ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

FAO: setor responde por 4% das emissões de GEE

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 22/04/2010

3 MIN DE LEITURA

0
0
Segundo relatório da FAO, publicado na última terça-feira (20), o setor lácteo responde por aproximadamente 4% do total de emissões de gases do efeito estufa realizadas pelo homem. Esse valor corresponde a emissões associadas à produção, processamento e transporte de leite, e emissões referentes à produção de carne de animais originários do setor lácteo.

Considerando apenas a produção, processamento e transporte do leite, ou seja, excluindo a produção de carne, a participação do setor lácteo diminui para 2,7%.

Em 2007, o setor emitiu 1.969 milhões de toneladas de equivalentes em dióxido de carbono (CO2), das quais 1.328 milhões de toneladas foram atribuídas à produção de leite, 151 milhões de toneladas à produção de carne, e 490 milhões de toneladas a bezerros e bezerras originários do setor lácteo, mas que foram criados para corte. A equivalência em dióxido de carbono é uma padronização utilizada para comparar a emissividade de diferentes gases do aquecimento global.

A média mundial de emissão de gases do efeito estufa por quilograma de leite produzido e de produtos lácteos é de 2,4 quilos de equivalente em dióxido de carbono (CO2).

O metano (CH4) é o gás mais impactante na produção de leite, participando de 52% da emissão total de gases tanto em países desenvolvidos quanto em países em desenvolvimento. O óxido nitroso (N2O) responde por 27% da emissão total de gases em países desenvolvidos e 38% em países em desenvolvimento. O dióxido de carbono (CO2) possui participação maior em países desenvolvidos (21%) do que em países em desenvolvimento (10%).

Gráfico 1. Participação de diversas regiões do mundo em relação à produção de leite e emissão de gases do efeito estufa associada à produção, processamento e transporte.


Fonte: FAO

O relatório da FAO para o setor contemplou a quase totalidade de sistemas de produção de leite, de sistemas extrativistas a sistemas intensivos. Também focou na totalidade da cadeia de produção, incluindo emissões provenientes da produção e transporte dos insumos (fertilizantes, pesticidas e ração animal) utilizados em uma fazenda de leite; associadas ao processamento e embalagem do leite; e transporte do produto para redes de varejo.

"Esse relatório é fundamental para entender e identificar oportunidades para redução do impacto ambiental causado pelo setor lácteo", disse Samuel Jutzi, diretor da divisão de Saúde e Produção Animal da FAO.

O trabalho faz parte de um programa continuado de análise e recomendação de opções para mitigação do aquecimento global. O próximo passo é usar um modelo semelhante para quantificar a emissão de gases do efeito estufa para outros setores de produção animal, como búfalos, aves, pequenos ruminantes e suínos. A eficácia dessas opções para mitigação será em seguida tratadas pela ótica econômica. Um relatório final será publicado em 2011.

Em um relatório de 2006, "Livestock´s Long Shadow", a FAO descobriu, utilizando associações entre o ciclo de vida dos animais, que 18% do total da emissão de gases do efeito estufa eram causadas pela produção animal. O relatório final sobre emissão de gases na produção animal utilizará dessas mesmas associações com dados atualizados, e fornecerá informações sobre diferentes sistemas de produção, além de recomendações para agentes do setor.

Patrocinadores do relatório

Como parte da colaboração para reduzir os impactos do aquecimento global, o setor lácteo patrocinou, através da Federação Internacional do Leite (IDF, sigla em inglês) e utilizando-se de fundos da Global Dairy Platform (GDP), o relatório publicado pela FAO.

Os patrocinadores pretendem com o relatório: desvincular o valor de 18% do total da emissão de gases de produção animal, antigamente atribuída exclusivamente ao setor lácteo; cumprir o que foi acordado na Global Agenda for Action, criando um benchmarking para futura comparação de redução de emissões; e cumprimento, por parte da Global Dairy Platform, de um dos quatro itens de uma parceria com a Iniciativa para Agricultura Sustentável (SAI, sigla em inglês).

Os outros três itens dessa iniciativa são: criação de um acordo internacional para que a indústria de lácteos trabalhe em conjunto para mitigar a mudança climática, a Global Dairy Agenda for Action; criação de uma base de dados global com as atividades do setor; e desenvolvimento de uma metodologia padrão para mensuração de gases do efeito estufa emitidos pelo setor.

As informações são da FAO e da Global Dairy Platform, traduzidas e adaptadas pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.