ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

CNA cobra governo e produtores

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 19/12/2008

3 MIN DE LEITURA

4
0
Dificuldades na comercialização, maior rigidez no crédito rural e redução de 8% no uso de fertilizantes levaram a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) a prever queda de 10% na produção de grãos nesta safra 2008/09, o dobro da prevista pelo governo. A projeção para o Valor Bruto da Produção (VBP) no ano que vem é de R$ 273,08 bilhões, menor que a deste ano: R$ 298,64 bilhões. A estimativa da entidade para o Produto Interno Bruto (PIB) do setor, em 2008, é de R$ 698 bilhões, ainda um crescimento de 8,62% sobre 2007.

A nova presidente da CNA, senadora Kátia Abreu (DEM-TO), defendeu maior transparência contábil dos produtores rurais para se adaptarem ao modelo de financiamento integrado, o que significa agentes financeiros operando em conjunto com informações centralizadas. Em compensação, pediu a desoneração tributária da cadeia produtiva dos alimentos, que enfrenta carga de 16,9% no Brasil, mais que o triplo do estabelecido na Europa e muito mais que 0,7% cobrado nos Estados Unidos. "Falta de transparência significa juros mais altos e seguro mais caro", avisou ela.

Consultor econômico da CNA, o professor Guilherme Dias também argumentou a favor de uma evolução na maneira como o produtor agropecuário apresenta suas contas à sociedade. Uma modernização, na sua opinião, será indispensável na transição do atual e desorganizado sistema de crédito, para um ambiente financeiro mais desenvolvido.

Exemplo da desorganização do sistema de crédito rural, segundo a presidente da CNA, é o pequeno volume de recursos que os produtores tiveram, em 2008, com juros subsidiados de 6,75% ao ano: R$ 11 bilhões. Criticou o fato de 60% disso tenham ido para Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Sul de Minas Gerais. Na média geral, os produtores do Centro-Oeste, mais prejudicados pela logística deficiente, pagaram juros de 21%, contra 15% dos que estão mais próximos dos portos.

Além da desoneração tributária, Dias defendeu uma política de subvenções como substituta de renegociações de dívidas que, na sua avaliação, não resolvem nada e apenas empurram o problema para a frente. "É irrealista achar que o endividamento vai se resolver em 2009", explicou o economista.

A proposta de subvenção para apoiar a renda do produtor não significa, para Dias, ampliar o sistema de preços mínimos. Ele disse que esse modelo provoca muita insegurança para o governo quando a volatilidade dos preços é alta.

O cenário de 2009 é preocupante, de acordo com os argumentos da CNA. A comercialização da soja está em apenas 18% da produção, quando deveria chegar perto da metade. O mesmo quadro se repete em outros produtos, o que revela excesso de oferta e queda brutal dos preços. A safrinha do milho, com início para fevereiro e março, deve ter diminuição da área plantada.

A queda das margens do produtor foi marcante na safra 2007/08, segundo a CNA. Nesse período, houve elevação de apenas 1,5% no crédito, mas, por outro lado, os custos saltaram aproximadamente 30%. Esses ganhos menores engordam o endividamento. Kátia disse que, no Banco do Brasil, a carteira agrícola teve o risco elevado de 5% (2003) para 14% (2008). Esses fatores restringirão o crédito da safra 2009/10. Dias ponderou que o país tem de evitar a repetição da elevada inadimplência (20%) que ocorreu em 1995 e travou, por um ano, a oferta de crédito.

O endividamento crescente não é o único temor para 2009. A senadora também listou a reforma tributária, o câmbio, o comportamento da crise mundial e a trajetória das cotações das commodities como causas de uma grande apreensão. O decreto sobre crimes ambientais vem tirando a tranqüilidade no campo e a presidente da CNA também afirma que a mudança do cálculo dos índices de produtividade será um "desastre" para a pecuária. Outro motivo de insegurança, segundo a senadora Kátia Abreu, é a subjetividade usada nas fiscalizações do Ministério do Trabalho para definir o que é condição análoga à de escravo. Ela garante que a entidade apóia as recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT) contra o trabalho escravo.

As informações são de Arnaldo Galvão para o jornal Valor Econômico, resumidas e adaptadas pela equipe AgriPoint.

4

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

JOÃO LÚCIO DE ALMEIDA SILVEIRA

MURIAÉ - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/12/2008

Senhora Senadora e Presidente da CNA,

Mais uma vez cumprimento-a pela função assumida!

Sou de familia de produtores e presto consultoria a produtores de agriultura familiar e comercial. E questiono coisas. Porque não são utilizadas em grande escala ferramentas da democracia tal como o "plebicito", até mesmo para questões sutis ou de menos relevância, para busca de soluções na pecuária leiteira (isso podeira ser para outras atividades). Coloquem a responsabilidade sobre nós, produtores e técnicos. Se acertarmos louvaremos, se errarmos entenderemos, pois o peso do erro já está sobre nós mesmo.

Questões que tenho mas não sou conhecedor bastante para respondê-las:
- Onde está a propaganda e marketing do leite?
- Quem gerenciaria isso?
- Tem como haver um desconto sobre o leite (ex.: R$0,05 / litro) especificamente para propaganda de consumo?
- Quem diria que isso é honeroso visto que recebemos o que querem nos pagar. Talvez possamos ter desconto de R$0,05 centavos no lugar de 1, 2, 5, 7 centavos sem saber o destino?
- Poderia haver uma associação nacional onde cada produtor (cadstrado como tal) teria direito a 1 voto e resolveria de forma voto simples (50% mais 1) as propostas vistas anteriormente e a equipe eleita em cada estado faria execução, sem mais, sem entrar em constancia política, e outras práticas que mais enchem o ego que satisfazem o setor?

Estamos tentando organizar uma comissão com produtores, assistentes técnicos, laticínios, entidades financeiras, sindicatos e outras entidades, para tentar que nos ouçam em âmbito estadual e federal. Nesta comissão a força será o produtor e as entidades o apoiarão. Que Deus nos abençoe nisso!

Abraços
JOÃO LÚCIO DE ALMEIDA SILVEIRA

MURIAÉ - MINAS GERAIS - CONSULTORIA/EXTENSÃO RURAL

EM 31/12/2008

Cumprimento a nobre senadora pela disposição demonstrada ao assumir tal cargo e certamente a incumbencia de ser parceira num monento em que uma revolução no setor é mais que necessária, é de urgencia urgentíssima.

Quanto ao Social, ambiental e econômico: Ouço muito essa frase no dia-a-dia: "economicamente viável, socialmente junta e ambientalmente correta." É até poético... mas não vivemos de poesia. E também não vivemos a atividade com algo isolado. Ela é parte da vida e não a vida é parte da atividade (vida... vide dicionario). A atividade carece da nossa ação, trabalho, esforço, dedicação. E quando falo "nossa" não estou falando de cada um no seu setor se organizar. Estou falando do produtor rural agir em todos os setores.

Desculpe a colocação um tanto quanto veemente ou bruta. Mas, considerando por hora somente o dito "tripé", acredito que o produtor, junto com os parceiro que realmente tiver, contratados ou entidades de classe é que devem buscar a sustentação (tripé).

Se o governo ajuda, bom. Se não ajuda, procuremos a saída assim mesmo! Se a CNA ajuda, bom. Se não ajuda, procuremos a saída assim mesmo! Se a Faemg ajuda, bom. Se não ajuda, procuremos a saída assim mesmo! Se o Fetaemg, bom. Se não ajuda, procuremos a saída assim mesmo! Se os Sindicatos ajudam, bom. Se não ajuda, procuremos a saída assim mesmo!

A única questão que ainda não questiono da mesma forma é a relação entre produtor - cooperativa / laticínio - consumidor. Essa terá que estar em sintonia, conhecendo o grande "chefe" que é o mercado.

Portanto, considero muito as representações da classe e acho que estas deveriam fazer um trabalho para conscientizar o produtor de que ELE (produtor) é que está a frente de tudo. ELE é que manda, gerencia, tem lucros e prejuizos. Portanto ele é que é importante. Fortalecer verdadeiramente o produtor, e não ser uma proteção para ele. Desta última forma, quando a representação enfraquece, por motivo qualquer (e isso acontece sempre), o produtor mostra sua fraqueza que antes se escondia numa blindagem. não queremos uma blindagem. Queremos ser fortes. Os papeis precisam se inverter. O produtor tem que ser a força da sua representação e não o contrário. As entidades representativas precisam do produtor e não o contrário. Assim as representações estariam sustentadas e poderiam atuar.

Dou ênfase a essa necessidade: conscientizar o produtor que ele é a parte forte.

Felicidades e prosperidade!
MARCELO REIS PEREIRA

SÃO GONÇALO DO SAPUCAÍ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 27/12/2008

É bom ver um novo lider rural divulgando suas idéias, mas o que a senadora Kátia Abreu deve saber é que:

1° Somos todos brasileiros, produtores rurais, não temos mais dignidade, cidadania e nossa esperança está sendo enterrada.

2° Temos as leis ambientais mais pesadas do mundo e quase impossivéis de serem cumpridas. Nós produtores rurais estamos sendo pressionados a nos adequar, mas a cidade de São Paulo possui dois rios que cortam a cidade e não tem um centimetro de área de preservação permanete, como o rio Tiete e Pinheiros.

3° Nossa carga tributária é pesada para o produtor que paga ICMS na energia elétrica e óleo diesel e quando vamos pegar o crédito de icms na arrecadação fazendária demora até 3 anos para analisar cada processo.

4° A legislação trabalista e os ´fiscais" digo juízes, fiscais e outros nos tratam como senhores de escravos e uma verdade nossa não vale vinte mentiras dos empregados e seus advogados. Tal legislação é facista criada por Getulio Vargas e até hoje não foi revista para as novas demandas de um mundo globalizado.

5° Nós não queremos dinheiro emprestado e sim uma politica agrícola que inexiste nesse nosso Brasil. Não queremos 72 bilhões de reais para agricultura que nunca chega aos agentes financeiros e quando chega é pouco e fora de epoca.

Nessa tal de politica agrícola deve ser mais ou menos assim senadora:

No mês de abril de cada ano todo produtor deve informar a intenção de plantio e qual cultura e produtividade esperada. No mês de junho o órgão governamental do setor deve orientar cada produtor de quantos hectares ele deve plantar da cultura desejada para não ocorrer oferta excessiva de produção e ocorrer estoques sem necessidade. A área que vai ficar ociosa não deve de maneira nenhuma ser desapropriada para reforma agrária nem ser cultivada. Assim, na área que o produtor plantou ele terá certeza que vai ter lucratividade para se manter na atividade. No mês de setembro os recursos devem já estar disponíveis para o setor rural e no momento do credito em conta corrente vai ter um seguro rural que cubra eventuais problemas como seca, granizo, geada ou outros fatores climáticos.

Essas, senadora, são algumas idéias para a senhora pensar, pois pela reportagem que li acima, a senhora está a um passo de fazer como o saudoso presidente Fernando Henrique Cardoso, que quando questionado por um reporter sobre o aumento da carne de frango ter subido em função do aumento da soja no mercado internacional, não se fez de rogado e logo soltou a joía: " o frango nacional não deve comer soja importada e sim soja produzida no Brasil".

Eu desejo para a senhora um bom mandato, um 2009 cheio de trabalho para defender um setor totalmente desunido e totalmente martirizado nesse Brazil com Z.

Obrigado pela atenção.

JOSEPH CRESCENZI

ITAIPÉ - MINAS GERAIS - PRODUÇÃO DE CAFÉ

EM 19/12/2008

É refrescante ver um novo líder da classe produtora demonstrar com clareza que entende de nossos problemas. Esperamos ver as soluções implementadas.

A sustentabilidade é composto do Tripé formado quando a produção é Socialmente justo, Ecologicamente correto e o fator sempre esquecido de ser Economicamente viavel. Com tantos tributos "sociais" e regras ambientais, o economicamente viavel fica sendo o pé que cai.
MilkPoint AgriPoint