ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Feito aqui. E de leite cru

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 13/12/2013

2 MIN DE LEITURA

1
0
Feito aqui. E de leite cru

Os contornos do mapa dos queijos brasileiros começam a ser reconhecidos. Canastras, serranos, coalhos e marajós fincam suas bandeiras pelo território nacional de Norte a Sul e vão caindo no gosto do consumidor ao cruzar as fronteiras de seus Estados - ainda que para isso tenham de vencer barreiras sanitárias e legais.

"Vivemos um momento único. O Brasil está - finalmente - olhando para o Brasil", disse Fernando Oliveira, dono d'A Queijaria, ao abrir o segundo Simpósio Nacional de Queijos do Brasil, no mês passado, em Porto Alegre. Em sua pequena loja na Vila Madalena, inaugurada este ano, Fernando conta que o movimento não para de crescer. "Esse crescimento não vai parar - vai explodir muito rápido. Não sou eu quem diz isso, é o mercado. Os clientes vêm e querem novidade, querem o produto nacional."

Segundo Fernando, as pessoas não querem mais queijo imitação do francês - os nacionais "tipo brie", "tipo camembert" ou "tipo roquefort" achados em supermercados. Querem o canastra de Minas, o serrano de Santa Catarina, o coalho do Ceará. Querem queijos artesanais, de preferência de leite cru - que podem ser maturados e desenvolver aromas e sabores com o tempo. (Curiosamente, são os franceses que agora têm interesse no queijo brasileiro: vão abrir um centro de maturação na Granja Viana no ano que vem - leia mais abaixo).

O chef e queijeiro Bruno Cabral, que encerrou o simpósio em Porto Alegre, tem a mesma percepção otimista - ele vende queijos brasileiros pela internet e diz não estar dando conta de atender todos os pedidos que recebe. "O interesse é cada vez maior. E estamos só começando. As pessoas estão valorizando o queijo artesanal", diz.

Essa revolução queijeira em curso não passa apenas pela demanda dos consumidores. É também um processo de conscientização e mobilização dos próprios produtores. Reunidos no simpósio, eles dividiram os problemas que têm com a legislação para poder vender em outros Estados e para atender às demandas da Vigilância Sanitária, que tem como parâmetros a grande indústria e não facilita a vida dos artesanais.

O drama se repete entre os pequenos produtores do Brasil, mas o exemplo de Minas Gerais - que há 15 anos começou a chamar atenção para o patrimônio cultural e gastronômico que o queijo representa - serve de alento e referência.

Nas Gerais, a imersão na política foi inevitável: com base no associativismo, eles buscaram o reconhecimento do queijo pelo Iphan, a determinação da Indicação Geográfica, o intercâmbio com outros países e mudanças nas leis. E o resultado veio - hoje os queijos de leite cru canastra, araxá, serro e salitre são conhecidos e reconhecidos e estão a um passo de serem vendidos legalmente noutros Estados do Brasil.

O efeito colateral desse reconhecimento dos queijos brasileiros é que produtores têm se animado a criar receitas próprias, com nomes próprios. Ou seja, o mapa desenhado por canastras, serranos, coalhos e marajós tende à expansão.

A senda aberta pelos mineiros é caminho sem volta: os queijos artesanais brasileiros vieram para ficar, se multiplicar e serem devorados.

As informações são do O Estado de S. Paulo.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ELIANA DE OLIVEIRA RIBEIRO QUARTEZANI

SANTANA DO GARAMBÉU - MINAS GERAIS - PESQUISA/ENSINO

EM 16/12/2013

Em Minas já somos convidados a reconhecer o queijo mineiro e o preferido, sem dúvida, é o Canastra. Em 2008, como diz a reportagem, o queijo-de-minas foi reconhecido como patrimônio cultural brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). É um orgulho para nós, mineiros e brasileiros.

Parabéns pela reportagem!
MilkPoint AgriPoint