ESQUECI MINHA SENHA CONTINUAR COM O FACEBOOK SOU UM NOVO USUÁRIO
Buscar

Chile: Fedeleche exige "requisitos mínimos" para negociar TLC

GIRO DE NOTÍCIAS

EM 24/08/2004

2 MIN DE LEITURA

0
0
"Nosso discurso continua o mesmo. Não estamos de acordo com um Tratado de Livre Comércio (TLC) que inclua a redução dos lucros do setor leiteiro". Desta forma o presidente da Federação Nacional dos Produtores de Leite do Chile (Fedeleche), Ricardo Michaelis, mantém a postura da entidade frente ao Acordo de Associação Econômica Estratégica (P3) que o governo chileno negocia com a Cingapura e com a Nova Zelândia e que nesta semana reúne em Wellington representantes das três partes envolvidas.

Michaelis disse que o setor leiteiro chileno não apoiará este acordo, a não ser que o governo cumpra com os "requisitos mínimos" que o setor exige para negociar. Ele disse que já enviaram à Direção Geral de Relações Econômicas e Internacionais (Direcon) o documento onde são detalhadas as demandas do setor: um período de carência de 10 anos, uma redução lenta dos impostos também de uma década, o estabelecimento de uma cláusula de salvaguarda especial e uma série de medidas para melhorar a competitividade. A cláusula de salvaguarda protegeria os produtos lácteos nacionais no caso dos bens neozelandeses entrarem no país a preços baixos.

"A idéia é que a cláusula seja ativada automaticamente quando o preço das importações de lácteos desses países estiver abaixo de um preço de referência "x" estabelecido, isso imediatamente faz com que o produto em questão passe a ter um tratamento diferente".

O segundo "gatilho" seria o volume, ou seja, seria aplicada a cláusula quando o volume das importações superasse um valor que ainda será definido e que poderia ser, por exemplo, a média dos últimos três anos. De acordo com Michaelis, esta cláusula de salvaguarda especial é compatível com as normas da Organização Mundial do Comércio (OMC), já que a entidade permite aos países membros inscrever alguns produtos para ter acesso a esse benefício.

A estas três demandas se somam uma série de medidas relacionadas ao aumento da competitividade do setor. De acordo com Michaelis, trata-se de "mecanismos que nos levam a uma situação mais parecida a que tiveram os neozelandeses a quem se subsidiou por mais de 30 anos".

Além disso, a Fedeleche pede a criação de uma fundação para a promoção do setor leiteiro e mais recursos para a recuperação de solos degradados. A Direcon está conversando com outras repartições do Ministério da Agricultura e Fazenda sobre estes assuntos.

De acordo com Michaelis, a negociação que será realizada nesta semana em Wellington não incluirá ainda o tema de redução de impostos, até que as partes interessadas se reúnam em 29 de novembro em Santiago do Chile.

Fonte: Diario Financiero, adaptado por Equipe MilkPoint

0

DEIXE SUA OPINIÃO SOBRE ESSE ARTIGO! SEGUIR COMENTÁRIOS

5000 caracteres restantes
ANEXAR IMAGEM
ANEXAR IMAGEM

Selecione a imagem

INSERIR VÍDEO
INSERIR VÍDEO

Copie o endereço (URL) do vídeo, direto da barra de endereços de seu navegador, e cole-a abaixo:

Todos os comentários são moderados pela equipe MilkPoint, e as opiniões aqui expressas são de responsabilidade exclusiva dos leitores. Contamos com sua colaboração. Obrigado.

SEU COMENTÁRIO FOI ENVIADO COM SUCESSO!

Você pode fazer mais comentários se desejar. Eles serão publicados após a analise da nossa equipe.

MilkPoint AgriPoint