ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Déficit na balança de lácteos é o dobro de 2015

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 18/07/2016

2 MIN DE LEITURA

5
0
O déficit na balança comercial de lácteos do Brasil no primeiro semestre já é o dobro do déficit registrado em todo o ano passado. O quadro é reflexo da escassez de matéria-prima no mercado doméstico, o que tem estimulado as importações. Nos primeiros seis meses do ano, o país importou US$ 268,6 milhões em produtos lácteos e exportou US$ 62,7 milhões, o que gerou um déficit de US$ 205,9 milhões. Em todo o ano passado, o déficit havia sido de US$ 100 milhões, conforme dados da Secex/Midc compilados pelo MilkPoint. 

Considerando os volumes comercializados em equivalente leite, o déficit na balança também cresceu. Conforme o MilkPoint, no primeiro semestre, o déficit foi de 683,7 milhões de litros ante 343,7 milhões no mesmo intervalo de 2015. Em todo o ano passado, o déficit fora de 548 milhões de litros.

A escassez de leite no mercado doméstico por conta da redução da produção tem elevado os preços internos da matéria-prima, o que torna a importação mais competitiva. De acordo com Valter Galan, analista do MilkPoint, as importações poderiam ser ainda maiores, mas no momento, os principais fornecedores do Brasil -
Argentina e Uruguai - enfrentam alguma restrição na oferta por problemas climáticos e aumento nos custos de produção.



No primeiro trimestre deste ano, a aquisição de leite no Brasil recuou 4,5%, para 5,86 bilhões, segundo o IBGE. Pelas estimativas do MilkPoint, a retração se acentuou no semestre, para 7% na comparação com igual período de 2015 (ver quadro). Até maio, a queda era projetada em 6%. Diante desse cenário, a disponibilidade total também caiu mais - 4%. Até maio, o recuo era de 3,5%.

Ainda conforme as projeções do MilkPoint, a disponibilidade de leite per capita no semestre foi de 56,6 litros, 4,8% abaixo dos 59,4 litros um ano antes. O recuo também avançou em relação a maio.

A expectativa de Galan é de um ambiente mais favorável à produção de leite no Brasil neste semestre uma vez que a relação de troca com o milho começou a melhorar. Assim, avalia, os preços da matéria-prima devem começar a ceder. Aliás, já começa a haver recuo nos preços dos produtos finais, como leite longa vida e muçarela, segundo Galan, reflexo de uma retração do consumidor.

No curto prazo, contudo, o cenário não deve mudar muito, pois a importação ainda está competitiva, diz o analista. Enquanto o queijo muçarela nacional é negociado por entre R$ 22 e R$ 23 o quilo no atacado, o produto argentino chega a São Paulo por cerca de R$ 17 o quilo.

Marcelo Costa Martins, diretor-executivo da Viva Lácteos (que reúne empresas do segmento), concorda que, no curto prazo, "não há perspectiva de mudança", uma vez que a limitação de oferta persiste no mercado interno. Ele observa, porém, que mesmo num cenário pouco estimulante para as exportações, as empresas do setor "continuam apostando na importância da abertura de novos mercados". O objetivo é estarem prontas quando o cenário estiver mais favorável.

As informações são do Valor Econômico.

5

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

ALEXANDRE FONSECA DE PAULA

SANTA RITA DE IBITIPOCA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 20/07/2016

Mas será que esses importados tem  qualidade igual aos produzidos aqui no Brasil ?

E essa queda de produção no Brasil dará para suprir o mercado Interno ?
ANTONIO CARLOS AGUIAR ESTEVES

SALVADOR - BAHIA - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/07/2016

Senhores,



Situação pior é a nossa, que o leite que as empresas de outros estados pegam aqui ainda são taxados, ficando o preço minimo do mercado, e nos assumindo praticamente este onus
ANDRÉ L.C.CABRAL

ITAPERUNA - RIO DE JANEIRO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 19/07/2016

A importação poderia ser ainda maior porque não é vc que acorda cedo pra tira leite, o preço do concentrado nas alturas se continuar importando e o preço abaixar temos que acabar Com a atividade mesmo.
SIDNEY LACERDA MARCELINO DO CARMO

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 19/07/2016

Prezado Roberto Jank Jr,



Na verdade nunca tivemos e pelo jeito nunca teremos governos responsáveis para com a pecuária leiteira.



grato
ROBERTO JANK JR.

DESCALVADO - SÃO PAULO - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 18/07/2016

Aí fica muito fácil produzir. Tiram as cotas, mas o subsidio continua na UE.

Na sequencia o Brasil importa esse leite excedente carregado de praticas desleais de comercio e todos ficam surpresos do porque da pecuária leiteira não progredir...

Já vimos esse filme antes.
MilkPoint AgriPoint