ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Indústria de lácteos dos EUA ganha pouco com TPP

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 09/10/2015

3 MIN DE LEITURA

0
0
De acordo com as informações iniciais, parece que o setor de lácteos dos Estados Unidos não fez grandes progressos para conseguir aumentar as vendas de produtos lácteos na Parceria Trans-Pacífico (TPP), cujas negociações foram concluídas nessa semana em Atlanta. Para os Estados Unidos, a melhora no comércio de lácteos com Brunei, Malásia, Vietnã e Japão pode ser o único ganho se todas as 12 nações eventualmente ratificarem a TPP.

Os produtores de leite canadenses podem respirar aliviados, já que o sistema de cota deles permaneceu praticamente intacto. Há um capítulo na TPP que somente abre uma pequena fração do mercado canadense ao leite e queijos estrangeiros. Dentre as 12 nações envolvidas nas negociações, os Estados Unidos já tinham oportunidades de exportações de lácteos sem tarifas com um terço dos parceiros comerciais: México (NAFTA), Chile, Cingapura e Austrália – os três por acordos comerciais pré-existentes.

De acordo com o site do Serviço de Agricultura Externa (FAS) do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), a TPP, se aprovada por todos os 12 países, resultaria em exportações livre de tarifas para vários países mas alguns deles não pagariam realisticamente dividendos. O topo da lista seria da Nova Zelândia, maior exportador mundial de lácteos. O acordo eliminaria todas as tarifas sob a TPP ratificada. Outro país que caiu nesse campo é Brunei, que também eliminará as tarifas de lácteos se o acordo for assinado. Depois disso, aqui está o que a TPP poderia significar para a metade restante dos países envolvidos:

Peru – as tarifas de produtos lácteos dos Estados Unidos seriam eliminadas até 2025 sob um acordo comercial existente.

Malásia – as tarifas, de 5%, seriam eliminadas para quase todos os produtos lácteos. As tarifas sobre o leite fluido seriam eliminadas em 15 anos pela cota.

Vietnã – as tarifas, atualmente em 30%, seriam eliminadas dentro de cinco anos. (O Vietnã está atualmente entre os 12 maiores parceiros comerciais dos Estados Unidos).

Então, houve empurrões entre Japão, Canadá e Estados Unidos. Isso porque Canadá e Japão têm setores de lácteos protegidos, ambos com sistemas de cota. De acordo com o FAS, o Japão removerá gradativamente as tarifas sobre queijos e soro de leite dentro de 16 e 21 anos, respectivamente. As cotas ainda existirão para soro de leite, manteiga, leite em pó, leite evaporado e leite condensado.

Para o Canadá, será aceito que 3,25% da produção anual de lácteos do país seja livre de tarifas e o governo compensará o setor com US$ 3,3 bilhões durante 15 anos. De acordo com a FAS, as tarifas serão eliminadas para soro de leite e haverá maior acesso a cotas livre de tarifas para queijos, leite fluido, manteiga, leites em pó e outros produtos lácteos. Incluído nesse mix, pode ser que o Canadá permita importações de leite fluido. Entretanto, pelo menos 85% desse produto cru precisa ser processado no Canadá. Isso significaria que os Estados Unidos provavelmente será o único país que poderá enviar leite fluido ao Canadá.

Para os Estados Unidos, tarifas para Malásia, Vietnã e Japão serão eliminadas dentro de 20 anos. Para a Austrália, as tarifas seriam eliminadas para leite em pó e leite em pó desnatado da Austrália e da Nova Zelândia dentro de 20 a 30 anos. Haveria acesso à cota com tarifa para outros produtos lácteos para Austrália, Nova Zelândia e Canadá, de acordo com o FAS.

“A TPP fortalece as leis comerciais e fornece um novo acesso as mercados para as exportações agrícolas dos Estados Unidos ao Japão, Malásia, Vietnã, Nova Zelândia e Brunei”, disseram oficiais do FAS, sem notar que não há chance de os produtos americanos serem exportados à Nova Zelândia. “O ponto do comércio é que nem todas as responsabilidades de cada país são as mesmas”, disse o negociador chefe de agricultura do U.S. Trade Representative, Darci Vetter. “Nem todos estão focados nos mesmos produtos. Temos alguns vencedores aqui”.

Clique aqui (https://www.fas.usda.gov/sites/default/files/2015-10/tpp-dairy.pdf) para ver o infográfico (em inglês) do FAS sobre os impactos para os Estados Unidos da TPP no mercado de lácteos.

As informações são da Hoards.com.
 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint