é o mesmo que muitas indústria fezem, e como diz o texto acima, é muito dificil de dectectar URÉIA no leite, e os testes de formol que as empresas fazem não tem tamanha sensibilidade que de um laborátorio especiaizado.
LAERTE DAGHER CASSOLI

PIRACICABA - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 14/05/2013

A análise de nitrogenio ureico no leite (ureia) é uma análise disponivel às industrias através da RBQL (Rede Brasileira de Controle de Qualidade do Leite). A análise é feita na mesma amostra já coletada para análise de composição e CCS. No caso da Clinica do Leite - ESALQ/USP a análise já é feita desde 2003 e atualmente varias empresas enviam amostras de produtores e caminhoes/rotas para monitoramento da qualidade o que garante maior segurança.
PAULO R. F. MÜHLBACH

PORTO ALEGRE - RIO GRANDE DO SUL - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 14/05/2013

Face a nossa realidade, é imperioso a indústria municiar-se de toda a tecnologia necessária para a detecção de todo o tipo possível de fraude, pois, parece ser da "cultura" nacional, "passar a perna", "levar vantagem", "dar um jeitinho", etc.

Mas, há essa pergunta que não quer calar: uma PUNIÇÃO VERDADEIRAMENTE EXEMPLAR aos criminosos desse último episódio, ao rigor máximo da lei, não poderia levar aos demais potenciais fraudadores a pensar umas cem vezes antes de cometer tais desatinos?
MilkPoint AgriPoint