ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Clones bovinos começam a ser registrados no Brasil

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 11/01/2010

4 MIN DE LEITURA

0
0
Cerca de 70 animais foram clonados comercialmente no Brasil nos últimos anos, segundo fontes do setor, mas nenhum deles tinha registro genealógico - o equivalente a uma carteira de identidade ou CPF - até agora. Os primeiros registros só foram dados no ano passado, após um longo processo de negociação das associações de criadores com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Divisa Mata Velha TN 1, uma bezerra nelore nascida em Uberaba, Minas Gerais, é o primeiro clone zebuíno com "CPF" do mundo. O registro foi concedido em 1º de dezembro pela Associação Brasileira dos Criadores de Zebu (ABCZ), a principal entidade da pecuária nacional - já que 80% do rebanho brasileiro é de raças zebuínas, principalmente a nelore. "O ponto-chave disso tudo é que, com o registro genealógico, o clone passa a ter valor comercial. Antes, era como se os animais não existissem", explica o pesquisador Rodolfo Rumpf, da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, um dos pioneiros da clonagem no Brasil e corresponsável pelo projeto.

A bezerra clonada é uma cópia genética da vaca Divisa Mata Velha, animal símbolo da fazenda Mata Velha. A sigla TN1 acrescida ao nome indica que o animal foi produzido pela técnica de transferência nuclear, que é a base da clonagem. Ela é a terceira vaca a merecer esse "sobrenome" no País.

Mas antes dela, duas bezerras da raça Jersey já haviam sido registradas como clones em julho, no Rio Grande do Sul. Quando a vaca mais famosa e mais querida da fazenda Cabanha da Maya adoeceu repentinamente, no fim de 2007, os proprietários se desesperaram. Responses Wonder, da raça leiteira jersey, tinha sido importada dos Estados Unidos em 2001 e, além de ganhar várias premiações, era tão carinhosa com os tratadores que recebeu o apelido de Mimosa. "Quando percebemos que ela ia morrer, foi um desespero", lembra o administrador da fazenda, Chico Vieira. Mimosa já tinha sete filhos, mas a pureza de sua genética seria perdida para sempre. A solução de última hora foi tirar uma amostra da pele da vaca e enviá-la da fazenda em Bagé, no interior gaúcho, para a empresa de biotecnologia Cyagra Brasil, em Mogi Mirim, no interior paulista.

Dessas células da pele foram produzidos embriões clonados, dos quais nasceram, em julho de 2008, duas bezerras geneticamente idênticas à então já falecida Mimosa. Em abril de 2009, a associação dos criadores de gado jersey conseguiu autorização do Ministério da Agricultura para fazer o registro genealógico de animais clonados. E assim, três meses depois, as duas bezerras tornaram-se os primeiros clones registrados no Brasil: Excelência TNT Wonder 1 da Maya TN e Excelência TNT Wonder 2 da Maya TN.

A experiência deu tão certo que a fazenda encomendou vários outros clones. O último nasceu na semana passada - uma cópia da vaca Querida, que também morreu subitamente, quando tinha apenas 3 anos.

Na maioria dos casos, a clonagem é usada para preservar o DNA de um animal elite, de alto valor genético (e monetário). São animais "top de linha", usados exclusivamente para fins reprodutivos, como doadores de genes para outras gerações - seus filhos, netos e bisnetos - que vão disseminar suas características pelo rebanho. O valor comercial, portanto, não está no animal em si, mas na sua "genética", que pode ser comercializada por meio de sêmen (no caso dos machos), embriões (no caso das fêmeas, já que os óvulos não podem ser congelados) ou crias, obtidas de cruzamentos selecionados.

Há pelo menos seis empresas trabalhando com clonagem comercial no País, além de vários laboratórios acadêmicos. "O Brasil é referência mundial nessa área. Estamos na fronteira do conhecimento", diz o especialista Flávio Meirelles, da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos da Universidade de São Paulo (USP), em Pirassununga, no interior paulista, cujo grupo já produziu 36 clones em parceria com empresas da região. "A demanda por clones já é alta. Estamos quase no limite da nossa capacidade de produção."

O clone da Divisa Mata Velha foi produzido pelo laboratório Geneal, em Uberaba, em colaboração com a Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, em Brasília, que desenvolveu a tecnologia de clonagem e transferiu o conhecimento para a empresa por meio de uma Parceria Público-Privada.

Registro

Uma das exigências para o registro é a apresentação de um teste comparativo de DNA, feito em laboratório credenciado, provando que o animal é mesmo um clone, geneticamente idêntico ao outro. Além disso, o proprietário do animal clonado precisa apresentar uma carta comprovando que deu consentimento à clonagem - uma salvaguarda à produção de "clones piratas", já que bastaria roubar uma amostra de pelos de um animal para cloná-lo. "Você pode até fazer o clone, mas não vai conseguir registrá-lo", afirma Josahkian, da ABCZ.

Clones produzidos antes da normatização poderão obter registro retroativo, dependendo de uma análise caso a caso pelo ministério. Os que nascerem agora poderão ser registrados diretamente pelas associações. Três já conseguiram autorização do ministério para isso: as de gado zebu (desde maio), jersey e holandesa (desde abril).

As informações são do jornal O Estado de São Paulo, adaptadas e resumidas pela Equipe MilkPoint.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint