ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Gaúchos querem mudar lei da Anvisa sobre mensagem

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 27/11/2006

1 MIN DE LEITURA

10
0
Produtores e indústrias de leite do Rio Grande do Sul querem ampliar o prazo de 12 meses estabelecido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para que as embalagens de leite tragam na parte frontal a mensagem "O Ministério da Saúde adverte: este produto não deve ser usado para alimentar crianças menores de um ano de idade, a não ser pela indicação expressa de médico ou nutricionista. O aleitamento materno evita infecções e alergias e deve ser mantido até a criança completar dois anos ou mais". Hoje, o alerta fica na lateral dos recipientes. Eles também querem mudanças nesse texto.

Segundo reportagem do Correio do Povo/RS, a Anvisa argumenta que a norma objetiva evitar a substituição do leite materno na primeira infância. Mas a cadeia produtiva acredita que a advertência remete à idéia de um produto prejudicial à saúde. Por isso, o setor quer convencer o governo federal a alterar a lei, trocando a palavra "adverte" por "recomenda", com a manutenção da expressão na lateral.

Para pôr fim ao impasse, o secretário executivo do Sindilat, Jones Raguzoni, sugere a realização de uma audiência pública nacional. "Lamentamos que o governo do Brasil dê tratamento marginal ao leite, enquanto outros países fazem justamente o contrário".

Segundo os dirigentes, empresas e cooperativas com embalagem estocada terão prejuízo, pois também será vedado o uso de figuras, fotos e representações que incentivem o consumo, como a vaquinha da Cooperativa Santa Clara. Entre as penalidades para quem descumprir a lei estão a aplicação de multa e a apreensão do produto.

10

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

CLAUDIA FABIANA DE OLIVEIRA PIRES

TAQUARA - RIO GRANDE DO SUL - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 27/12/2006

Lamento a atitude da Anvisa. Refrigerantes, bebidas alcoólicas, e outros podem fazer grandes propagandas. Como a cerveja que desce ´redonda´. Líquidos ´descem´ quadrados? Líquidos (álcoolicos) representam praia, sol, boa vida? Temos que seguir normas internacionais para obter um leite de qualidade e próprio para consumo humano. Que valor damos ao leite? Logo que nascemos o primeiro líquido é o leite (seja materno ou não). Bebo leite desde que nasci, tenho uma ótima saúde.
TEREZA DE CASTRO GUINART

SÃO JOÃO DA BOA VISTA - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 04/12/2006

A palavra "adverte" deve ser usada para um consumo que represente perigo à saúde. É louvável que queiram estimular o aleitamento materno, porém, não é correto usar o leite como pernicioso para atingir esse objetivo.

Tratar o leite como se fosse um produto tóxico não vai estimular o aleitamento materno, mas sim, prejudicar o consumo do alimento mais importante da vida da criança. Vamos juntar esforços de todo o setor leiteiro para mudar essa situação, sem impedir o aleitamento materno.
LEONIDAS RESENDE

CABO FRIO - RIO DE JANEIRO - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 29/11/2006

Isso é um absurdo. Meu filho Fábio, estudante de veterinária, bebe leite desde os primeiros dias de vida, uma vez que sua mãe não pode amamentá-lo. São dois litros diários, e ele sempre teve uma saúde de ferro.

Vamos unir esforços para acabar de vez com essa discriminação absurda. Leite é saúde! Leite é vida!
BERNARDO RAUTA

PARANÁ

EM 28/11/2006

A atitude da ANVISA é totalmente infeliz, é lamentável, mais uma vez o agronegócio pagando por atitudes duvidosas como essas.

A dosagem de certos produtos agrotóxicos toleráveis nos alimentos são auttorizados de forma repentina e sem explicação científica, agora a história do leite.
MONTOVANI PEREIRA

PALOTINA - PARANÁ - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 28/11/2006

Enquanto vários tipos de alimentos sem origem e fiscalização são manipulados e comercializados em nosso país, a Anvisa vem atrapalhar um trabalho que é feito desde a propriedade até o consumidor. O leite tem ótimos valores nutricionais, e fiscalização oficial para sua comercialização e distribuição.
JOÃO MARCOS GUIMARÃES

CARRANCAS - MINAS GERAIS

EM 28/11/2006

É lamentável a atitude da Anvisa. Os refrigerantes podem fazer propaganda nos rótulos. A TV pode anunciar exaustivamente, e até aos domingos, produtos de eficácia duvidosa. Por que só leite merece um tratamento tão discriminatório?

A cadeia produtiva do leite é muito sacrificada e precisa de incentivo ao consumo, o leite é também um alimento de alto valor nutritivo.
ALUÍZIO LINDENBERG THOMÉ

CARANGOLA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/11/2006

Em um programa de debates na TV paga, transmitido ontem, em determinado momento o Dep. Delfim Neto lembrou que entre 145 países, o Brasil está colocado como o 119º em ambiente de negócios para empresários investirem.

Para quê tanta regulamentação? Em qual país capitalista o estímulo ao consumo de um produto, qualquer produto, desde que legal e honestamente veiculado é proibido? Essa proibição do rótulo é só para o leite ou para todos os produtos comercializados no supermercado? Refrigerante pode? Cerveja pode? Leite é droga?
SERGIO RICARDO DA SILVA

TOLEDO - PARANÁ - ESTUDANTE

EM 27/11/2006

No Brasil só são valorizadas as bebidas que prejudicam a saúde. Um produto nobre, que é acompanhado antes e depois da porteira e que segue normas internacionais de qualidade não tem valor.

Milhares de famílias sobrevivem do leite. Vamos acordar e deixar a classe produtiva trabalhar.
FERNANDO BUENO SIMÕES PIRES

SANTANA DO LIVRAMENTO - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/11/2006

Engraçado. Por que o "Governo" não exige que se coloque a mesma frase nos refrigerantes? Conheço várias pessoas que foram criadas com "leite de vaca", desde o 6° mês de idade, e são sadios como os que mamam até dois anos.

Se o Governo incentivasse o uso do leite pasteurizado às crianças, as vilas das cidades não teriam o povo que tem. Mas apesar de serem subnutridos, o refrigerante não falta. Talvez falte a "propaganda": "não aconselha-se o seu uso a menores de 8 anos de idade". Mas estamos no Brasil, e aqui o que manda é o dinheiro, e não a seriedade.
LUCÉLIA CASTAGNA

VICTOR GRAEFF - RIO GRANDE DO SUL - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 27/11/2006

Enquanto o nosso governo tira o incentivo ao consumo de leite, nossos vizinhos trabalham incansáveis em marketing deste produto.

Nos entristece a falta de informação de certas pessoas. Além disso, sabemos o poder que tem a propaganda! E quem vai esquecer da vaquinha da Santa Clara, que é muito bem lembrada? Espero que esteja na cabeça de muita gente.
MilkPoint AgriPoint