ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

GO: Procon divulga marcas de leite reprovadas

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 29/10/2007

1 MIN DE LEITURA

12
1
A fiscalização do Procon de Goiás apurou 12 reprovações de leite tipo C, entre 19 marcas avaliadas. Segundo o órgão, as marcas de leite de saquinho reprovadas são Big Leite, Capilat, Danleite, Gogó, Lacton, Nívea, Nutri Leite, Santa Rita, Santos, Tayná, Vitalat e Vitta. As aprovadas: Boa Vista, Compleite, Lato, Leitepuro, Primor, Quality e Unibom.

Além disso, 6 entre 24 marcas de leite longa vida (UHT) também não passaram nos testes pelos mesmos motivos. As marcas de leite UHT reprovadas são Escolha Econômica, Manacá Integral, Marajoara, São Gabriel, Dália (desnatado), e Manacá (desnatado).

As aprovadas são: Batavo Integral e Batavo Semi Desnatado, Carrefour, Compleite Desnatado, Compleite Integral, Danone desnatado, Extra Integral, Extra Semi Desnatado, Italac Integral e Italac Desnatado, Itambé Integral e Desnatado, Leitbom Integral e Desnatado, Parmalat Integral e Desnatado e Piracanjuba Integral e Desnatado.

De acordo com notícia da Agência Estado, as marcas reprovadas continham bactérias, coliformes fecais, soda cáustica, amido e água oxigenada. Além de multar as empresas, com valores que variam de R$ 213,00 a R$ 3,1 milhões, o Procon protocolou denúncias nos ministérios públicos Estadual (MPE) e Federal (MPF), e acionou a Polícia Federal para investigar o caso. O leite levado para análise foi comprado em grandes redes de supermercados.

"Houve falha na fiscalização", disse Antonio Carlos de Lima, superintendente do Procon de Goiás. E, de acordo com ele, quem fiscaliza o leite são as secretarias Municipal e a Estadual de Vigilância Sanitária. Porém, comentou, quem pode "obrigá-las a fazer o serviço a contento é Ministério Público". Em entrevista coletiva, ele apontou para outros agentes: "Quem fiscaliza leite são as secretarias, a Anvisa e o Ministério da Agricultura, e não o Procon", disse Lima.

12

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

EQUIPE MILKPOINT

PIRACICABA - SÃO PAULO - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 26/05/2021

Olá pessoal, tudo bem?

Vale a pena ressaltar que esta é uma matéria de 2007.

Grande abraço e obrigado por nos acompanhar.
REGINALDO APARECIDO ZANUSSO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 24/05/2021

Com certeza que não!
REGINALDO APARECIDO ZANUSSO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 24/05/2021

É praticamente a única coisa que ainda funciona no Brasil. ANVISA só defende interesse de produtos e do capitalismo estrangeiro.
REGINALDO APARECIDO ZANUSSO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 24/05/2021

É perfeitamente aceitável o Procon divulgar no mesmo dois testes diferentes. O assunto é o mesmo. Ou seja leite. Só um anos não sabe a diferença entre eles. Mas, é claro que tem sempre a turminha que é do contra. Ou não sabe interpretar texto.
REGINALDO APARECIDO ZANUSSO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 24/05/2021

Olha o chilique dessa gente ai quando o Procon revelou a falha deles: "Quem fiscaliza o leite não é o Procon". Em vez de consertarem os erros apontados pelo Procon as empresas envolvidas se escondem em detalhismos legais para se protegerem de uma possível fraude contra o consumidor.

E fraude contra o consumo e o consumidor é sim fiscalizada pelo Procon e não pelos citados das empresas para fiscalizar o leite. E no caso de adulteração do leite pelo fabricante cabe ao Procon a devida punição ao fabricante.

E nós sabemos desde muito tempo como funciona a aprovação da Anvisa para muitos produtos. É a empresa que envia o lote a ser analisado pela ANVISA e a agência não recolhe um lote ao a caso para ser analisado e assim é fácil fraudar o processo de registro de um produto na ANVISA.

E um outro ponto da questão é que nenhuma das tidas como agências reguladoras defendem o consumidor e só defendem mesmo o interesse capitalista das grandes empresas do exterior no Brasil.

Com a energia elétrica aconteceu algo assim que o contrato de concessão não foi cumprido quando beneficiava o consumidor. Enquanto o taxímetro das bandeiras que só prejudica o consumidor e o preço internacional de energia foram rapidamente aprovados pela ANEEL.

E com o leite isso nada difere. A ANVISA só defende o interesse dos grandes produtores de lixo chamado de leite que gasta milhões numa falsa propaganda sobre os benefícios do leite sendo que a Universidade de Havard em uma séria pesquisa feita pela a Universidade nos aponta as mentiras e os malefícios do Leite;

E entre eles a mentira de o leite ser fonte cálcio quando na verdade o mesmo tira cálcio do organismo.
É certo que entre as instituições de governo a única que continua a funcionar de muletas é o Procon seguido do INMETRO.

O resto se ajoelha perante o capitalismo estrangeiro e o Brasileiro que se ferre. Um bom exemplo de ajoelhamento é a politica de exportações de produtos agrícolas. O melhor sai do Brasil para engordar alguns poucos fazendeiros e atravessadores internacionais enquanto o lixo fica no Brasil para o povo comer;

E pagar caro por produtos importados que voltam ao Brasil transformados a exemplo da farinha.
E é por isso que o Procon é praticamente o único que pode nos defender nestas horas e com certeza encontraram um monte de sujeira que as empresas jamais queriam que fossem reveladas.

Quem fiscaliza faz vista grossa para tais. E o Procon acertou ao analisar essa fraude.
Porquê quando se trata de fraude é sim competência do Procon fiscalizar. Se não fosse assim eles não poderiam nem punir os planos de saúde visto que tem agência reguladora dos mesmos.
GILBERTO VELASQUEZ

SANTA TEREZINHA DE ITAIPU - PARANÁ

EM 28/04/2021

Em realidade se for analisar, o leite longa vida deveria ser retirado das praca. Que se for olhar direito e cheio de quimica. Para comecar o formol. Isso todos sabem para que e usado. Fora o que a gente nao sabe.
Leite bom mesmo e o tirado deretamente das tetas da vaca.
LENI BEZERRA DO CARMO

SÃO PAULO - SÃO PAULO

EM 08/07/2019

Mas se os responsáveis estavam dormindo o Procon agiu certo. Parabéns e obrigado pela iniciativa tomada
REGINALDO APARECIDO ZANUSSO

SÃO BERNARDO DO CAMPO - SÃO PAULO

EM 26/05/2021

Dormindo é bondade tua. É vista grossa mesmo na cara dura!
ALEX

ANÁPOLIS - GOIÁS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 23/06/2016

Será que o pessoal das empresas citadas dariam ou dao este tipo de leite para seus filhos ou ao menos deixam seus familiares utilizarem estes produtos,
JIULIANA

VOTORANTIM - SÃO PAULO - ESTUDANTE

EM 18/12/2013

Parabéns pelo trabalho de fiscalização Procon!! Pois agora estamos cientes,ficando de livre arbítrio para quem quer consumir um leite que nos traz beneficio para saúde,com um leite nocivo contendo  bactérias, coliformes fecais, soda cáustica, amido e água oxigenada.
KEILA DE FÁTIMA RIBEIRO

OUTRO - GOIÁS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 30/10/2007

A empresa Lacel Laticínios Ceres Ltda, responsável pela marca Manacá, deixa claro que o problema detectado em seus produtos foi somente uma diferença no percentual de gordura e extrato seco desengordurado; não foi encontrado nenhuma substância nociva, conforme dá a entender na matéria acima publicada.

Informamos que o problema é isolado, haja visto a quantidade de leite produzido cotidianamente pela empresa e o tempo que seus produtos estão no mercado, tal fato nunca se verificou; temos laudos de análises de Laboratório Terceiros e de nossos controles, que não apresentam tal irregularidade nos lotes mencionados.

Entretanto, intensificamos nossos controles para garantir que o fato não se repita. Informamos ainda, que o fato do produto estar com o teor de gordura e extrato seco desengordurado fora dos padrões exigidos não torna o produto impróprio ao consumo, não causando nenhum dano a saúde.

Sem mais,

Keila de Fátima Ribeiro.
MICHELE SCARAVONATTO

ENCANTADO - RIO GRANDE DO SUL - MÍDIA ESPECIALIZADA/IMPRENSA

EM 30/10/2007

Acho que o que o Procon está fazendo é uma injustiça, pois estão misturando dois assuntos diferentes. Uma coisa é a desconformidade com o padrão microbiológico, outra bem diferente é a fraude no leite.

O Procon não deveria declarar esses casos juntos, pois o padrão microbiológico alterado não é considerado fraude.
MilkPoint AgriPoint