ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Diretor da Garoto prevê venda formalizada para Nestlé em breve

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 20/09/2016

3 MIN DE LEITURA

0
0
O diretor-geral da Chocolates Garoto, Liberato Milo, esteve no Espírito Santo neste domingo (18), para a 27ª edição das Dez Mil Milhas Garoto, em Vila Velha, e disse que a venda da empresa para a Nestlé deve ser formalizada em breve. Apesar de a companhia já ser tocada com investimentos da Nestlé desde 2002 (mas com operações, fabricação e administrações separadas) a formalização foi vetada em 2004, mas é pretendida para dar maior segurança jurídica aos negócios do grupo. 

Garoto - Nestlé - chocolates - Cade - cacau

Além disso, entre as novidades que devem ser anunciadas em breve pela empresa está a criação de uma linha de chocolates produzida com o cacau exclusivo das lavouras capixaba. Desde quando foi comprada pela Nestlé, a empresa capixaba deu um salto de produção e faturamento, com a receita líquida crescendo 167% entre 2002 e 2015. Para 2016, o faturamento está estimado em R$ 2,5 bilhões.

Em 2004, o ato de concentração das empresas Garoto e Nestlé foi julgado pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que barrou a operação. “A Garoto e a Nestlé estão juntas com o Cade para, de boa-fé, conseguirem o melhor acordo possível. E o melhor acordo é aquele que seja sustentável para a companhia, para Vila Velha e para o Brasil, pois a Garoto é emblemática não só para o Espírito Santo como para o país”, disse Milo.

O diretor destacou que o processo está sendo liderado pelo Cade de forma profissional. “Os técnicos do órgão já vieram ao estado visitar nossas operações. Acho que estamos no caminho certo. O chocolate não é meu, é de todos nós. De forma técnica, vamos solucionar esse impasse”, afirmou.

Serenata de Amor

Em relação à venda do bombom Serenata de Amor, Milo disse que se trata de ‘fofoca profissional’. “O processo é comandado pelo Cade, não por nós. Nós não temos nenhum acordo com relação a isso. Qualquer acordo que formos fazer é pensando no longo prazo”, falou.

Cacau capixaba

Com os produtores do estado ampliando a área plantada de cacau, devido ao bom preço, a Garoto disse que pretende também aumentar o volume comprado da matéria-prima capixaba. “Eu diria que todo cacau produzido no Espírito Santo nós já compramos. Temos uma associação com o Incaper que premia os melhores agricultores, investindo em matas e melhorias do manejo. Queremos cada dia um cacau melhor, não somente em quantidade, mas em qualidade”, falou o diretor-geral da Garoto.

Milo informou que a forma de compra escolhida é mais complexa, mas busca qualidade. “Temos comprado diretamente do pequeno produtor, sem intermediário. É mais complexo, mas é a única forma de garantir a qualidade do produto. E o consumidor quer estar seguro do que está comendo”, disse.

Impasse no Cade

O Cade vetou a compra da Garoto pela Nestlé em 2004, sob o argumento de que prejudicava a concorrência no mercado doméstico de chocolates. Para o senado, o processo no conselho não pode trazer prejuízos para os capixabas e para a Garoto, que está entre as principais geradoras de ICMS do estado.

“O órgão tem muita autonomia para tomar decisões, mas não podemos imaginar que essas decisões venham trazer problemas para a Garoto. É inimaginável que, para além dos problemas atuais, aconteça a desativação de alguma linha de produção ou produto por conta de um impasse desses”, pontua o senador Ricardo Ferraço. 

Já o presidente do Conselho Deliberativo do Espírito Santo em Ação, Carlos Fernando Monteiro Lindenberg Neto, lembra que o estado tem se esforçado para atrair novos empreendimentos que possam gerar empregos e tributos. No entanto, ele lembra que as empresas que já estão instaladas aqui também precisam ter condições de competir, continuar investindo e crescendo, numa referência aos entraves com a Garoto no Cade. “No campo da economia, a gente vê que, mesmo com esses sinais de melhoria de perspectiva, com todo mundo mais otimista, o mercado ainda está muito travado”, acrescentou.

Uma prova de que os empresários são persistentes, segundo o vice-presidente Institucional da entidade, Luiz Wagner Chieppe, é o crescimento da Chocolates Garoto mesmo diante dos 14 anos de incertezas junto ao conselho. “A gente sabe da seriedade do Cade, mas também sabe que esse é um processo muito longo para não ter sido resolvido até agora. Qualquer empresa precisa ter segurança jurídica para funcionar. Para a economia do estado, é necessário que isso tenha um desfecho o mais rápido possível, para que a Garoto continue crescendo e contratando”, defendeu.

As informações são do jornal O Globo, adaptadas pela Equipe MilkPoint. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint