ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Cinco produções do Queijo Minas Artesanal das Vertentes já possuem certificação de origem

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 21/12/2015

1 MIN DE LEITURA

0
0
Cinco produções do Queijo Minas Artesanal das Vertentes já possuem certificação de origem e outras estão em processo de reconhecimento. Tudo isso graças a um programa executado há cerca de quatro anos pela Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA) e a UFSJ.

Ostentar o selo significa que esses produtos da região têm aval para serem comercializados em todo território mineiro e garantia de procedência especial, já que o Minas Artesanal se diferencia dos outros por não ter leite pasteurizado. “Todo queijo tem que ser certificado pelo Governo do Estado ou pelo Governo Federal, mas essa certificação é voltada especialmente para esse, que não é fresco. Na realidade ele tem que ficar na queijaria do produtor no mínimo 22 dias, em processo de maturação, antes de sair para o mercado”, enfatizou o gerente regional da Emater, Ademir Guimarães.

Procedimentos

Ainda segundo Guimarães, para haver a certificação dos produtores locais foi preciso uma força-tarefa conjunta das instituições envolvidas. “Quando essa iniciativa começou envolveu profissionais da universidade que realizaram um levantamento sobre a origem histórica do queijo na região. A Emater e a Epamig ministram cursos para os produtores, orientando sobre os procedimentos necessários para a adequação; e o IMA passou a fiscalizar e certificar”, disse em referência a uma série de procedimentos de segurança a serem seguidos pelos queijeiros.

“Primeiro é feita análise de todo o rebanho, que é submetido a exames de sangue e deve ser vacinado contra aftosa”, destacou Guimarães, lembrando que o controle sanitário é rigoroso, também, com as pessoas que trabalham na fabricação dos produtos artesanais. “Na queijaria entra apenas quem trabalha ou está usando roupa especial, com equipamentos como bota, toca e avental. Além disso, as mãos têm que ser esterilizadas. Isso sem falar que há exames da água e os queijos são enviados periodicamente para checagens laboratoriais”, completou.

Ricardo Tarôco é proprietário de uma queijaria artesanal em São João del-Rei, que já está certificada. Ele salienta a relevância de garantir a sanidade dos seus produtos. “Esses cuidados com a higienização adequada no processo garantem maior qualidade e também que a massa vai, de fato, virar queijo”, afirma. 

As informações são da Gazeta de São João Del-Rei.

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint