ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

CNA defende elevação de tarifas para lácteos de fora do Mercosul

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 30/01/2012

1 MIN DE LEITURA

1
0
O presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Rodrigo Alvim, defendeu a elevação das tarifas para os produtos lácteos que já possuem alíquotas diferenciadas para importações de fora do Mercosul. O tema foi abordado nesta quinta-feira (26/1) em reunião com representantes da Secretaria de Relações Internacionais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), em um primeiro encontro para discutir uma nova lista de itens do agronegócio brasileiro que terão tarifas especiais para aquisição de produtos de fora do bloco sul-americano, visando evitar prejuízos comerciais ao Brasil.

Esta nova relação, que terá 100 produtos, será elaborada por um grupo de trabalho criado pela Câmara de Comércio Exterior (Camex), vinculada ao Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), e dependerá da aprovação dos outros países membros do Mercosul, segundo decisão do próprio bloco. Para Alvim, os lácteos devem constar nesta nova lista, mas com as tarifas elevadas de acordo com os limites estabelecidos pela Organização Mundial do Comércio (OMC), que no caso dos lácteos variam de 31,5% a 55%. Além do agronegócio, serão incluídos nesta relação produtos da indústria e de serviços.

Outro ponto defendido pelo setor foi a inclusão de novos tipos de queijo, como os de massa macia e outros, e de soros especiais, na lista de produtos lácteos. Atualmente, existe uma lista de exceção com Tarifa Externa Comum (TEC) para importação de fora do Mercosul para 100 produtos, dos quais 11 são lácteos, com alíquota de 28%, mas que possuem tarifas originais que variam de 14% a 16%. "Teremos várias discussões até chegar a um consenso, mas o que não podemos é permitir é que a importação de lácteos prejudique a produção brasileira", ressaltou. No encontro, também foram discutidas tarifas para outros produtos do segmento, como trigo, arroz, vinho, frutas e alho, entre outros.

A matéria é da Assessoria de Comunicação CNA, resumida e adaptada pela Equipe MilkPoint.

1

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

PEDRO AUGUSTO JUNQUEIRA FERRAZ

BELO HORIZONTE - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE LEITE

EM 31/01/2012

De acordo com o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos,  o Brasil é o terceiro maior importador de leite em pó do mundo, atrás, apenas da China e da Argélia.

Ë preciso mostrar aos altos escalões da República que essas importações  consideráveis, começam a desestalilizar a pecuária leiteira nacional.

A economia leiteira do Brasil é constituida , pricipalmente de pequenos e micros produtores. São proprietários de minifundios , espalhados por esse País afora, que tomam conta de um pedacinho do Brasil.

A atividade leiteira fixa o homem no campo, gera riqueza e dignidade na maioria dos municípios brasileiros.

Não podemos permitir que essas importações continuem sem limites e regras.

Os produtores de leite pedem socorro.

Pedro Augusto Junqueira Ferraz

Fazenda Passa Tempo - Leopoldina MG
MilkPoint AgriPoint