ENTRAR COM FACEBOOK ESQUECI MINHA SENHA SOU UM NOVO USUÁRIO

Conseleite/PR: valores para julho têm reajuste de -3,2%

Segundo dados do Conseleite do Paraná, o preço de referência do leite padrão projetado para julho (pago em agosto) mostra reajuste negativo de 3,23%, com valor de R$ 0,6096/litro para o produto Posto Propriedade*, uma queda de R$ 0,0204 por litro em relação à média obtida no mês anterior (valor final de junho, Posto Propriedade*, foi R$ 0,6300/litro).

Os preços de referência do leite acima do padrão e abaixo do padrão projetados para maio apresentaram variação similar a do leite padrão, de -3,2%, sendo valorados em R$ 0,7010/litro e R$ 0,5542/litro, respectivamente, para o produto Posto Propriedade*.

Tabela 1. Valores projetados de referência da matéria-prima (leite) para julho e valores finais de referência da matéria-prima (leite) de junho, em reais por litro.


*Os valores de referência da tabela são para a matéria-prima leite "posto propriedade", o que significa que o frete não deve ser descontado do produtor rural. Nos valores de referência está inclusa a CESSR (ex-Funrural) de 2,3% a ser descontada do produtor rural.

As informações são do Conseleite/PR, adaptadas pela Equipe MilkPoint.


O MilkPoint e a PricewaterhouseCoopers desejam saber sua opinião a respeito de programas de fidelização de produtores de leite. Clique aqui para participar da pesquisa.

6

COMENTÁRIOS SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Seu comentário será exibido, assim que aprovado, para todos os usuários que acessarem este material.

Seu comentário não será publicado e apenas os moderadores do portal poderão visualizá-lo.

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

SAVIO

BARBACENA - MINAS GERAIS - INDÚSTRIA DE LATICÍNIOS

EM 15/06/2012

De pleno acordo Guilherme,

Para enriquecer mais sua avaliação sobre a seleção natural a qual já estamos passando a algum tempo, no momento mais nitidamente por conta da crise, volto a evidenciar que um dos maiores problemas do setor nacional é a desuniformidade regional e entre produtores quanto ao padrão de qualidade, volume produzido e tecnologias empregadas.

Essa desuniformidade é responsável por uma variação tão grande de preços entre o leite acima do padrão e o leite abaixo do padrão. Também , ao meu ver, é responsável pelas limitações a nível de qualidade para competirmos no mercado externo, além do custo claro.

O setor de carne bovina foi forçado no episódio da vaca louca a passar por mudanças a toque de caixa sanitárias e tecnológicas para não perder oportunidades comerciais que se apresentavam pela carência do produto oriundo das regiões atingidas. Vejo essa tendência de adequação a padrões competitivos muito presente na pecuária leiteira nacional, com o agravante do leite na atualidade não ter um custo de produção competitivo como era o boi na época.

Abraço

GUILHERME ALVES DE MELLO FRANCO

JUIZ DE FORA - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/06/2012

Prezado Darlani Porcaro: Verifique que, na tabela 1 deste texto, temos que o "leite acima do padrão" é pago com preços superiores aos do sem qualidade. Isto é profissionalismo, ou seja, aquele que se dedica mais a produzir com qualidade, recebe maior preço.

Por outro lado, a leitura do que acima nos é repassado não nos diz sobre o pagamento por quantidade, sistema comum no setor, e que amplia, ainda mais, o valor destinado ao litro de leite, merecendo, portanto, maior acuidade de estudo, em face de sua importância.

Por isso, sempre pugnamos para que o produtor brasileiro seja cada vez mais especializado, profissional, produzindo sempre com muita qualidade e em quantidade de linha de produção (alta), como aliás, é o mote no mundo inteiro.

Temos, mesmo, portanto, que ser profissionais ou sairemos do mercado.

Aliás, isso funciona para criadores de gado de corte, suínos, aves e agricultura, além, é claro, para todos os setores de nossa vida.

Um abraço,

GUILHERME ALVESDE MELLO FRANCO

FAZENDA SESMARIA - OLARIA - MG

=HÁ SETE ANOS CONFINANDO QUALIDADE=
WALMIR ANTONIO JOHANN

MARECHAL CÂNDIDO RONDON - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 12/06/2012

que bom seria se a indústria,(que decidem quanto nós produtores vamos receber) arcassem com as nossas dispesas com parte veterinária,custo de produção etc...trabalharíamos em sistema de integração,que tal???há com certeza isso vai lhe parecer ofensivo não È?
JOSE ALAN DA SILVA PINHAL

UMUARAMA - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 09/07/2011

Eu acredito que o custo para produzir o leite, está cada vez mais caro eo leite,cada vez mais baixo!
MICHEL VALTER KAZANOVSKI

QUEDAS DO IGUAÇU - PARANÁ - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 16/07/2010

Caro Darlani, pra ser sincero acredito que por mais que a cadeia se una e reduza a produçao, que ja é baixa, não surtiria efeito algum no preço pago ao produto.
Você ja percebeu que sempre que o preço do leite, que é item da cesta basica, começa a subir, vem um dedo da midia, com seus "escandalos", do governo, com a liberação da entrada de produto do mercado externo, alegando serem medidas para manterem a politica de boa visinhança com nossos "hermanos" do mercosul.
A grande verdade é que, quem deveria nos amparar e proteger, visando a soberania do pais, ta pouco se lichando com o setor primario. O que importa mesmo é agradar a grande massa popular que os coloca no poder, e que esta muito satisfeita com as medidas acima mencionadas, pois coloca comida a baixo custo na mesa.
Um exempo disso é o que atualmente acontece com o trigo. O pais esta contente que a Argentina e Uruguai tera trigo suficiente para suprir os 80% de necessidade de importação do mercado brasileiro, nao havendo necessidade de importar o caro produto do Canada e EUA. Enquanto aqui as terras no inverno estão abandonadas, pois plantar trigo é dar um tiro no pé, pois o preço pago ao produto nunca paga os custos de produçao.
A unica mdida que podemos tomar, como produtores, é sim sermos muito profissionais. E isso não quer dizer produzir muito, mas criarmos mecanismos de sobreviver a essas fases. Planejando formas de, em caso de inprevistos, manter seus custos operacionais abaixo da renda bruta.
Isso é dificil? Muito! Mas não impossivel, depende de boa gestão, e muitas veses trabalhar a baixo da capacidade de produçao da propriedade. Mais vale ganhar menos, e ganhar sempre, que amargar prejuizos.
Enquanto isso o produtor rural sonha com a terra prometida, onde seu trabalho sera valorizado e reconhecido.
Rivalidade esportiva a parte, que inveja dos nos vizinhos argentinos. Quando numa decisao popular, como o governo brasileiro vive fazendo, de abaixar o preço dos alimentos para a populaçao, a presidente prejudicou os produtores rurais. Em contrapartida a populaçao urbana saiu as ruas em defesa do campo.
Quando veremos tal atitude em SP, RJ... É, nossos vizinhos estao muito mais proximos do paraiso que nós!!!


Um abraço.
DARLANI PORCARO

MURIAÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 14/07/2010

Devido á nossa eficiência em produzirmos leite, não só no Parana, e com uma pequena ajuda do governo brasileiro, em pleno mes de julho , estamos sendo presenteado, com o preço cada vez mais baixo. Se não abaixarmos nossa produção vamos receber mais presentes. Ainda querem que o produtor brasileiro seja muito profissional, é brincadeira.