ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Embrapa: integração de culturas evita desmatamento

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 16/06/2009

1 MIN DE LEITURA

3
0
Pesquisadores de diferentes unidades da Embrapa na Região Norte estiveram reunidos, na última semana, em Rondônia, para o acompanhamento das atividades do projeto Integração Lavoura-Pecuária-Floresta. A tecnologia propõe a diversificação de atividades em propriedades rurais e oferece alternativas para a recuperação sustentável de pastagens degradadas, evitando a abertura de novas áreas de floresta. Desenvolvido em rede em todo o Brasil, o projeto conta com 26 centros de pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), com outras organizações do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária e com instituições de ensino e de extensão rural.

Integração-Lavoura-Pecuária-Floresta, ou apenas ILPF, consiste na implementação sustentável e equilibrada de diferentes atividades rurais em uma mesma propriedade. Isso significa dizer, por exemplo, que em uma área podem ser produzidos grãos, madeira, carne e leite, uma vez que a propriedade pode ser dividida em lavoura, reflorestamento e pastagens. "Do ponto de vista econômico, o produtor não fica dependente de uma única fonte de renda", mostra o pesquisador da Embrapa Rondônia Alaerto Marcolan, que desenvolve experimentos de ILPF no município de Porto Velho, capital de Rondônia. "Se em um ano há problema de preço de gado, ele tem outras alternativas, como a lavoura", completa o pesquisador.

Além do aspecto econômico e social, a tecnologia leva em conta o equilíbrio ambiental. Do total de pastagens em degradação no Brasil, cerca de 50 milhões de hectares são considerados agricultáveis. Deste total, 36 milhões de hectares podem ser abrangidos pela ILPF, de maneira que a capacidade produtiva das áreas seja recuperada, evitando a abertura de novas áreas para pastagem.

Outra preocupação ambiental do Projeto é a produção de madeira. O componente florestal da integração entra como uma fonte de energia e matéria prima para a produção de cercas e instalações na propriedade. Sem a floresta plantada, a madeira seria extraída da mata nativa. Vale lembrar que a legislação exige a preservação da vegetação de Áreas de Preservação Permanente e a demarcação de Área de Reserva Legal em propriedades rurais.

O projeto está agora na fase de validação das tecnologias nas diferentes regiões da Amazônia. Em Rondônia, são realizadas atividades no Campo Experimental de Porto Velho e no Campo Experimental de Vilhena, no Cone Sul do Estado. A estimativa é que, em todo o Brasil, até 2010 sejam beneficiados com a tecnologia centenas de produtores rurais.

As informações são da Embrapa Rondônia, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

3

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOANIR STOPAZZOLI

ARIQUEMES - RONDÔNIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/06/2009

Bom dia. Sou produtor de leite em Ariquemes RO. Gostaria de receber alguma informação a respeito do assunto, pois sempre tive vontade de implantar arvores nos pastos para sombra, pois o gado leitero nas epocas de calor sofre muito. Se possivel gostaria de receber as informaçoes. OBRIGADO.
IRIA MARIA DAVANSE PIERONI

CUIABÁ - MATO GROSSO

EM 18/06/2009

Vamos aguardar os resultados das pesquisas.
De qq forma, toda iniciativa séria é válida. Parabéns!
IAN BAITELLO CAJUELA

MIRASSOL - SÃO PAULO - FRIGORÍFICOS

EM 16/06/2009

Parabéns EMBRAPA!
MilkPoint AgriPoint