ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Evento busca acordo entre ruralistas e ambientalistas

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 12/04/2010

2 MIN DE LEITURA

2
0
Seminário liderado pelo empresário Guilherme Leal, co-presidente do conselho de administração da Natura e cotado para a vaga de candidato a vice-presidente na chapa da senadora Marina Silva (PV-AC), será realizado amanhã (13) em Brasília, para tentar um acordo entre ruralistas e ambientalistas sobre a reforma da legislação ambiental e as alternativas de longo prazo para o agronegócio no país.

O Congresso discute há mais de um ano mudanças no Código Florestal. Em vigor desde 1965, o texto e seus remendos têm sido bombardeados por ruralistas e defendidos por ambientalistas como um escudo contra o avanço do desmatamento. Em jogo, está o afrouxamento das regras de exploração da terra e a autonomia dos Estados para legislar na área ambiental.

A organização do evento rejeita a ideia de que ele tenha objetivos partidários e diz que o encontro estava programado desde meados do ano passado. "É um seminário de viés econômico. Não é para ir contra nenhum setor, mas para estabelecer diálogos, sem embates diretos", afirma a coordenadora do Fundo Brasileiro para a Biodiversidade (Funbio), Daniela Lerda.

Criado há 14 anos, o Funbio é financiado por empresas como a Natura, fundações, ONGs, governos e órgãos multilaterais. A organização apresentará um amplo estudo, iniciado em maio de 2009 e conduzido pelo economista Sergio Schlesinger, com recomendações para o futuro dos segmentos de florestas plantadas, pecuária, soja e cana-de-açúcar. Duas alternativas são consideradas mais urgentes para resolver as divergências em torno da legislação ambiental brasileira: a integração dos estudos regionais e setoriais em um único zoneamento do território nacional e a aposta no sistema integrado de criação de gado, plantio de florestas e lavouras.

A criação de um único zoneamento nacional seria a primeira solução estruturante para definir quais regiões do país poderiam ser ocupadas com determinadas atividades agropecuárias. "É preciso conciliar as atividades e racionalizar isso com um zoneamento integrado, unindo planos estaduais e setoriais", explica Daniela.

O conceito de área degradada também será importante para esses avanços. Hoje, segundo a pesquisadora, nem o governo sabe a extensão das pastagens subutilizadas ou abandonadas no país. "Fala-se em 100 a 200 milhões de hectares degradados, dependendo da fonte. Falta mapeamento dessas áreas. A Embrapa não tem definição sobre o que é uma área degradada nem estimativas sobre o custo de recuperação dessas áreas.".

A integração lavoura-pecuária-florestas já está espalhada por 4 milhões de hectares no país, mas não avança por questões culturais e a falta de assistência técnica oferecida pelo governo. "Esse sistema não é novo, mas ainda é pouco difundido", diz Schlesinger. "Nesse sistema, o bezerro cresce mais rápido, o produtor economiza na recuperação de solo e reduz custos de produção com agrotóxicos." Schlesinger aponta a baixa escolaridade dos produtores e o reduzido investimento em ações de assistência técnica do governo como fatores negativos para a difusão do sistema inovador.

Estudos da Embrapa Gado de Corte, de Campo Grande (MS), indicam que a natalidade do rebanho aumenta de 60% para 85% com a integração. A idade de abate cai de 4 para um ano e meio e a taxa de abate sobe de 17% para 40%, além de o peso da carcaça aumentar de 200 para 230 quilos. A introdução de pastagem em rotação com a cultura da soja eleva em 14% a produtividade do grão e reduz em até 70% o consumo de agrotóxicos, indicam experimentos conduzidos pela Embrapa.

A reportagem é de Mauro Zanatta, para o jornal Valor Econômico, resumida e adaptada pela Equipe AgriPoint.

2

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

RICHARD JAMES WALTER ROBERTSON

RIO VERDE DE MATO GROSSO - MATO GROSSO DO SUL

EM 13/04/2010

Temos que nos conscientizar que sustentabilidade não é uma mera ideologia da moda. É a diferença entre a sobrevivência e a extinção da espécie humana. Se não educarmos nossa cadeia produtiva COM URGÊNCIA será impossível produzir alimentos preservando o meio ambiente, de uma forma socialmente justa e economicamente viável.
Os consumidores já estão sinalizando suas preferências há décadas.
Os produtores que acordarem por último não despertarão de um grande pesadelo.
CARLOS EDUARDO COSTA MARIA

ANHEMBI - SÃO PAULO - INSTITUIÇÕES GOVERNAMENTAIS

EM 13/04/2010

Tudo que venha para mitigar os efeitos dos gases (gee) em qualquer atividade humana deve ser aprimorado,aperfeiçoado e analizado.É muito auspicioso este seminário, pois servirá de ponte entre os anseios de um setor muito importante na geração de divisas de nosso país (os agricultores e pecuáristas) e dos que se preocupam com a preservação do nosso ambiente e que muitas vezes têm uma leitura errônea das práticas da nossa agricultura em geral.Quanto mais os ambientalistas conhecerem o dia a dia de nossos agricultores e pecuaristas, muito mais condições. haverá para uma conjugação de atuações no sentido de se adotar esforços para o entendimento de duas correntes que com certeza querem o bem de nossa nação.Por isso, é muito importante este espaço que o milkpoint oferece na discussão de temas tão relevantes, meus parabéns para toda equipe.
MilkPoint AgriPoint