ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Gorduras saturadas: uma perspectiva da lactação e da composição do leite - Parte 2/3

POR JULIANA SANTIN

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 30/11/2010

16 MIN DE LEITURA

0
0
Para ler a primeira parte desse artigo, clique aqui.

Resposta individual à ingestão de gordura na dieta

Ordovas (25) revisou os principais fatores no metabolismo dos lipídios e na obesidade que indicam um efeito recíproco entre genes, sexo, fatores ambientais que modulam a susceptibilidade a doenças. Os estudos de resposta a gorduras da dieta mostraram variações entre indivíduos (26) e diferenças entre homens e mulheres (27) em sua resposta a mudanças de gordura na dieta. Estudos de sensibilidade individual a mudanças nas gorduras saturadas na dieta mostraram grupos de pessoas com hiper-respostas consistentes e grupos com respostas mínimas dentro da população de indivíduos hipercolesterolêmicos (26). As medidas de colesterol no soro em resposta a uma redução nas gorduras saturadas da dieta mostraram que o colesterol total caiu a uma extensão maior em homens do que em mulheres (27). Também existem respostas diferenciais em pessoas que consomem dietas com baixo teor de gordura (28). Uma série de estudos mostrou que uma dieta com baixo teor de gordura (10%), rica em carboidratos enriquecida com açúcares simples aumentaram a síntese de ácidos graxos, especialmente palmitato, e que as diferenças individuais nas maiores concentrações de triglicérides no sangue variaram consideravelmente (29). Essas flutuações observadas tempo após tempo deram ímpeto para a área de Nutrigenômica (determina a influência dos componentes da dieta no genoma humano) e os cientistas estão agora buscando análises mais detalhadas de indivíduos, suas respostas à dieta e as bases de mecanismos para variações na dieta e nos riscos para a saúde (30).

As controvérsias continuam altas sobre o papel que a gordura da dieta e o colesterol têm nos riscos de doenças cardíacas e a abundância de fatores que podem confundir demonstram que a gordura saturada não é uma variável de entrada decisiva para qualquer população estudada até agora. As gorduras saturadas não são as únicas variáveis associadas com doenças cardíacas - as causas são multifatoriais. Os resultados de estudos da etiologia das doenças cardíacas são, inclusive, muitas vezes contraditórios. Está na hora de ter uma abordagem mais ampla para ações múltiplas e funções de cada uma das diferentes gorduras saturadas e uma visão mais individual da avaliação da dieta e dos riscos.

Atividades biológicas e ácidos graxos saturados

A grande ênfase do papel das gorduras saturadas na dieta e os riscos de doenças cardiovasculares têm distraído os pesquisadores de estudar outros efeitos que os ácidos graxos individuais podem ter no corpo. Essa omissão é talvez importante considerando a abundância nos leites de mamíferos de uma ampla variedade de ácidos graxos saturados com diferentes comprimentos de cadeia. No contexto da evolução e a óbvia pressão de seleção natural no desenvolvimento do leite e todos os seus constituintes, como os ácidos graxos saturados afetam o crescimento, o desenvolvimento e a sobrevivência da prole dos mamíferos?

Os ácidos graxos estão presentes em todos os tecidos corporais, onde formam uma parte importante do componente de fosfolipídeo da membrana celular. Eles contribuem para a diversidade estrutural dentro das membranas, o que é agora reconhecido como um importante aspecto das funções da membrana (31). Os ácidos graxos fixam proteínas a regiões particulares das membranas celulares, participam em atividades de sinalização, componentes do transporte celular e fornecem combustível. Os ácidos graxos saturados são considerados como o principal combustível para o coração (32). Na ausência de gordura suficiente da dieta, o corpo sintetiza ácidos graxos, tipicamente a partir dos carboidratos. Uma observação interessante foi feita de que em fígados de ratos adultos, o ácido erúcico (22:1) - um ácido graxo que tem sido associado com doenças do coração e que está presente em óleo de canola - é rapidamente convertido para 18:0, demonstrando a conservação dos carbonos por um encurtamento de cadeia de um ácido graxo monoinsaturado para um ácido graxo insaturado (33). Embora todos os ácidos graxos presentes na dieta possam ser quebrados e ressintetizados em gorduras saturadas, eles têm efeitos discretos. Diferentes estruturas dos ácidos graxos parecem ter diferentes efeitos com uma variedade de processos metabólicos e fisiológicos quando são ingeridos.

Os ácidos graxos de cadeia curta são hidrolisados preferencialmente de triacilgliceróis e absorvidos no intestino em uma circulação portal sem ressíntese de triacilgliceróis. Esses ácidos graxos servem como uma fonte pronta de energia. O ácido butírico (4:0) é o mais curto ácido graxo saturado e está presente na gordura do leite de ruminantes em cerca de 2-5% do peso (34), o que, em base molar, significa cerca de um terço da quantidade de ácido palmítico (16:0). O leite humano tem uma porcentagem menor de ácido butírico. Nenhuma outra gordura de alimentos comuns contém esse ácido graxo diretamente; entretanto, o consumo de uma ampla variedade de carboidratos fermentáveis pode levar à s��ntese de ácido butírico pela microflora endógena no intestino delgado. O butirato é um modulador bem conhecido da regulação genética e sua capacidade de promover a diferenciação levou vários pesquisadores a tentar entender seu mecanismo como uma forma de alterar os riscos e o desenvolvimento de câncer (35,36). Esse ácido graxo também reduz os processos de inflamação no intestino, agindo através de ácidos graxos de cadeia curta se ligando a receptores (37).

No leite bovino e humano, o ácido capróico (6:0) está presente em cerca de 1% e 0,1%, respectivamente, e o ácido caprílico (8:0) e ácido cáprico (10:0) estão presentes a 0,3% e 1,2%, respectivamente, da gordura do leite. O leite de cabra contém a maior porcentagem de ácido caprílico, de 2,7% da gordura do leite. Estudos feitos até agora documentaram que esses ácidos graxos têm atividades biológicas similares quando testados como agentes antimicrobianos. O ácido caprílico reduz a infecção por salmonela em frangos (38). O ácido caprílico e cáprico têm atividade antiviral. A forma monoglicéride, monocaprina, tem mostrado em estudos com animais in vivo possuir atividade antiviral contra infecção de retrovírus (39).

O ácido láurico está presente no leite humano e bovino nas concentrações de 5,8% e 2,2%, respectivamente, da gordura do leite. Estudos têm mostrado atividades antivirais e antibacterianas do ácido láurico (40,41). A liberação de ácido láurico no estômago pode ter atividades antimicrobianas diretas contra a bactéria Helicobacter pylori, seja como ácido graxo, seja pelos monoacilgliceróis produzidos pelas lipases (enzimas que atuam na digestão dos lipídios) linguais agindo na presença de triacilgliceróis presentes na gordura do leite (42,43). Essas ações antibacterianas do ácido láurico têm sido propostas para fornecer atividades anticáries e antiplacas (44). Os efeitos gerais antimicrobianos dos ácidos graxos saturados de cadeia média e seus derivados monoacilgliceróis em vários microrganismos, incluindo bactérias, fungos e vírus envelopados, foram originalmente citados com atividade através das membranas de lipídios dos organismos (45). O suporte a esse processo de desativação foi demonstrado usando leite humano e bovino (46). A monolaurina liberada pelos lipídios do leite pelas lípases podem ser responsáveis pelas atividades anti-protozoários do leite (47). A atividade biológica do laurato tem sido interessante em outros aspectos não relacionados à dieta. Por exemplo, um experimento mostrou que o monolaurato fornece considerável proteção contra infecção do vírus HIV quando usado topicamente em tecidos reprodutivos de primatas (48).

A gordura do leite bovino contém 8-14% de ácido mirístico e, no leite humano, a média é de 8,6% da gordura do leite. Estudos epidemiológicos humanos mostraram que o ácido mirístico e o ácido láurico foram os ácidos graxos saturados mais fortemente relacionados às concentrações médias do colesterol no soro em humanos (49). Apesar disso, vários estudos mostraram que o ácido mirístico aumenta o colesterol HDL (o bom) pelo menos no mesmo nível do colesterol LDL (o ruim) e mais estudos têm demonstrado que a distribuição única de posição das moléculas do ácido mirístico é responsável por sua tendência de aumentar o colesterol HDL (50).

O ácido palmítico está presente no leite humano e bovino em 22,6% e 26,3%, ainda quase que exclusivamente esterificado na posição sn-2 do triglicéride. Essa distribuição específica não usual parece ter importantes implicações nutricionais e biológicas. Bebês humanos consumindo uma fórmula contendo triacilglicérides similar à do leite humano (16% de ácido palmítico esterificado predominantemente na posição sn-2) tiveram melhor absorção intestinal não somente do ácido palmítico, mas também, do cálcio (51,52). Recentemente, o grupo de Speigelman mostrou que o ácido palmítico estimulou a expressão e as atividades da transcrição do co-ativador PGC-1b e, com isso, promoveu a regulação da biossíntese das lipoproteínas do fígado (6). Essas descobertas dão um entendimento sobre os mecanismos das ações celulares de ácidos graxos saturados, particularmente do ácido palmítico. No contexto do leite, esse mecanismo implica que o ácido palmítico pode ter um papel importante na promoção do metabolismo de lipoproteínas em bebês. Essa mesma transcrição do co-ativador PGC-1b também mostrou promover o desenvolvimento do miocárdio (músculo do coração) (53). Finalmente, o PGC-1b mostrou aumentar a biogênese da mitocôndria em neurônios (54), implicando que esse mecanismo pode estar envolvido em diversos aspectos da regulação metabólica e seu apropriado desenvolvimento de ácidos graxos saturados em corpos de bebês.

O ácido esteárico é um ácido graxo abundante no leite, presente no leite humano e bovino em 7,7% e 13,2% da gordura, respectivamente. O ácido esteárico é sintetizado do palmitato via enzima elongase, seja na glândula mamária pela mesma enzima, que é ativada no fígado, atividade codificada pelo gene ELOV5 (55,56) ou pelo ELOV1, cuja expressão é induzida na glândula mamária durante a lactação (57,58). Esses dois genes são regulados pela dieta, de forma que a produção líquida de ácido esteárico é, sob vários aspectos, um controle metabólico. No entanto, poucas pesquisas têm buscado ações específicas do ácido esteárico quando consumido no leite por bebês, apesar de sua abundância e regulação óbvia dentro da glândula mamária durante a síntese de gordura. Em adultos, o ácido esteárico não parece aumentar o colesterol do soro sanguíneo, sendo, dessa forma, considerado neutro para doenças do coração. Esse ácido graxo pode exercer outros efeitos também consistentes com a proteção de doenças cardíacas via mecanismos separados. Homens saudáveis que consumiram ácido esteárico dietético (19 gramas por dia) por quatro semanas exibiram efeitos benéficos nos fatores de risco de trombose e de aterosclerose quando comparado com os efeitos do ácido palmítico dietético (59).

Referências bibliográficas
1. Watkins SM, Reifsnyder PR, Pan HJ, German JB, Leiter EH (2002) Lipid metabolome-wide effects of the PPARgamma agonist rosiglitazone. J Lipid Res 43:1809-1817
2. Stubbs CD, Smith AD (1984) The modification of mammalian membrane polyunsaturated fatty acid composition in relation to membrane fluidity and function. Biochim Biophys Acta 779:89-137
3. Iritani N, Fukuda E (1980) Effect of corn oil feeding on triglyceride synthesis in the rat. J Nutr 110:1138-1143
4. Kramer JK, Farnworth ER, Thompson BK, Corner AH, Trenholm HL (1982) Reduction of myocardial necrosis in male albino rats by manipulation of dietary fatty acid levels. Lipids 17:372-382
5. Elwood PC, Pickering JE, Givens DI, Gallacher JE (2010) The consumption of milk and dairy foods and the incidence of vascular disease and diabetes: an overview of the evidence. Lipids. doi:10.1007/s11745-010-3412-5
6. Lin J, Yang R, Tarr PT, Wu PH, Handschin C, Li S, Yang W, Pei L, Uldry M, Tontonoz P, Newgard CB, Spiegelman BM (2005) Hyperlipidemic effects of dietary saturated fats mediated through PGC-1beta coactivation of SREBP. Cell 120:261-273
7. Brown MS, Goldstein JL (1986) A receptor-mediated pathway for cholesterol homeostasis. Science 232:34-47
8. Brown MS, Goldstein JL (1997) The SREBP pathway: regulation of cholesterol metabolism by proteolysis of a membrane-bound transcription factor. Cell 89:331-340
9. Puigserver P, Spiegelman BM (2003) Peroxisome proliferator-activated receptor-gamma coactivator 1 alpha (PGC-1 alpha): transcriptional coactivator and metabolic regulator. Endocr Rev 24:78-90
10. Wu Z, Puigserver P, Andersson U, Zhang C, Adelmant G, Mootha V, Troy A, Cinti S, Lowell B, Scarpulla RC, Spiegelman BM (1999) Mechanisms controlling mitochondrial biogenesis and respiration through the thermogenic coactivator PGC-1. Cell 98:115-124
11. Food and Nutrition Board (2002) Dietary reference intakes for energy, carbohydrate, fiber, fat, fatty acids, cholesterol, protein, and amino acids (Macronutrients). National Academies Press, Washington, DC
12. Mozaffarian D, Rimm EB, Herrington DM (2004) Dietary fats, carbohydrate, and progression of coronary atherosclerosis in postmenopausal women. Am J Clin Nutr 80:1175-1184
13. Robinson SM, Batelaan SF, Syddall HE, Sayer AA, Dennison EM, Martin HJ, Barker DJ, Cooper C, Hertfordshire Cohort Study (2006) Combined effects of dietary fat and birth weight on serum cholesterol concentrations: the Hertfordshire Cohort Study. Am J Clin Nutr 84:237-244
14. Beare-Rogers JL (1998) Dietary fatty acids, where are we going? J Food Lipids 5:135-140
15. US Senate Select Committee on Nutrition and Human Needs (1977) Dietary goals for the United States, 2nd edn. US Government Printing Office, Washington, DC
16. Castelli WP (1992) Epidemiology of triglycerides: a view from Framingham. Am J Cardiol 70:3H-9H
17. Dreon DM, Fernstrom HA, Miller B, Krauss RM (1994) Low-density lipoprotein subclass patterns and lipoprotein response to a reduced-fat diet in men. FASEB J 8:121-126
18. Krauss RM, Dreon DM (1995) Low-density-lipoprotein subclasses and response to a low-fat diet in healthy men. Am J Clin Nutr 62:478S-487S
19. Abbasi F, McLaughlin T, Lamendola C, Kim HS, Tanaka A, Wang T, Nakajima K, Reaven GM (2000) High carbohydrate diets, triglyceride-rich lipoproteins, and coronary heart disease risk. Am J Cardiol 85:45-48
20. Welsh JA, Sharma A, Abramson JL, Vaccarino V, Gillespie C, Vos MB (2010) Caloric sweetener consumption and dyslipidemia among US adults. JAMA 303:1490-1497
21. Frayn KN, Kingman SM (1995) Dietary sugars and lipid metabolism in humans. Am J Clin Nutr 62:250S-261S (discussion 261S-263S)
22. Parks EJ, Hellerstein MK (2000) Carbohydrate-induced hypertriacylglycerolemia: historical perspective and review of biological mechanisms. Am J Clin Nutr 71:412-433
23. Stanhope KL, Havel PJ (2008) Fructose consumption: potential mechanisms for its effects to increase visceral adiposity and induce dyslipidemia and insulin resistance. Curr Opin Lipidol 19:16-24
24. Howard BV, Van Horn L, Hsia J, Manson JE, Stefanick ML et al (2006) Low-fat dietary pattern and risk of cardiovascular disease: the Women's Health Initiative Randomized Controlled Dietary Modification Trial. JAMA 295:655-666.
25. Ordovas JM (2007) Gender, a significant factor in the cross talk between genes, environment, and health. Gend Med 4(Suppl B):S111-S122
26. Cox C, Mann J, Sutherland W, Ball M (1995) Individual variation in plasma cholesterol response to dietary saturated fat. BMJ 311:1260-1264
27. Weggemans R, Zock P, Urgert R, Katan M (1999) Differences between men and women in the response of serum cholesterol to dietary changes. Eur J Clin Invest 29:827-834
28. Asztalos B, Lefevre M, Wong L, Foster T, Tulley R, Windhauser M, Zhang W, Roheim PS (2000) Differential response to low-fat diet between low and normal HDL-cholesterol subjects. J Lipid Res 41:321-328
29. Hudgins LC (2000) Effect of high-carbohydrate feeding on triglyceride and saturated fatty acid synthesis. Proc Soc Exp Biol Med 225:178-183
30. Ordovas JM (2004) The quest for cardiovascular health in the genomic era: nutrigenetics and plasma lipoproteins. Proc Nutr Soc 63:145-152
31. Fielding CJ (2004) Lipid rafts and caveolae: from membrane biophysics to cell biology. Wiley-VCH, Weinheim
32. Lawson L, Kummerow F (1979) [beta]-Oxidation of the coenzyme a esters of elaidic, oleic, and stearic acids and their fullcycle intermediates by rat heart mitochondria. Biochim Biophys Acta 573:245-254
33. Murphy CC, Murphy EJ, Golovko MY (2008) Erucic acid is differentially taken up and metabolized in rat liver and heart. Lipids 43:391-400
34. Smith J, German J (1995) Molecular and genetic effects of dietary derived butyric acid. Food Tech 49:87-90
35. Smith JG, Yokoyama WH, German JB (1998) Butyric acid from the diet: actions at the level of gene expression. Crit Rev Food Sci Nutr 38:259-297
36. Young GP, Hu Y, Le Leu RK, Nyskohus L (2005) Dietary fibre and colorectal cancer: a model for environment-gene interactions. Mol Nutr Food Res 49:571-584
37. Maslowski KM, Vieira AT, Ng A, Kranich J, Sierro F, Yu D, Schilter HC, Rolph MS, Mackay F, Artis D, Xavier RJ, Teixeira MM, Mackay CR (2009) Regulation of inflammatory responses by gut microbiota and chemoattractant receptor GPR43. Nature 461:1282-1286
38. Johny A, Baskaran S, Charles A, Amalaradjou M, Darre M, Khan MI, Hoagland TA, Schreiber DT, Donoghue AM, Donoghue DJ (2009) Prophylactic supplementation of caprylic acid in feed reduces Salmonella enteritidis colonization in commercial broiler chicks. J Food Prot 72:722-727
39. Neyts J, Kristmundsdottir T, De Clercq E, Thormar H (2000) Hydrogels containing monocaprin prevent intravaginal and intracutaneous infections with HSV-2 in mice: impact on the search for vaginal microbicides. J Med Virol 61:107-110
40. Hornung B, Amtmann E, Sauer G (1994) Lauric acid inhibits the maturation of vesicular stomatitis virus. J Gen Virol 75:353-361
41. Batovska D, Todorova I, Tsvetkova I, Najdenski H (2009) Antibacterial study of the medium chain fatty acids and their 1-monoglycerides: individual effects and synergistic relationships. Pol J Microbiol 58:43-47
42. Sun CQ, O'Connor CJ, Roberton AM (2003) Antibacterial action of fatty acids and monoglycerides against Helicobacter pylori. FEMS Immunol Med Microbiol 36:9-17
43. Sun CQ, O'Connor CJ, Roberton AM (2002) The antimicrobial properties of milkfat after partial hydrolysis by calf pregastric lipase. Chem Biol Interact 140:185-198
44. Schuster GS, Dirksen TR, Ciarlone AE, Burnett GW, Reynolds MT, Lankford MT (1980) Anticaries and antiplaque potential of free-fatty acids in vitro and in vivo. Pharmacol Ther Dent 5:25-33
45. Thormar H, Isaacs C, Brown H, Barshatzky M, Pessolano T (1987) Inactivation of enveloped viruses and killing of cells by fatty acids and monoglycerides. Antimicrob Agents Chemother
31:27-31
46. Isaacs CE, Litov RE, Thormar H (1995) Antimicrobial activity of lipids added to human milk, infant formula, and bovine milk. J Nutr Biochem 6:362-366
47. Reiner DS, Wang CS, Gillin FD (1986) Human milk kills Giardia lamblia by generating toxic lipolytic products. J Infect Dis 154:825-832
48. Li Q, Estes JD, Schlievert PM, Duan L, Brosnahan AJ, Southern PJ, Reilly CS, Peterson ML, Schultz-Darken N, Brunner KG, Nephew KR, Pambuccian S, Lifson JD, Carlis JV, Haase AT (2009) Glycerol monolaurate prevents mucosal SIV transmission. Nature 458:1034-1038
49. Kromhout D, Menotti A, Bloemberg B, Aravanis C, Blackburn H, Buzina R, Dontas AS, Fidanza F, Giampaoli S, Jansen A, Martti K, Martijn K, Aulikki N, Srecko N, Juha P, Maija P, Sven P, Leena R, Bozidar S, Hironori T (1995) Dietary saturated and transfatty acids and cholesterol and 25-year mortality from coronary heart disease: the seven countries study. Prev Med 24:308-315
50. Dabadie H, Peuchant E, Bernard M, LeRuyet P, Mendy F (2005) Moderate intake of myristic acid in sn-2 position has beneficial lipidic effects and enhances DHA of cholesteryl esters in an
interventional study. J Nutr Biochem 16:375-382
51. Carnielli VP, Luijendijk IH, van Goudoever JB, Sulkers EJ, Boerlage AA, Degenhart HJ, Sauer PJ (1995) Feeding premature newborn infants palmitic acid in amounts and stereoisomeric position similar to that of human milk: effects on fat and mineral balance. Am J Clin Nutr 61:1037-1042
52. Carnielli VP, Luijendijk IH, Van Goudoever JB, Sulkers EJ, Boerlage AA, Degenhart HJ, Sauer PJ (1996) Structural position and amount of palmitic acid in infant formulas: effects on fat, fatty acid, and mineral balance. J Pediatr Gastroenterol Nutr 23:553-560
53. Lai L, Leone TC, Zechner C, Schaeffer PJ, Kelly SM, Flanagan DP, Medeiros DM, Kovacs A, Kelly DP (2008) Transcriptional coactivators PGC-1alpha and PGC-lbeta control overlapping
programs required for perinatal maturation of the heart. Genes Dev 22:1948-1961
54. Wareski P, Vaarmann A, Choubey V, Safiulina D, Liiv J, Kuum M, Kaasik A (2009) PGC-1 and PGC-1 regulate mitochondrial density in neurons. J Biol Chem 284:21379-21385
55. Moon YA, Shah NA, Mohapatra S, Warrington JA, Horton JD (2001) Identification of a mammalian long chain fatty acyl elongase regulated by sterol regulatory element-binding proteins. J Biol Chem 276:45358-45366
56. Moon Y, Hammer R, Horton J (2009) Deletion of ELOVL5 leads to fatty liver through activation of SREBP-1c in mice. J Lipid Res 50:412-423
57. Rudolph MC, Neville MC, Anderson SM (2007) Lipid synthesis in lactation: diet and the fatty acid switch. J Mammary Gland Biol Neoplasia 12:269-281
58. Russell TD, Palmer CA, Orlicky DJ, Fischer A, Rudolph MC, Neville MC, McManaman JL (2007) Cytoplasmic lipid droplet accumulation in developing mammary epithelial cells: roles of adipophilin and lipid metabolism. J Lipid Res 48:1463-1475
59. Kelly FD, Sinclair AJ, Mann NJ, Turner AH, Abedin L, Li D (2001) A stearic acid-rich diet improves thrombogenic and atherogenic risk factor profiles in healthy males. Eur J Clin Nutr 55:88-96


Baseado no trabalho "Saturated Fats: A Perspective from Lactation and Milk Composition", de J. Bruce German e Cora J. Dillard, do Departamento de Ciência dos Alimentos e Tecnologia da Universidade da Califórnia, Davis, publicado no jornal Lipids, Volume 45, Número 10, de outubro de 2010.

JULIANA SANTIN

Médica veterinária formada pela FMVZ/USP. Contribuo com a geração de conteúdo nos portais da AgriPoint nas áreas de mercado internacional, além de ser responsável pelo Blog Novidades e Lançamentos em Lácteos do MilkPoint Indústria.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint