ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Consumo fraco afeta todos os produtos do agronegócio mineiro

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 14/12/2015

2 MIN DE LEITURA

0
0
Depois de registrar crescimento de até 15% ao ano, o agronegócio sente, agora, os efeitos da crise econômica. Até setembro de 2015, o segmento registrou uma alta de 0,65% no faturamento total em relação ao ano passado – o menor índice de crescimento dos últimos 11 anos. A situação, que assusta o setor tão aquecido em outros anos, é preocupante, de acordo com Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Minas Gerais (Faemg), que vê com pessimismo o ano de 2016 e pede cautela aos produtores. A ordem é para que eles evitem dívidas. Além das incertezas na economia, a Faemg destaca que os investimentos do governo federal no agronegócio para o ano que vem serão insuficientes, o que pode prejudicar ainda mais o segmento.

Apesar de o agronegócio ter registrado queda em faturamento nos anos de 2012, 2009 e 2005 (veja quadro), em relação aos índices de crescimento, o de 2015 foi o pior nos últimos 11 anos, sendo a menor alta registrada em 2007, com 6,14%. Em 2014, o setor cresceu 7,03%. “Todos os produtos estão sofrendo, principalmente no mercado interno que é o nosso principal comprador”, afirma o presidente da Faemg, Roberto Simões. De acordo com ele, agora, começaram a aparecer no agronegócio os efeitos da retração na economia. “É uma área em que a crise chega depois, devido às produções variadas e os riscos menores. Além disso, ninguém para de comer, ou seja, há sempre demanda”, avalia. “Se por um lado a alta do dólar foi ponto favorável à competitividade dos produtos agropecuários, favorecendo as exportações, por outro lado, encareceu os insumos”, acrescenta.

O leite foi um dos produtos mais prejudicados neste ano. De acordo com balanço divulgado ontem pela Faemg, embora o valor do leite pago ao produtor tenha sido 4,4% superior a novembro de 2014, a produção se tornou muito mais onerosa, já que, na mesma comparação, o aumento do custo de produção chegou a 14,2%, tendo como itens que impactaram nessa conta, além da mão de obra, lubrificantes, concentrados proteicos e energéticos, combustíveis (+ 7,9%), suplemento mineral (+6,6%), fertilizantes (+2,7%), encarecidos pela alta taxa cambial, e, ainda, as questões climáticas que encareceram os valores da ração.

Além do leite, a produção cafeeira não tem o que comemorar. O produto, considerado o principal do agronegócio mineiro, representando 49,2% das exportações do setor no estado, sofreu quebra de produção por questões climáticas, pelo terceiro ano consecutivo. Roberto Simões destaca que a valorização do dólar estimulou a exportação de cafés, com valor acumulado de janeiro a outubro na ordem de US$ 3 bilhões. Porém, o montante foi menor do que a receita obtida em 2014 em 7,9%, uma vez que houve uma produção mais baixa.

As informações são do Estado de Minas. 

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint